Bike17Eco à Descoberta do Nosso Portugal – Travessia em BTT

#61
Dia 12 da Aventura, 28 de Setembro – Odemira / Aljezur

*** Caros Amigos, acordamos todos espalmados :mrsock: Bem, todos não, o Sr Engenheiro Pedro Cintra, qual ilustre monge budista, estava no seu terreno, dominava todas as técnicas de meditação e conseguiu facilmente vencer o plano duro :yeah: Estalados convenientemente todos os ossos dos esqueletos, era tempo de prosseguir a Aventura. O destino de hoje seria Aljezur, vila algarvia de origens remotas, com o seu castelo como ex-líbris, entraríamos enfim no Algarve e na Costa Vicentina, seria uma viagem curta, ideal para dar o descanso possível ao corpo e desfrutar da maravilhosa paisagem. Agradecimentos feitos e mais que merecidos aos Bravos Bombeiros de Odemira – Obrigado Nobres Combatentes pelo vosso altruísmo e pela inesquecível experiência Teatral :venia: - tomamos o pequeno-almoço na Pastelaria Rita, no centro de Odemira.


*** Retemperados, atravessamos a Ponte de Odemira, sobre a Ribeira de Seixe, paramos mais acima junto ao miradouro, Odemira - “O Alentejo num só Concelho” - desejava-nos uma boa viagem


*** Seguimos em ritmo de passeio pela N120, era possível já cheirar a maresia, bom presságio para estes Guerreiros.


Até que algures perto de São Teotónio, estancamos todos num único e inesquecível, contudo prolongado, momento de simples contemplação e satisfação pessoal, conseguíamos avistar pela primeira vez a nossa Costa Vicentina e o azul límpido do seu Oceano :pipocas: Pois é Caros Betetistas, depois de tantos dias passados em pontos cardeais claramente opostos, afastados da nossa “Origem”, ansiando a cada dia por este retrato, era agora tempo de regozijo e de felicidade por termos alcançado a Costa.

*** Continuamos revigorados até chegar á ponte de Odeceixe, local que ditava a nossa entrada formal na Região do Algarve.



*** Conquistamos depois a praia de Odeceixe, local de beleza singular, “Le Grand Bleu” rejubilava pela nossa chegada.


*** Almas cheias, barrigas saciadas, “nadamos” pela estrada da praia, desembocando novamente na N120. Passamos por Rogil, chegando ao fim da manhã a Aljezur.


*** Tempo de tratar da logística, contactamos com os Bombeiros de Aljezur,

os quais e, para não variar nesta nossa Travessia, puseram à nossa disposição nada menos que uma camarata para a malta – a feminina – que não estava ocupada claro, ao mais alto nível amigos.

Muito obrigado Nobres Combatentes da Paz pelo vosso acolhimento :venia:

*** Tínhamos o resto do dia livre para aproveitar, procuramos local para a refeição, fomos ao restaurante Pintainho, por indicação dos Bombeiros, almoçamos os típicos pratos do dia, deu 41,80€ / 4 pessoas. Estava bom.


*** Barrigas cheias, aproveitamos para fazer a digestão e conhecer melhor Aljezur, numa árdua mas proveitosa caminhada, que nos levou até ao topo do Castelo de Aljezur,



Companheiros, a vista lá do alto era simplesmente de cortar a respiração, Aljezur era dominada por estes humildes invasores. O Pedro Cintra tinha resolvido conquistar o museu municipal, havia lá uma exposição qualquer, não precisaria de reforços ;)



*** Castelo devidamente conquistado, regressamos às camaratas para dar início ao nobre desporto do DESCANSO. Por essa altura, chegava-nos também boas notícias através do “Sr. Engenheiro”: para a etapa final de consagração de amanhã, tinha conseguido tratar do transporte das nossas mochilas por parte dos seus familiares, ficaram de recolher as mesmas aquando da sua passagem por Aljezur em direcção ao Algarve :fpalm: Era desta que nos íamos livrar das nossas cruzes??????

*** O resto do fim de tarde foi passado numa espécie de “Comité Central” para averiguar todas as nossas possíveis opções para o dia de amanhã, sobretudo sobre o tema do regresso esperado destes Aventureiros ao Norte, no nosso caso, não estava fácil caros Amigos mas, isto será outra estória sui generis, para ser relatado no dia seguinte.

*** Apetecia-nos uma massinha, questão de recompor os organismos, procuramos uma pizzaria, vindo a assentar arreais na pizzaria Luigi Gaitero, próximo da Igreja de Aljezur, um restaurante muito típico, podemos defini-lo como gourmet, pagamos bem claro, deu 58,10 para os 4, mas ninguém se queixou no final


*** De regresso à segurança do Forte, alongados nos seus beliches, cada um de nós sabia exactamente qual era a sua tarefa, a posição defensiva e ofensiva a adoptar, para o assalto final de amanhã a Sagres e à Praia da Mareta, era tempo de convocar os Deuses Sagrados do BTT no sentido de nos proteger e abençoar nesta derradeira Vitória…

Dados GPS do dia:


Fotos do dia: https://picasaweb.google.com/bike17eco2/12DiaOdemiraAljezur?feat=directlink#

Bem Hajam.
Amanhã será a etapa da CONSAGRAÇÃO :D
 
#62
Dia 13 da Aventura, 29 de Setembro, Etapa da Consagração – Aljezur / Sagres / Lagos

"Estas figuras todas que aparecem,
Bravos em vista e feros nos aspectos,
Mais bravos e mais feros se conhecem,
Pela fama, nas obras e nos feitos:
Antigos são, mas ainda resplandecem
Colo nome, entre os engenhos mais perfeito
Este que vês é Luso, donde a fama
O nosso Reino Lusitânia chama."

Os Lusíadas






Praia da Bordeira









Praia da Cordoama






Ciclovia para Sagres








Praia da Mareta



Dados GPS do dia:


Fotos do dia: http://picasaweb.google.com/bike17eco2/13DiaAljezurSagres?feat=directlink

EPÍLOGO brevemente.
 
Last edited:
#64
Os meus parabéns por toda a vossa expedição aqui no site, eu sempre pensei em fazer o mesmo mas a minha namorada não deixa eheheh, maravilhoso o vosso percurso assim vale mesmo apena viver, boas pedaladas e boas continuações, tem que pensar agora passar para lá do mediterraneo e ir ate Casablanca. já que eu não posso tentai-vos
Boas pedaladas e um grande abaço da marguem-sul
 
#65
Obrigado msnowm ;)
foi de facto uma experiência única, nada é impossível, há que convencer a namorada a acompanhar-te :zezus: nós tivemos o privilégio de ter a compreensão da família e respectivas e poder também contar com a companhia da Guerreira Sónia
Também quis deixar o nosso relato para o pessoal como uma espécie de montra da enorme beleza e riqueza do NOSSO PORTUGAL, foi de facto uma viagem épica.
Casablanca, isso já é muita fruta para estes ossos ressequidos :p:wink:
AbÇ.
 
Last edited:
#66
Tento imaginar a vossa satisfação...
Parabéns por grande aventura!

Esta Páscoa fiz a travessia do sw alentejano e costa vicentina sozinho (Azeitão - Lagos) e ao ver as vossas fotos recordei esses dias.

Abraço com muitas e boas pedaladas
 
#67
Boas,

Excelentes fotos adorei e ficou com muita vontade de fazer algo parecido.

Pessoal do Pedal só uma pergunta tecnica ai os ciclistas usam os pés presos??

Cumps.
 
#68
Tento imaginar a vossa satisfação...
Parabéns por grande aventura!
Esta Páscoa fiz a travessia do sw alentejano e costa vicentina sozinho (Azeitão - Lagos) e ao ver as vossas fotos recordei esses dias.
Abraço com muitas e boas pedaladas
MHenriques, obrigado pelo comentário, de facto o sw alentejano e costa vicentina são de uma beleza rara, pedalar junto ao oceano, depois de tantos dias a ansiar para avistar a costa, abraçado pelas falésias, tornou-se um acontecimento épico para nós, humilldes Betetistas do Norte :wink:

Pessoal do Pedal só uma pergunta tecnica ai os ciclistas usam os pés presos??
Ming@s, obg também pela nota, quanto à tua pergunta, fiquei confuso, referes-te a andar com os pés presos ao andar nas falésias, ou em geral :confused:
 
#69
Sim em modo geral usam pedais de click ou de plataforma.

Sabes como ando numa de andar com os pés presos, ando agora sempre a reparar se ou outro o fazem também.

lol

Cumps.
 
#70
A minha experiência foi ter iniciado na minha primeira bike rígida com pedais de plataforma e depois experimentei os de encaixe ( existem também os de dupla face, encaixe de um lado e plataforma da outra), seguiram-se os malhos "normais" da habituação, aqueles quando te esqueces de retirar o sapato do enciaxe ao parar :D, mas posso-te dizer que agora não troco por nada os de encaixe, é outro rendimento na pedalada, nas subidas então nem se fala, o pé fica sempre na posição correcta, etc... isto não quer dizer que em muitas descidas ando com eles fora do encaixe, aí cada um é que sente se tem mais á vontade ou não, e do tipo de terreno ;)
Encontrarás de certeza um tópico aqui no Forum com explicações bem mais produtivas e experimentadas sobre esta matéria :)
Espero ter ajudado.
Abç.
 
#71
olá,uma bela viagem,e uma boa crónica,ainda não consegui ver tudo,mas vou vela de prencipio ou fim,parabens pelo feito.e já agora obrigado pelo apoio prestado na minha crónica.
Um abraço-José Figueiredo
 
Last edited:
#74
Agradeço a todos os comentários, apesar de não ter contribuído na elaboração desta crónica. O meu amigo Trepador é que teve o trabalhinho todo. Ele ainda me chateou a cabeça para fazer algumas partes mas eu gosto mais de pedalar do que escrever.
Abraços e boas pedaladas!
 
#77
O folego:confused: faltou me a ler algumas partes "mais ingremes" ou apiadas, grande dose:D Já tenho feito grandes caminhadas com mochila, e se nos primeiros kms nem sem sente, depressa sentimos 1 tonelada as costas:(, logistica complicada. Mas missão mais que cumprida :yeah:
 
#78
Excelente crónica, fiquei com "água na boca" e já começei a pensar seriamente em fazer a travessia daqui a um ano. Qual foi o total de "aérios" gastos em todo o percurso (casa-casa)? Tenho de começar a fazer as contas e ver quem está disponível para alinhar nesta aventura. :D
 
#79
nirvugo
Excelente crónica, fiquei com "água na boca" e já começei a pensar seriamente em fazer a travessia daqui a um ano. Qual foi o total de "aérios" gastos em todo o percurso (casa-casa)? Tenho de começar a fazer as contas e ver quem está disponível para alinhar nesta aventura.
Boas Nirvugo,
nos 13 dias, contabilizando o material adquirido, revisão da burra, viagens, alojamentos, alimentação, etc.... falamos de 500 euros à vontade, mais coisa menos coisa ;) E não te esqueças que não pagamos em muitos dos alojamentos, o que faz muita diferença e não houve avarias graves.
Ainda não ganhei apetite para o Epílogo :fpalm: mas temos de acrescentar o preço do bilhete de regresso, seja lá por que via for :confused:
Mas isso, já é outra estória:p
Abç.
 
#80
Fica mais ou menos o mesmo que fazer o caminho frânces de Santiago. Tendo em conta que o pessoal com quem me meto nestas aventuras gosta todo de "encharcar" as velas à noite (sabes como é, o pessoal desidrata muito de dia), com 700€ não devo trazer muito troco. Será que o pessoal das forças de segurança e bombeiros também se prestam a acumodar-nos ou é um serviço para os seus membros?