Avanço Thomson X4 estalado

#1
Boas,

pois é a tão afamada marca "Thomson" e sua reputação de fiabilidade também falha e grave também é a falha de assistência ao cliente.
Passo a explicar, acabada mais uma volta de Domingo chego a casa quando vejo na tampa do avanço (o que me parecia sujidade), mas afinal era estalado!!!
Fiquei perplexo, porque nem tinha investido num espigão mais leve já com medo da fiabilidade e no final o resultado é este... :cry:
Pensando ao que iria fazer, envio um mail para a Thomson USA, a qual tem um péssimo atendimento ao cliente, tentei "falar" com um representante na Europa (visto não haver em Portugal) o qual me pediu para enviar fotos, depois de enviar as fotos, já enviei mais mail's e resposta... nada!
Caso para pensar Thomson nunca mais, pois se houver algum azar como me aconteceu a assistência é zero!
Deixo algumas fotos do documentado, de referir que os apertos foram rerspeitados e a utlização é XC.








Cump's
 
#4
Então explica-me, a fenda percorre é totalmente visivel dos dois lados da face? Ou está a avançar mais pela zona interna da tampa?

E aquela zona brilhante no bordo da tampa onde a fenda começa, foi provocada pela fenda também? É que parece que falta aí material.

Realmente a falta de resposta da Thomson é um pouco estranha. Não terá sido um problema de dificuldades de comunicação?

De qualquer forma as tampas de substituição da Thomson são relativamente baratas, por isso mesmo que a Thomson não te dê cobertura consegues voltar a colocar o avanço funcional sem grandes prejuízos. Não é a opção ideal mas é melhor que ficar com o avanço inutilizado.
 
#5
A fenda parece que começa do lado onde parece existir falta de material (até dá ideia da mesma ter levado uma pancada daquele lado, o que não aconteceu) e depois parece ir avançando para o centro da tampa, parece existir defeito de fabrico e ao abrir a fenda ter aparecido a tal falta de material.
Falta de comunicação não me parece, parece mais falta de vontade.
Felizmente consegui encontrar uma tampa na Chain... por 7.20€ e o problema ficou resolvido, mas fica registada a atitude e por valor tão simbólico e quiz também partilha-la com o forum pois acho que estas atitudes devem ser do conhecimento de todos.

Cump's
 
#6
Realmente isso é daquelas raras coisas que acontecem, então Thompson...Meu caro o importante é que até "se resolveu".
Eu cá continuo satisfeito com o meu espigão Thompson 8)
 
#7
Mesmo que a Thomson te responda, aposto que a probabilidade é alta que indiquem que a falha foi causada por aperto excessivo ou desequilibrado dos parafusos. De facto, olhando para a fenda e no sitio onde está, eu diria que um dos parafusos do lado direito forçou a tampa excessivamente para baixo o que levou a tensões excessivas no ponto onde o deslocamento do material é máximo (exactamente onde começou a fenda e lascou aquele bocadinho de material).

Mesmo que tenhas respeitado o binário recomendado, lido numa qualquer chave dinamométrica, na prática a marca não se vai ver obrigada a substituir a peça porque a relação entre a tensão do parafuso e binário lido é relativa, dependendo da presença de lubrificantes, threadlockers, afinação da chave dinamométrica e até mesmo o tipo de bit usado para encaixar no parafuso. E a ordem de aperto dos parafusos é também extremamente importante, se os parafusos não forem apertados gradualmente e sequencialmente vão existir desiquilibros de carga. Em avanços, que usam valores de binários relativamente reduzidos, pequenos erros podem fazer toda a diferença. Podes explicar o teu processo de aperto e a chave que usaste?

Mas dito isto, confesso que que não considero os avanços e respectivas faceplates maquinadas em CNC da Thomson como a melhor opção. Sou fã dos espigões deles, mas nos avanços acho que o forjamento proporciona material mais resistente e leve a custos de produção bem inferiores.
 
#8
O processo que costumo utilizar nos apertos dos avanços é de forma gradual e a sequencia é sempre feita em cruz, a chave que costumo utilizar para apertos de valores mais baixos é igual à da foto, costumo utilizar também pasta para montagem para carbono (entre o guiador e o avanço, visto o guiador ser em carbono e neste caso não tendo influencia no problema), e utilizo um liquido (threadlocker) de resistência baixa para os parafusos, não tendo também influência na minha opinião, pois o mesmo só oferece resistência depois de seco.
Em relação ao processo de fabrico estou plenamente de acordo contigo.




Cump's
André B.
 
#9
O processo realmente parece-me bem e a chave dinamométrica que usas também é do meu tipo favorito. Essas de alavanca são na minha opinião bastante superiores ás de roquete porque permitem ir aplicando o binário gradualmente.

Agora, relativamente ao threadlocker, o consenso é que o mesmo funciona como um lubrificante até estar curado (ainda demora um horita ou mais). Logo, consegue-se aplicar mais pré-tensão no parafuso com uma leitura inferior na chave dinamométrica. Mas duvido que seja um diferença suficiente para causar problemas.

Mas teorias à parte, como já indicaste era um caso que se resolvia facilmente com o envio de uma tampa em garantia pela parte da marca, sem questões adicionais. Fui fazer uma pesquisa rápida pela net e há relatos de vários casos desses, muitos onde dizem que foi coberto pela garantia.
 
#10
Aparte da resolução económica ou célere do problema com a tampa, julgo que a questão pertinente será: "e se partisse mesmo?".

Poderia uma fissura de fora-a-fora provocar uma ruptura na zona dos parafusos, e consequente desprendimento catastrófico do guiador, mesmo antes de dar sinal ao ciclista de que algo estava mal?

Presumo que grande parte da força exercida no guiador esteja concentrada no plano vertical, no entanto não deixa de ser preocupante pensar no resultado de uma falha mais grave.

Não que tenha beliscado de todo a minha confiança no material da thomson que tenho montado, mas este tópico é importante sobretudo para recordar que umas inspecção minimamente cuidada e regular de alguns componentes, toma apenas alguns minutos mas pode poupar bastantes dissabores.
 
#11
Re:Avanço Thomson X4 estalado

Duchene,

Acho que o que acontece primeiro é uma perda gradual da força aplicada sobre o guiador. À medida que a fenda vai avançando o guiador vai ficando com progressivamente menos aperto, que se traduz numa rotação do guiador. Na minha opinião seria esse o primeiro sinal caso o Epico não tivesse detectado a fenda a tempo.

E concordo plenamente quando dizes que a inspecçao regular é mesmo muito importante. É muito pouco provável um componente em bom estado partir sem aviso. As fendas normalmente demoram algum tempo a propagar.

Há uma lista de zonas das bicicletas que na minha opinão merecem sempre um olhar atento após cada lavagem ou operação de manutenção. A minha sugestão é que se inspeccionem as seguintes zonas:

-Testa do quadro e respectivas soldaduras
-Zona entre o aperto de espigão e tubo superior do quadro
-Escoras inferiores traseiras junto ao eixo pedaleiro
-Dropouts
-Zonas do quadro onde os suportes de tejadilho do carro apertem

-Espigão de selim, especialmente na zona imediatamente abaixo da cabeça
-Carris do selim
-Avanço completo
-Guiador, especialmente no interface guiador-avanço

-Pernas da forqueta, especialmente junto ao apoio do travao de disco
-Arco da forqueta

-Olhais dos aros
-Furação do cubo (furos dos raios e dos discos)

Um inspecção rápida destas zonas evita ser apanhado de surpresa na pior altura.