GNR abalroa e insulta ciclista

#62
Joao.T

Eu ando acompanhar este topico sem me intrometer muito nos vossos discursos de ver quem sabe mais ou quem tem a opiniao melhor , mas parece me que voçe tem tiques de advogado do vilao, e sempre ele que paga melhor!


Querer ser sempre o dono da razao mudando de estrategia escritas que so um advogado sabe fazer em pleno , quando os outros intrevenientes falam de outro assunto voçe diz que nao val
e pena falar de outros assuntos mas centrar se apenas no "GNR" e de toda historia anterior ao toque ou facto que nao conhecemos para tirar juizes de valor de forma precipitada.

Alias penso eu que devia tirar entao mestrados e pos doutoramentos para ver entao como sociadade age perante uma forma continuada de injusticas que sao visiveis aos comuns dos mortais ,sabendo de antemao que caso seja uma pessoa singular essa mesma justica ja funciona em pleno!

Voçe pertence tambem uma casta das que sao intocaveis , e ate ha bem pouco tempo se sobe que os alunos de advocacia faziam copias nos exames , por isso todos nos podemos julgar quando assim quisermos temos direito as nossos opinioes baseadas em factos que sao mais que relatados e comprovados por bastantes meios informativos!
 

SeteGu

Active Member
#63
Na minha opinião o que quer que tenha acontecido antes não desculpa as atitudes do GNR. E, por isso, acho que deve ser punido até porque o exemplo deve vir sempre de cima e, sendo polícia (autoridade), tem mais alguma responsabilidade.

Agora... claro que para que seja punido convém conhecer a história toda... mas isso já é algo diferente.

Não sei se deveria ser expulso ou só ouvir um puxão de orelhas mas se efetivamente for convidado a sair não me causaria qualquer comichão. Afinal não são as atitudes que se esperam de um elemento policial (antes pelo contrário).

EDIT: Picardias sempre houve e continuará a haver em todos os fóruns mas pelo menos tentem ser construtivos e respeitar todos os membros e respetivas opiniões. Os ataques pessoais e insultos nunca levam a conversa para lado algum. Mas lá está... é só a minha opinião e provavelmente nem me devia ter intrometido. Feliz 2016 a todos. :)
 
Last edited:
#64
sonoro,

Não vale a pena depreciar-me. Até porque não o irá fazer dessa forma. Eu já não sou advogado mas tenho muita consideração pela profissão. As críticas que lhes são feitas são muito injustas. Só se lembram dos advogados quando se vêem apertados. Se fosse advogado não teria vergonha nenhuma em patrocinar o polícia ou o ciclista.

No resto, confesso que não entendi a crítica. Eu defendi que a conduta do GNR deve ser analisada concretamente. Que se deve analisar a conduta concreta daquela pessoa concreta. Está a defender que as pessoas se devem julgar por classes profissionais?
- És polícia, não prestas, condenado ao máximo possível;
- És bombeiro, és boa pessoa, absolvido e ainda um pedido de desculpas por ter terem incomodado;
- És médico, então és mais ou menos, levas uma pena, mas mais leve que o polícia.

Os factos concretos, o que realmente aconteceu? Isso não interessa para nada, porque as pessoas são censuradas de acordo com a classe profissional.

É isto que defende?

Eu defendi que toda a história deve ser conhecida. E no final retiram-se as conclusões, quaisquer que elas sejam. Seja condenação, seja absolvição, seja simples advertência, seja demissão, seja o que for.

Para si existe uma pena já predefinida?

Não entendi essa da "pessoa singular". Também não entendi essa da casta intocável. Aliás, o assunto agora já não é o GNR? O assunto agora sou eu? Eu acho que nunca sequer passei naquela rua... e aquele senhor gorducho que saiu da carrinha, não sou eu... e aquele tipo que estava em cima da bicicleta... também não era eu...

Que injustiças continuadas é que está a falar (atenção que não estou desde já a afirmar que não existem... só gostaria de saber a quais se refere)?

Se há alunos que copiam? E então? O que é que eu tenho a ver com o que os outros fazem?

Cada um é livre de fazer o seu julgamento próprio, que é como quem diz, cada um é livre de pensar o que quiser. Verdadeiros julgamentos, em Tribunal, com a responsabilidade de definir a vida dos outros, graças a Deus que a maioria daqui nunca os fará. O sonoro incluído.

No demais, da mesma forma que o sonoro tem direito à sua opinião, os outros também têm igual direito. E se o sonoro, ou qualquer outra pessoa, vem a um forum expor a sua opinião, há-de convir que se sujeita a que qualquer pessoa o confronte com ideias contrárias.

Ou será que este fórum é diferente e só se pode ter uma única opinião? É que se for assim, o sonoro tenha a bondade de me elucidar qual é a opinião que se pode ter, para que eu possa saber se posso, ou não, aqui escrever.
 
Last edited:
#65
Joao.T

Sao tantos casos de injustiça feito neste pais nao me acredito que você com a sua capacidade de analise nao tenha o bom senso de ver como para a justica portuguesa e tudo que rodeia!

Exemplos sao tantos ainda hoje houve aquele caso de droga em que juiz fez uma exelente burrada e so um pequeno exemplo ,esta rodar nos jornais precisamente hoje em todos os canais , temos grandes elefantes brancos em portugal mas o Joao.T parece que vive em outro pais para nao vislumbrar o mesmo que quase todo o povo vê.

Eu nao sou nenhum profissional nas artes de escrita mas sei ver bem que você monta um labirinto de complexo mas desmontavel , por qualquer pessoa com mais conhecimento que eu na arte da escrita!

Tem todo direito de discutir e discordar de nossas opinoes e nunca de alguma forma o obrigo a ter a mesma opinao que eu ou mostrar mesma forma de raciocinio tanto o senhor como eu somos livres de mostrar a nossa opinao do caso se estou certo nao sei , claro que nao sou juiz nem serei nunca nao tenho curso para isso!

Exemplos de justiça continuadas são todas aqueles que nos vimos que as pessoas andam a solta porque tem dinheiro para comprar a justiça e por ai fora e ninguem faz nada ,esta na cara de todos existe tantos exemplos que podiamos estar aqui uma noite a discutir se concordavamos com tal sentença arrasto de justiça para mais de 12 anos continuados , alguns deles so resolvidos com tribunal europeu.

Acho graça que vivendo no mesmo pais que eu e tantos tugas nao veja as injustiça que acontece neste pais , ate com sentenças que sao dadas num ponto do pais e outras semelhantes e os juizes dao penas diferentes!

PS:ex:Mario soares com seu motorista a dormir no topo gama Mercedes, sabe qual foi resposta dele ao ser apanhado na auto-estrada a 256km? O contribuinte e que paga a multa .. (E justo nao porque o salario dele e vitalicio como todas as regalias apos ser presidente!)

Eu trabalho ate aos 66 de moleta para receber uma miséria depois e ser ainda descontado para descalabres finaceiros! É justo ? sao questoes que ficam tal como voçe se questiona a si proprio!

Pode ter a sua opiniao a vontade!! Como eu a minha e nao faça ataques pessoais apenas comentei porque o menciono que foi advogado ou eis advogado!Quanto a casta é e sera uma de muitas instaladas em portugal protegidas por toda uma classe que se envolve em si própria para tirar proveito do povo! Nem adianta entrar muito por ai porque todos sabem que existe "GENTE intocável em portugal"
 

Joseelias

Well-Known Member
#66
@Joao.T

"eu já nasci depois do 25 de abril e aposto que a maioria dos sniper's aqui do fórum também já nasceram em momento posterior. Nós não vivemos épocas de verdadeira repressão policial, feita de forma institucional."

É impossível ignorar o factor educação, cultura, tradição, etc., em todo este processo. A partir do momento que parte das crianças foram e são educadas sob a ameaça de que se não comerem a sopa até ao fim vão chamar a policia, logo aí está a introduzir-se um elemento de animosidade para com essa classe profissional.

Não é necessário ter vivido no regime fascista para se conhecerem as histórias, que nos são contadas por familiares, e sentir de forma indirecta repudio pela repressão protagonizada por membros da autoridade e desta forma criarmos antipatia por eles. Todos nós temos reacções emocionais ao que nos é contado na terceira pessoa.

Mais, no caso de terras pequenas, os protagonistas destes actos de repressão e violência continuaram a exercer a profissão lá. Isto é, neste país há muita gente que nunca foi espancada por motivos políticos numa esquadra ou quartel, mas conhecem as histórias de quem o sofreu e cruzam-se com quem as realizou.

Nós não somos ciborgues, criados numa fábrica e onde introduzem um programa de personalidade standard que é uma tabula-rasa. Quando se chega à idade de vir para um fórum opinar, já temos imensos anos de educação ministrada pela família, pela sociedade, pela cultura e por aí fora com milhões de variáveis diferentes de individuo para individuo. Eu nunca fui preso e torturado pela PIDE, e no entanto gostaria de os ver todos arreabanhados, e mesmo passados 40 anos serem julgados e condenados pelos crimes que cometeram. Nunca conheci um (que eu saiba), mas é-me impossível não lhes sentir raiva ou mesmo ódio por tudo o que me foi contado por familiares e aprendi através do resto da sociedade.

Penso que não é necessário discutir o efeito da educação e cultura quando se trata de preconceitos. Ou da importância que os actos de membros individuais têm na imagem da instituição que representam. Se assim não fosse não existiriam gabinetes de Relações Públicas em quase todas as empresas e instituições para gerir os danos que por vezes até o mais pequeno membro pode criar junto da opinião pública.

Deixo aqui um video sobre uma experiência cientifica que foi feita sobre a tradição, e de como determinados comportamentos passam de forma "irracional" de uma geração para outra, e que de alguma forma se aplica aqui. Foi o primeiro que encontrei e a qualidade é básica, mas explica a experiência feita e o resultado.

Penso que já expliquei meu ponto de vista. Bom ano.


[video=youtube;_8zA18LkPR4]https://www.youtube.com/watch?v=_8zA18LkPR4[/video]
 
#67
Sonoro,

Eu não fiz nenhuma referência à sua escrita. Se se sente diminuído, é um problema seu, porque da minha parte, nesse aspeto, não há nenhum problema. Cada um escreve como sabe e como pode. E todas as opiniões são bem vindas.

Dito isto, há um reparo que tenho de lhe fazer. O sonoro diz que
- eu tenho "tiques de advogado do vilao, e sempre ele que paga melhor"
- que eu pertenço a uma "casta das que são intocáveis"

E agora vem-me pedir que eu (!?!?)... eu "nao faça ataques pessoais"...???

Tenho de lhe responder o seguinte: esteja descansado. Não lhe farei a si o mesmo que o senhor me fez a mim. É que o sonoro poderia simplesmente dizer-me que não concordava comigo por este ou por aquele motivo. O resto foi escusado.

Adiante.

Se houver alguém, com argumentos sólidos, que me convença que eu não estou certo, irei reconhecer que não estava certo e ficar-lhe-ei grato. Discutir e trocar opiniões é assim mesmo. Ter a mente aberta é isso mesmo.

Já agora, porque é que não tenta o sonoro? É que eu ainda não percebi em que é que discorda de mim.

Acusações soltas e sem factos, eu não comento, porque nem sei comentar. Portanto, naquilo que o senhor refere, eu irei cingir-me à parte em que tem factos.

O senhor fala numa notícia do JN de hoje. Diz-me a experiência que devo aguardar por novos desenvolvimentos e informações. Já não é a primeira vez que noticias aparecem na primeira página e depois são desmentidas. Mas a notícia é a primeira página. O desmentido é uma nota de rodapé. Quer um exemplo? Deixo-lhe um link: https://www.csm.org.pt/ficheiros/imprensa/direitoresposta_cm2.pdf

Veremos então mais tarde.

O senhor fala nas regalias de um ex-presidente. Os deputados votaram essa lei. Não me parece que tenha a ver com a área da justiça. A lei foi assim feita mas não são os polícias, advogados e magistrados que fazem as leis. Isso é mais para o lado da Assembleia da República.

O senhor fala em receber uma miséria aos 66 anos. Isso terá a ver com a Segurança Social. Nada a ver com a área da justiça.

O senhor fala em pagar os descalabros financeiros. Certamente que não foi um Tribunal, a Ordem dos Advogados ou algum Sindicato da Polícia que o obrigou a pagar. A decisão é política, tomada por pessoas em quem o povo votou. O sonoro e todos nós fazemos parte desse povo.

Como vê, até agora, os factos concretos que referiu, em termos da área da justiça, é uma "mão cheia de nada".

Eu só lhe respondi a isto para que não me acusasse de recear tocar nesses assuntos.

Mas já reparou qual é o tema desde tópico? Eu relembro: "GNR abalroa e insulta ciclista".

O que é que isto tem a ver com o tópico? Nada.

Fico-me por aqui, então.
 
#68
Joseelias,

Eu até te daria razão, se a animosidade fosse apenas com a polícia. Mas não é.

É também com os médicos. É também com os professores. É também com os motoristas. Até já vi animosidade contra os estivadores.

Não vejo uma ligação entre essas profissões e aparelhos de repressão.

Continuo com dúvidas. Mas obrigado pela partilha.

Bom ano.
 
Last edited:

SeteGu

Active Member
#69
Joao.T said:
Se houver alguém, com argumentos sólidos, que me convença que eu não estou certo, irei reconhecer que não estava certo e ficar-lhe-ei grato. Discutir e trocar opiniões é assim mesmo. Ter a mente aberta é isso mesmo.
Vou tentar mais uma vez.

Acho que aqui o ponto de discórdia é só um: que o policia deve ser punido pelo que fez. E porquê? Pela sua conduta e por ter infringido a lei.

Vejamos o assunto ao contrário: o policia estava de bicicleta e um cidadão comum no carro. Acontecia o mesmo... mas há alguma dúvida de que o individuo do carro iria ter problemas? Ou o policia ia-lhe perguntar se tinha acordado bem disposto ou discutido com a mulher?

Será que quando a policia multa por excesso de velocidade vai tentar perceber as razões que levaram tal pessoa a fazê-lo? Será que quando um individuo faz uma razia a um carro pondo em risco a vida de alguém com menores ao seu lado, só por si, já não deve ser punido?

No exemplo que foi dado lá atrás... Então o homem que matou a mulher à facada teve um motivo válido para o fazer? Por curiosidade... esse homem não foi condenado?

Então porque deve ser o policia punido? Porque infringiu a lei e teve uma conduta muito pouco própria! A mim parece-me óbvio...
Claro que para punir o policia se terá de investigar o que aconteceu e o historial do mesmo. Mas isso não invalida que tenha de ser punido.

Há certas coisas que não devem acontecer na sociedade e as pessoas têm que saber que se o fizerem serão penalizadas. Um policia não cumprindo a lei e aproveitando o seu estatuto para ameaçar um cidadão e fazer o quer é claramente uma delas.

Só mais um exemplo: uma velhinha entra em contra-mão na autoestrada. Será que não deve ser punida porque... coitadinha... vê mal e não fez por mal? Quando digo punida não digo ir presa... mas pelo menos que lhe retirem a carta de condução.

Para mim é óbvio e não consigo ver as coisas de outra forma.
 
#70
Setegu,

Eu já nem ia dizer mais nada, mas como sou o visado... cá vai.

Concordo com tudo o que disseste. Se ele infringiu, que seja punido. Mas esse nunca foi o ponto de discórdia. Nem eu, nem as pessoas que discordam de mim, temos divergências aqui. Isto já são tantos comentários, que se calhar nem te apercebeste do verdadeiro ponto de discórdia.

O verdadeiro ponto de discórdia é o seguinte: os elementos que estão reunidos bastam para que se retirem desde já TODAS as conclusões? Há aqui pessoas que estão satisfeitas com aquelas imagens. Têm aquilo, não é preciso mais nada. Têm a opinião feita. Outros (ou, pelo menos, eu) defendo que não me basto com as imagens. Quero ouvir a versão do GNR. E quero conhecer o passado e a motivação do GNR. E quero entender o que se passou antes da ultrapassagem. E depois tirar as conclusões todas. E para quê?

Não sei se te deste conta, mas estamos a analisar vários tipos de responsabilidade. Se fosses tu a ultrapassar o ciclista e lhe fizesses uma razia, o que é que acontecia? Pagavas uma coima. E o polícia, a mesma coisa. Aqui não há grandes dúvidas. Responsabilidade puramente contraordenacional. Infração de regras estradais. Simples. Se fosses tu, pagavas a coima e ias descansadinho à tua vida. Ninguém ia ter com o teu patrão a denunciar o caso para que ele te punisse. E se o teu patrão te chateasse por causa daquilo, tu dirias "meta-se na sua vida, o que é que tem a ver com as infrações estradais que eu cometo quando estou fora do trabalho?"

Mas o polícia não é assim. O membro Girinhas mais ou menos foi dizendo as coisas. O GNR pode ser punido por atos que ele praticou quando não estava ao serviço. O GNR pode ser punido disciplinarmente por coisas que ele andou a fazer na vida particular dele. Entendes a diferença? Tu pagas a coima e vais à tua vida. O GNR paga também a coima como tu. Mas, para além da coima, ainda é punido disciplinarmente. Tu = responsabilidade contraordenacional; O GNR = responsabilidade contraordenacional + responsabilidade disciplinar.

E é aqui, na parte disciplinar, que é preciso outro tipo de cuidados. Mas não é porque me apetece. É porque assim decorre da lei. É aqui que entra a restante parte que tu não compreendes.

Houve aqui pessoas que logo disseram que ele deveria ser demitido. Outras acharam que era excessivo. Eu digo que não sei. Se este episódio é único na vida daquele militar, que até já teve vários louvores no passado, foi um militar exemplar até este dia, e cometeu este ato (sabe-se lá porquê), se calhar é excessivo demiti-lo. Mas se este episódio é apenas mais um entre muitos, se calhar já vai tarde e há muito que deveria ter sido corrido. Mas para isso, é preciso reunir aquelas informações que tu e os outros acham desnecessárias. Na responsabilidade contraordenacional não é preciso ter estes cuidados. A lei não os impõe. Se eu estacionar mal o carro, pago uma coima, ponto final.

Sobre a facada, a mulher não foi morta, levou a facada mas estava viva (pelo menos à data). Mas independentemente disto, não é necessário conhecer a motivação e toda a história? Então o homicídio privilegiado é punido de 1 a 5 anos de prisão. O homicídio simples é punido de 8 a 16 anos de prisão. O homicídio qualificado é punido de 16 a 25 anos de prisão. Não é necessário conhecer toda a história para se saber qual deles foi praticado? E depois para se saber qual a pena concreta (a lei dá um intervalo, mas depois é necessário apurar o número concreto de anos - 8, 9, 10...) não é necessário conhecer todos os pormenores?

Termino este tema, porque já estou cansado dele. Deixo uma observação final: independentemente do que se apurar, há pelo menos uma censura que lhe faço. Se eu estivesse naquele carro e o parasse, independentemente do que tivesse acontecido antes, a primeira coisa com que me iria preocupar era saber se o ciclista estava bem. Depois logo se discutia, se fosse o caso. E não foi isso que ele fez. Ele começou logo a discutir e nem quis saber primeiro se o ciclista estava bem.

Esta censura, puramente moral, faço-a de imediato.
 
#71
o drama e a confusao é demasiado elevada como ja é habito deste forum. :D

Noutro pais aquele militar podia acabar num tribunal militar por tentativa de homicídio, sim porque é o que esta no video, a razia nao foi inocente porque se vosse ele nao tinha feito e dito o que fez a seguir, parou o carro imediatamente pra tirar desaforro, ia claramente com ela fisgada. Interessa la se foi a 1ª vez ou se dormiu mal, isso interessava ao tribunal pra atenuar a pena com condenação certa. Péssima conduta pra um militar e um agente da autoridade que nao tem a mesma responsabilidade que qualquer um de nos. Quando os policias e militares assumem uma de Thug Life e tudo assobia pro lado e da mil e uma desculpas (é usar a imaginacao, da pra tudo desde foi violado por aliens na noite anterior a ser um orfao) este pais esta oficialmente perdido.
E o menor a ver aquilo :fpalm:

"se nao sabe andar na estrada encoste" sao as palavras que escolhe quando para o carro depois de quase mandar o ciclista ao chao, revela ao mesmo tempo uma estupidez atroz e um desconhecimento imenso da lei que me deixa perplexo e ao mesmo tempo nao da a entendar que tivesse acontecido antes nada demais.
 
Last edited:

SeteGu

Active Member
#73
Joao.T para terminar... eu concordo com o que disseste.

Eu só penso que algures no tópico ficou a ideia de que se teria de analisar tudo muito bem para saber se o gnr deveria ser punido... como se o que o video demonstra não fosse suficiente para demonstrar que merecia uma punição. Claro que se tem de analisar tudo para o poder punir mas o vídeo por si só já demonstra que agiu mal e que deve ser castigado (na minha opinião, claro). E claro que tendo mais responsabilidades que eu (por exemplo) terá de arcar com o que fez de forma diferente. Eu no mínimo acho que deveria ser suspenso e com tratamento psicológico (para o seu bem e o dos que o rodeiam).

Vê aqui:
João.T said:
Vamos colocar, por mera hipótese, que até merecia ser punido disciplinarmente.
E acho que foi a partir daí que se começou a gerar confusão porque começaram as acusação de que estavas a defender o indefensável.

A meu ver deve ser punido de ambas as formas... mas é só a minha opinião (e acho que a de quase toda a gente).

Agora... também te dou razão quando dizes que para o condenar convém conhecer a história toda e o seu próprio historial.
 
Last edited:
#74
O que este tópico já descambou! Deus ma libre!


A atitude do GNR nem comento porque nem há comentarios possíveis!

Em em relação às câmaras já vai sendo altura de mudar a legislação! Qualquer vídeo deveria constituir prova em tribunal! A via pública é isso mesmo pública! Quem não quer ser filmado ou tem algo a esconder que fique em casa! Os próprios carros da polícia de patrulha deveria, sempre é constantemente a filmar! Muito mal entendido ficava logo resolvido