A questão dos cães...

É cum caneco, esse abocanhou bem :shock:

Pois, mas se calhar era um dos tais cães que é picado pelo pessoal para sentir a dita "adrenalina", como na tivestes tempo e pernas foste catado.

Perigosos são todos (de grande ou de pequeno porte) aqueles que atacam outro animal, é normal é uns fazerem mais estragos que outros e neste caso não foi coisa pouca.
 
Boas.
Realmente ás vezes é preciso ter atenção com alguns cãezinhos que encontramos por aí e que andam soltos como se fosse tudo deles. Quer sejam pequenos ou grandes, com alguma paxorra e atenção até me tenho safado desses inconvenientes que são os cãezinhos. Até á presente data, com uma pedrinha, fazendo-lhes frente ou metendo o turbo nas pernas, tenho-me safado. Mas é verdade que ás vezes são inconveniente quando a coisa fica dificil para nos deixarem seguir em paz. Também lhes vale que não sou capaz de lhes fazer mal (enquanto não me sentir ameaçado), senão, com muita pena terei que por a bike entre mim e o dito cujo cão para ver se o menino me deixa em paz. Espero que ninguém tenha que enfrentar nenhum cão parvo e que tudo se resolva da melhor maneira.

Fiquem bem e boas pedaladas.
 
Boas

Na verdade não me costumo cruzar com muitos cães, mas nunca fiando, assim que vejo um canito ao longe seja grande ou pequeno e que vejo que se prepara para fazer um sprint ao meu lado, lá vai de agua para o focinho para acalmar, se por outro lado sou apanhado desprevenido, tento gritar com ele o mais alto possível, tipo o que é que tu queres pah!!!, até conseguir sacar o cantil e lá vai disto. Água para acalmar as ostes é o melhor que se pode ter.

Boas voltas sem marcas de dentes ;);)
 
Verão 2008. Sol abrasador. Entre o Meio dia e as duas da tarde... Ciclovia do Laranjeiro (Almada) perto da escola e da área de estacionamento da TST.

Portanto, estava a treinar de calçoes e top. Estava a descer e a tomar velocidade. Nisto, só me lembro de um cão vir disparado/distraido contra a roda da frente e ..... lá vou euuuuuuuuuuuuuu. No medo de o cão se virar contra mim, levanto-me e protejo-me com a bicicleta. E lá vem o dono a correr com a trela na mão...

Acho que chamei mil e um nomes ao dono. Enquanto os cães ainda nao andarem sobre duas rodas, mantenham-nos fora das imediaçoes das ciclovias. Obrigada : D
 
Verão 2008. Sol abrasador. Entre o Meio dia e as duas da tarde... Ciclovia do Laranjeiro (Almada) perto da escola e da área de estacionamento da TST.

: D
Bem te compreendo, _AG, porque passo por essa ciclovia, quase todos os domingos. Há duas semanas, calhou-me a vez de ser perseguida por um cão, a ladrar furiosamente. Acho que nunca pedalei tão depressa como nesse dia...lol
E não foi a 1ª vez que tive encontros desses nessa zona. Mais acima, próximo da rotunda de Corroios, há uma matilha de cães que adora ferrar o dente nas pernas dos ciclistas..estejam atentos (até agora tenho tido sorte, pq normalmente devem estar a dormir quando passo)
 
Meu caro, estuda um pouco sobre o assunto. Não te limites ao senso comum.

Cumprimentos
Pois...pois.
O meu senso-comum diz-me é que tu nunca deves ter sido mordido nenhuma vez.

Explica-me lá o seguinte :

Já fui mordido por 3 vezes.
Em nenhuma delas olhei para o cão de frente, nem fiz barulho, nem movimentos bruscos, e mesmo assim eles não me respeitaram. Por sua vez eu nunca desrespeitei nenhum cão.
Terei de estudar mais sobre este assunto? - Mas então para isso nem preciso de procurar um desses centros cinotécnicos para esclarecer as minhas dúvidas. Temos montes de sites sobre raças e comportamentos caninos, não faltam também livros sobre a matéria.
Tenta tu não entrares em contacto visual com um bicho desses e nem vais saber onde foste mordido.
Ou espera então que seja o pastor-alemão com os dentes arreganhados a desviar o olhar de ti, e vais ver o que te acontece.

E outra coisa - aqui a maior parte do pessoal tende a ser submisso a qualquer coisa que ostente uns caninos com o triplo do tamanho dos seus.
Também sei que uma alface deve ter medo de mim.

Resumindo, da teoria á prática vão umas boas dentadas de diferença, por isso da próxima vez que fores pedalar leva um desses livros instrutivos contigo, um bem grande e pesado, e pode ser que ainda te venha a fazer algum jeito.

M.c
...e pernas para a frente.
 
Last edited:
Pois...pois.
O meu senso-comum diz-me é que tu nunca deves ter sido mordido nenhuma vez.

Explica-me lá o seguinte :

Já fui mordido por 3 vezes.
Em nenhuma delas olhei para o cão de frente, nem fiz barulho, nem movimentos bruscos, e mesmo assim eles não me respeitaram. Por sua vez eu nunca desrespeitei nenhum cão.
Terei de estudar mais sobre este assunto? - Mas então para isso nem preciso de procurar um desses centros cinotécnicos para esclarecer as minhas dúvidas. Temos montes de sites sobre raças e comportamentos caninos, não faltam também livros sobre a matéria.
Tenta tu não entrares em contacto visual com um bicho desses e nem vais saber onde foste mordido.
Ou espera então que seja o pastor-alemão com os dentes arreganhados a desviar o olhar de ti, e vais ver o que te acontece.

E outra coisa - aqui a maior parte do pessoal tende a ser submisso a qualquer coisa que ostente uns caninos com o triplo do tamanho dos seus.
Também sei que uma alface deve ter medo de mim.

Resumindo, da teoria á prática vão umas boas dentadas de diferença, por isso da próxima vez que fores pedalar leva um desses livros instrutivos contigo, um bem grande e pesado, e pode ser que ainda te venha a fazer algum jeito.

M.c
...e pernas para a frente.
O estudo do comportamento canino não é simples...senão qualquer um sabia o que fazer. Mas como dizes e bem, mesmo que se saiba o que se deve fazer não nos impede de o fazer/executar mal (linguagem corporal é difícil de controlar principalmente quando há medo).
Também somos animais e não 100% racionais e mais uma vez como dizes e bem é muito difícil gerir uma "cremalheira aguçada".

Em relação ao teu exemplo, dou outro.

Já saí algumas vezes (em Portugal) com um colega. Apesar de lhe ter dito como agir em caso de conflito é certo e sabido que os cães vão lá, mas já não vão se eu me meter entre ele e as quatro patas (tendo os mesmas atitudes). Respeitam a distância imposta e acalmam o pêlo.

Com cães mesmo que de porte faço por negociar com o animal sem vacilar e as situações até hoje foram resolvidas positivamente para ambas as partes, agora em grupo (matilha) a história é outra....
 
Também tenho um rottweiler só que infelizmente o meu já está a morrer porque já é velhote tem 9 anos,é um grande amigo sempre pronto para ajudar até para carregar a lenha,acho que algumas pessoas não deviam tratar assim os animais como muitos fazem,é desencaixar o sapato e vá de biqueirada em vez de pararem para fazer uma festa ao animal,e depois admiram-se de os cães os mordam,é o meio de defesa deles.
 
Sempre tive cães, de várias raças, de cães de fila a um collie. E sempre os tive ao resguardo do espaço público!
Mesmo um cão dócil na via pública pode provocar um acidente tanto aos peões que se desviam por desconfiarem da passividade do mesmo, ou aos veículos que circulam! Um corredor da nossa estima estaria ainda vivo se...um inocente cão...
O que leio aqui é muita teoria, pós, água para o focinho, sprays, etologia animal e outras cócegas que em circunstâncias sérias não passam mesmo de lirismo de quem nunca teve o casaco rasgado ou a perna perfurada pelos cães como tive.
Se passassem estrada acima, portadas duma quinta, pelo aspecto abandonada ao desmazelo e de lá sairem 5 cães (grandes) agressivos, esfomeados, um deles com a pata anterior direita escalpada pela luta com outros cães, seguidos dum rottweiler com os caninos à mostra e orêlhas recudas (mantidos na mesma quinta com os restos do jantar, para manter afastados os curiosos).
Só tive tempo de desmontar rápidamente e encostar-me à parede e fazer uma barreira com a bike ... e assim estive a gelar, berrando, chamando pelos da quinta, cerca de 10 minutos até conseguir afastar-me muito devagar e por-me a salvo.
Sim a salvo porque 6 cães como aqueles limpavam-me o sarampo em minutos!

Reparo: não deixa de ser notório que o grau de desenvolvimento (lei-a civilidade) dum país é inversamente proporcional ao nº de cães vadios ou à "solta" no espaço público.

Continuem com lirismos, que qualquer dia calha-lhes a poesia a sério!
 
Last edited:
Ó Francisco,

Só espero que o jopedru leia este teu excelente post. Para mim um dos melhores deste tópico :yeah:, pois retratas um episódio real que vai pôr muita gente a pensar antes de escrever á sorte.
Eu até fiquei todo arrepiado com esta tua história...:eek:mg: dddaaaaa-sssseeeee.
Mas vai já haver gente a dizer que a culpa é dos donos da tal quinta porque deixaram o portão desta aberto e deram fome aos cães, e que cada caso é um caso.

Pessoal, é como disse no meu post atrás - olhos bem abertos e ouvidos bem alerta.

Estas situações acontecem em segundos e ninguém tem tempo para procurar os tais pózinhos, sprays ou muito menos borrifar com água "bestas sanguinárias" como estas.

Tentem, isso sim, antecipar sempre o inesperado, e mesmo assim a sorte no fim é que por vezes ajuda muito.
E cuidado com as propriedades privadas ;).
 
Last edited:
recorde mundial de uma determinada subida para os lados de castelo de bode, MEU:#1:
Razão: 2 pastores alemães com cara de poucos amigos, e sim, eu estava numa estrada publica e sim, o dono/a da casa por onde ia a passar tinha o portão aberto...
 
eu amo cães!!!! porem tomo o maximo de cuidado quando pedalo... já fui perseguido por uns 20 cães.. deu uma canseira mas consegui me livrar... agora o maior problema são aqueles que aperecem do nada em plena descida. Estes podem dar um capote daqueles nos mais desavisados
 
Uma questão que me assalta é:
Tratando-se de animais vadios, quem poderá ser responsabilizado por potenciais ataques?
É que, dependendo do numero de animais e das raças mais ou menos perigosas, poderemos ir desta para melhor quando envolvidos num ataque canino. E depois, quem é o responsável?
Não terá o Estado o dever de zelar para que estes animais vadios, muitas vezes esfomeados e fartos de serem mal tratados pelos antigos donos, sejam recolhidos e fatalmente abatidos, porque analisando bem trata-se até de uma questão de saúde pública.
 
Até podes ter razão e na minha opinião as coisas até estão melhores que há uns anos (tb depende da zona ...) mas não deixa de haver ainda umas matilhas por aí perdidas.
No que concerne aos que têm dono, penso que há algum civismo a despontar, tb da zona...
 
Sim JNR, tens toda a razão :

As coisas estão bem melhores hoje em dia, principalmente e devido ao facto de agora existirem muitas associações ligadas na defesa, ajuda e recolha de cães abandonados. Aqui a internet também tem ajudado muito nestes últimos anos, nomêadamente sites como o "Adopta-me" ou "Encontra-me".
Também aparece cada vez mais gente a voluntariar-se pessoalmente, e muitos outros a querer adoptar estes animais e dar-lhes uma 2ª oportunidade, em vez de pagar por eles numa loja.

Recuando aos anos 70 e 80, onde haviam inúmeros cães a formar matilhas á solta pelas ruas (das cidades também), verifica-se um enorme salto neste processo de recolha de animais vadios, quer pelos canis municipais, quer por estas associações.
Quem não se lembra nessas décadas de passar numa nacional e contar as animais mortos nas bermas?

No entanto, ainda hoje, nas zonas rurais continuo a ver muitos cães e gatos atropelados, e muitos deles decerto tinham donos.
Acho que continua a ser mesmo um problema de consciência, não de falta de informação.

Porque é que continuam a deixar estes animais á solta nestes locais?
Porque é que continuam a deixar os portões das quintas abertos?
Porque é que não podemos nós pedalar á vontade por esses montes fora?

Lembram-se daquela senhora que foi morta por 4 rottweilers?
E o que é que aconteceu depois? - Pois é, foram abatidos...mas a mulher também foi "abatida" por eles.
O que é que aconteceu aos donos? - uma multa???
Estes disseram que mesmo dentro da quinta os cães estavam sempre presos dentro de umas celas, nesse dia alguém soltou-os para fazer uma limpeza a essas jaulas...esquecendo-se porém que o portão da quinta estava aberto.

Passadas umas horas morreu uma mulher inocente (e que morte que ela deve ter tido).

Podia ter sido um de nós.
 
Last edited:
Viva,

A questão é muito simples e fácil de equacionar. Uma quinta descuidada sem portão, que albergam cães muito agressivos e de bom porte (que até têm coleira=dono), acicatados pela fome e até (talvez?) instigados à violência, para manter os visitantes afastados.

Agora posto aqui uma foto, da situação acima descrita, que tirei quando me consegui por a salvo (afastando-me apeado vagarosamente e com os ditos ... gelados), em plena estrada !!!

[/IMG]

Repito - cães muito violentos, com dono e em plena via pública!
 
Last edited: