Cortei a corrente e queria seguir em single speed

#1
Olá bom dia,

Ontem na maratona de Samora Correia, sem que me tenha apercebido de ter batido no que quer que fosse, eis que o dropout partiu!!!!!! (talvez excesso de lama). Como não tinha dropout de reserva pensei em cortar a corrente, desistir dos 70 mas acabar os 35 em single speed.
Se bem o pensei, melhor o fiz. Mãos à obra e lá tirei uns quantos elos à corrente (ainda bem que levei desenrasca pois nem o elo rápido queria sair).
Na prática isto não funcionou.
Tentei alinhar a corrente (32 à frente e 28 ou 26 atrás (não sei quantos dentes tem o 3 carreto maior !!!!). A corrente teimava em descer até aos carreto de 11, porque? Tentei esticar um pouco a corrente fazendo-a passar para o 2º carreto. Andei 200 metros saltei a vedação e vim para o alcatrão a caminho do Porto Alto. Nem 1 km em asfalto e a corrente volta a saltar para baixo. Mudei a relação, pedaleira nos 44 e carreto nos 11 (a talega toda metida mas era tudo plano). Parei mais à frente pois a corrente tinha subido um carreto e agora estava tão esticada que pensava que iria partir a escora !!!!!
Desmontei e lá fui a pé até ao Porto Alto.

Alguém me sabe explicar o que falhou ou o que fiz mal?????

Obrigado e um abraço betetista.
 

Jepas

Super Moderador
#2
Qual era o quadro? Rígido ou suspensão total? O que foi usado para manter a tensão na corrente? A corrente tem de permanecer tensionada e alinhada para que não aconteça o que descreves. Não esquecer que as cassetes estão feitas para que a corrente se mova livremente para cima e para baixo facilitanto as mudanças de carreto.

Para o teu plano dar certo terias de ter imensa sorte com 3 factores:

o alinhamento da corrente corresponder a uma mudança "utilizável", evitando o cuzamento da corrente e ter tensão suficiente para que a corrente fique na posição sem saltar. Por alguma razão também se chama "esticador" ao desviador traseiro.
 
#4
Um Dropout partido é sempre uma chatice, ainda para mais numa prova.

O que eu penso que poderá ter acontecido é uma de duas coisas, ou até as duas ao mesmo tempo. Uma delas é o facto de a corrente não estar totalmente alinhada e direitinha. E assim vai acabar por ter tendência a ir para uma mudança em que fica mais direita. A outra coisa, mas menos provável, é ao teres apertado os elos, estes não terem ficado folgados o suficiente dificultando o seu movimento e facilitando a mudança de carreto

EDIT:

Se tiveres o eixo torto, a K7 anda sempre a mudar de posição em relação à pedaleira o que pode também causar uma mudança de carreto.
 
Last edited:

Jepas

Super Moderador
#5
Eu perguntei pelo quadro, pelo simples facto de ter a certeza que estavas a falar de um quadro rígido, ou seja, sem variações de comprimento entre o eixo pedaleiro e o eixo da roda.

Quando falei em esticador... era só para explicar, que além do alinhamento, a corrente precisa de ter tensão suficiente para não sair do sítio, claro que se o desviador não podia ser utilizado a tensão tinha de ser dada pela corrente em si, ou seja, tinhas de ter uma relação de pratos cuja utilização da corrente fosse tal que esta não tivesse folga.