Mito da Pedalada Redonda e ovais

fabio viana

Well-Known Member
#22
pedalada "redonda", é muito mais do que isso.... nem sei se se consegue explicar bem o que realmente é!! Uma pedalada redonda (independentemente da forma dos pratos), consiste, em "empurrar" os pedais, de trás para a frente, numa forma "circular"!!!!! E não, empurras os pedais de "cima" para baixo, tipo "martelo". Não sei se me consegui explicar bem, mas... na pratica, é assim que tento que seja a minha pedalada. ;)
Lá esta, eu quando estou a pedalar em força parece que também puxo o pedal :D apesar de na "ciência" aparecer que o ciclista não faz força para cima, na realidade uma pessoa que tenha uma pedalada minimamente redonda, sente que também puxa o pedal, apesar de a força efectuada ser muito baixa.
 

edununo

Well-Known Member
#23
Coroas? Mas estamos no Brasil? :) :) Com esta chuva não parece. São pratos ou em inglês chainrings.

Uso na de estrada Q-rings da Rotor e gosto bastante. Não noto aumento no rendimento mas consigo pedalar com mais cadência.
Na de btt já usei. Rotor num sistema 2x9 e Absoluteblack em 1x11. Na passagem para o Eagle voltei ao prato redondo. No btt não noto tanto o efeito.

Quanto a pedais de encaixe, nem há discussão. Para mim são fundamentais. Até mesmo por questões de segurança em zonas mais agressivas.
 

Mr.sa

Active Member
#24
Um artigo que pode ajudar a este debate dos ovais vs normais, é o artigo do Tiago Aragão sobre a pedalada, em que ele mostra numa imagem o uso de cada músculo em cada posição do pé durante a pedalada.

Eu fiquei convertido aos ovais(mal desgaste os pratos da de estrada também vou meter ovais). Se noto vantagens por aí além? Pah, tirando a parte em que me parece que poupo mais os joelhos, e para quem diz que na zona morta da pedalada não faz esforço, está bem enganadinho, basta fazerem um teste. Numa subida façam pedalada de força a 40-50rpm's e digam-me se não sentem o esforço, eu noto e bem. Logo o mito da pedalada redonda, não é mito, a meu ver.

https://tiagoaragaoblog.wordpress.com/2017/01/27/o-movimento-do-pe-durante-a-pedalada-ankling/

Deixo o link, para quem quiser ler. Bastante interessante, o artigo.
 
#25
Lá esta, eu quando estou a pedalar em força parece que também puxo o pedal :D apesar de na "ciência" aparecer que o ciclista não faz força para cima, na realidade uma pessoa que tenha uma pedalada minimamente redonda, sente que também puxa o pedal, apesar de a força efectuada ser muito baixa.

sim existe essa sensacao por causa do empurrao do pe oposto
 
#26
Um artigo que pode ajudar a este debate dos ovais vs normais, é o artigo do Tiago Aragão sobre a pedalada, em que ele mostra numa imagem o uso de cada músculo em cada posição do pé durante a pedalada.

Eu fiquei convertido aos ovais(mal desgaste os pratos da de estrada também vou meter ovais). Se noto vantagens por aí além? Pah, tirando a parte em que me parece que poupo mais os joelhos, e para quem diz que na zona morta da pedalada não faz esforço, está bem enganadinho, basta fazerem um teste. Numa subida façam pedalada de força a 40-50rpm's e digam-me se não sentem o esforço, eu noto e bem. Logo o mito da pedalada redonda, não é mito, a meu ver.

https://tiagoaragaoblog.wordpress.com/2017/01/27/o-movimento-do-pe-durante-a-pedalada-ankling/

Deixo o link, para quem quiser ler. Bastante interessante, o artigo.
bastante interessante, obrigado por partilhares, a tecnica de ankling e muito usada nas varias modalidades de BTT realmente, e pouco se debate essa tecnica.

uso-a nas diversas inclinacoes ingremes de terreno, presumo que no downhill se note ainda mais
 
#27
Só para enriquecer o tópico. O.Symetric
https://cyclingtips.com/2012/09/osymetric-gimmick-or-miracle/

Edit:
este tópico começa a correr o risco de ser tranferido para o fórumciclismo.:)

Rotor Q-Rings do not eliminate the dead-spot, but help to reduce its negative effects, moving the legs easier through the dead-spot imitating a smaller circular chainring, and enabling the legs to remain in the power stroke for a longer period of time when compared to round chainrings. Q-Rings change the equivalent tooth size by decreasing it before the dead-spots and increasing it when the rider is in the power mode (when more power is available at the pedal down stroke). A 44T MTB Q-Ring, around the upper dead-spot is equivalent to a 42T, but as the pedal goes down and more strength is applied (just passed the maximum power moment), the equivalent chainring tooth size reaches 46T.


na, estes sistemas compensa no BTT nao so nas fininhas
 
#28
Andam a alimentar a minha curiosidade... Estou a começar a ter vontade de testar uma ***** dessas!


lol..ainda vais a tempo, quando tiveres a tua desgastada ou quando te encheres ou teres orcamento, experimenta uma oval e deixa feedback

eu tive uma experiencia contraria, a maria e a minha primeira com convencional, pois como ja disse anteriormente usava oval na outra bike, e agora que andam cada vez mais disponiveis no mercado sem duvida que volto as ovais, ajudam-me a poupar mais ainda as pernas e render um pouco mais(a diferenca e pouca,mas prefiro que seja mais confortavel)