Método de calculo do investimento necessário para tirar peso à bike.

#1
Ao visitar um outro forum de Bikes encontrei um tópico que explora um conceito bem racional a ter em conta na hora de adquirir novos componentes com o objectivo de tirar peso e gerir o orçamento disponivél.

Com o auxílio de uma folha de excel como a que está em baixo é facil de verificar quantas gramas retiramos à bike por cada euro investido, assim como também é facil de gerir um determinado orçamento por forma a obter a sua maximização.

Na hora da escolha há outras variáveis que influenciam, como a estética, exclusividade ou outros mais difíceis de quantificar, com algum engenho pode-se adaptar a folha por forma a ter em conta esses factores.
Pode também ser colocado o valor de retoma do componente que se vai retirar e abater ao investimento, mas isso fica ao critério de cada um.

Agora é facil perceber o que acontece aos euros.


By mecanicopaladar at 2011-09-22

Usem e abusem.

Obrigado ao AKMON que desenvolveu o conceito.
 
#2
Não sabia que se podia considerar isto um conceito, mas sempre realizei as minhas compras WW de acordo com esta forma de gerir.
Porém, eu gosto mais de observar o preço por grama, ao contrário do que aí está, que mostra as gramas por euro.
 

edununo

Well-Known Member
#3
Eu faço as contas de maneira diferente.

Imaginem que tenho 2 componentes em que posso baixar peso e estou indeciso em saber por onde começar. Como não quero ficar com peças cá por casa e não vou montar 2 bikes, retiro o valor de venda ao custo da baixa de peso.

Formula RX - peso 501g - venda 140 euros
Formula R1 - peso 410g - compra 300 euros.

Ganho de 91g com 160 euros. Dá 0.57g por euro ou 1.76 euros por grama.

Já nas rodas, trocar umas SLR de 1500g por uma montagem ZTR de 1300 e tal gramas até pode ser de "borla" já que as Mavic SLR têm bom valor de revenda.
 
#5
Acrescentei umas colunas, para o valor de retoma também poder ser tido em conta nos rácios, assim como introduzi o "custo da grama"

Todavia a retoma nem sempre é um factor, já que nem sempre ocorre em simultâneo com a nova compra, assim como nem todos os componentes usados voltam ao mercado. E no meu caso muitas vezes vendo o componente usado já depois de ter comprado o novo, até porque é mais facil de encontrar um vendedor a quem se comprar, que um comprador a quem vender, pelo que o valor de retoma de umas rodas por exemplo podem reverter para uns travões, etc.
Eu por exemplo a trocar as SLR prefiro suportar o investimento das novas rodas na integra e guardar as SLR lá em casa.

A ideia é ver se estamos a gastar os euros de uma forma racional, ou pela ordem mais racional, há certos componentes mais prioritários que outros se analisarmos os rácios.
Obviamente a malta anda atenta à forma como anda a gastar os cobres, mas assim dá para gerir o orçamento de forma fria.

pimentoski

A barreira do euro/grama é facilmente ultrapassável quando as bikes se aproximam das 8.000g, e aì começa a entrar o raciocinio grama/euro, certo?


By mecanicopaladar at 2011-09-23


Boas pedaladas!
 
#9
Ficam sempre de fora muitos factores, esta folha é baseada no mesmo principio que os economistas utilizam para fazerem os seus estudos e tirarem as suas conclusões.
É uma expressão que ouvi na minha formação acádemica e nunca mais esqueci, "CETERIS PARIBUS". Isolamos um factor que pretendemos ter em conta e tudo o resto é tido como uma constante.
Considerando que o peso é a nota máxima neste canto, e que para tirar peso é preciso investimento, são estes os dois factores mais berrantes, e sobre os quais a folha se foca.
Factores como fiabilidade, design, conforto ou funcionalidade ou mesmo exclusividade e novidade ou outros podem também pesar na hora de decidir, mas são factores muito mais dificeis de quantificar numa escala e variam de utilizador para utilizador. Até mesmo a cor do quadro acaba por condicionar as compras dos outros componentes.
Claro que tudo influencia, mas no final os números são frios, saberemos sempre quanto rendeu um euro investido e a quanto anda a grama do produto.

Boas pedaladas!