Pág 1 de 4 123 ... ÚltimoÚltimo
Mostrar resultados 1 a 10 de 38

Tópico: Ensaio em detalhe: Specialized Enduro Expert 9v

  1. #1
    Se pedalares como falas... Avatar de 350plus
    Registo
    01-04-2005
    Local
    Maia
    Posts
    2106

    Ensaio em detalhe: Specialized Enduro Expert 9v

    Ensaio Em Detalhe:
    Specialized Enduro Expert


    Texto: Eduardo Marques
    Fotos: Valentin
    Rider: Oscar Martins


    De entre os inúmeros tipos de bicicletas propostos pelos fabricantes, as bicicletas de enduro/all-mountain são daquelas que mais tem sofrido um desenvolvimento tecnológico agressivo e incessante. É algures entre o XC e o DH que fica o mundo destas máquinas. Assumidamente optimizadas para descer de forma agressiva e rápida, estão cada vez mais à vontade nas subidas graças ao uso de componentes cada vez mais ligeiros e geometrias de suspensão varáveis e apuradas. A Specialized Enduro é um dos modelos que desde a sua criação tem estado consistentemente na linha da frente desta vertiginosa evolução. Esta máquina chega a 2011 como uma proposta muito interessante para aqueles que querem extrair o máximo de adrenalina nas descidas mas não dispensam a capacidade de trepar novamente até ao topo da montanha. Levamos uma Specialized Enduro Expert 9v de 2011 para os trilhos para descobrir até onde nos levam os 160 mm desta ambiciosa máquina.


    Índice






    Quadro e Construção

    O quadro da Specialized Enduro abandona por completo qualquer pretensão de seguir o desenho clássico de uma bicicleta de todo o terreno, exibindo em alternativa uma forma complexa constituída por um entrelaçamento de vários elementos estruturais moldados com recurso a técnicas de hydroforming. O triângulo central encontra-se dividido por uma forte barra central, criando uma estrutura reforçada onde apoia o amortecedor. Os tubos empregues na construção são todos de enorme diâmetro e os cordões de soldadura que os unem são longos e largos, características que favorecem a rigidez e resistência.

    A decoração deste quadro segue uma linha muito discreta e minimalista, com poucos logótipos. Este quadro é pintado com um tom bronze mate, uma cor muito invulgar mas que parece ter agradado a todos os que contactaram com este quadro. A pintura tem um acabamento ligeiramente rugoso, muito agradável ao toque, ocasionalmente interrompida por pequenos painéis polidos onde a superfície é totalmente lisa. Estas zonas jogam com as reflexões de luz, dando ao quadro um brilho característico quando exposto à luz solar. É um visual diferente que contrasta com as opções de decoração menos discretas que são típicas dos quadros desta gama.


    A testa deste quadro segue a já obrigatória construção cónica para garantir elevada rigidez face aos impactos frontais. Embora a maneira mais habitual de produzir este tipo de testa cónica seja maquinando um tubo de grande espessura até à forma cónica final, a Specialized optou por forjar o alumínio para obter esta peça. É certamente uma opção acertada pois esta operação permite não só moldar o material mas também lhe atribui alguma resistência adicional. A metade inferior da caixa de direcção, com o seu enorme rolamento de 1.5 polegadas, encontra-se totalmente integrada dentro desta secção do quadro. Tudo isto contribui para uma testa com um aspecto geral muito limpo.

    No zona do pedaleiro encontramos um tradicional interface roscado e a sempre bem-vinda adição de uma placa ISCG para ajudar à montagem de acessórios (a Enduro Expert 9v faz uso desta placa para montar um guia de corrente Gamut). Aqui encontramos também um dos detalhes de construção mais interessantes do quadro, o desvio que o tubo de selim faz antes de chegar ao pedaleiro. Uma grande porção deste tubo encontra-se deslocada uns milímetros para a esquerda relativamente ao plano central da bicicleta. Isto tem o objectivo de libertar espaço para o movimento do desviador da frente, uma vez que este está montado directamente na escora traseira. Os engenheiros da Specialized montam assim o desviador dianteiro de modo a que o mesmo acompanhe de forma fiel os movimentos da suspensão e não seja obrigado a trabalhar com uma corrente que alterna constantemente de posição.


    O triângulo traseiro é dominado pelas articulações do sistema FSR e pelas escoras que fazem a ponte entre o triângulo dianteiro e a roda de trás. Para os interessados em perceber melhor esta geometria de suspensão, uma explicação resumida do sistema FSR pode ser encontrada no ensaio que fizemos recentemente à Camber Expert. Os pivots que permitem a articulação da suspensão incluem vários rolamentos selados, todos alojados em cavidades de alumínio reforçadas para suster as forças transmitidas pelos impactos na roda traseira. O balanceiro central é uma peça esculpida de alumínio, com dimensões compactas mas que ainda assim consegue fazer a ligação entre o tubo de selim, as escoras superiores e um tirante que actua o amortecedor. Olhando um pouco mais para trás, verificamos que a ponte que une as duas escoras superiores faz parte de uma robusta peça forjada que inclui as ponteiras das escoras, onde liga o balanceiro central. Na ponte está também discretamente gravado em relevo o nome do modelo, um pormenor que demonstra o nível de controlo absoluto sobre a forma do metal. As ponteiras traseiras do quadro, onde assenta a roda, são de grande espessura e com uma complexa forma tridimensional. Para protecção da escora inferior encontramos montada uma robusta protecção de plástico, específica para este modelo.


    Todos estes pormenores construtivos revelam elevada atenção no projecto do quadro, não só no plano mecânico mas também no plano visual. Neste modelo existe um claro esforço para conjugar a função e forma, algo que é especialmente difícil numa máquina tão minimalista como uma bicicleta mas que na nossa opinião parece ter sido conseguido.

    Componentes

    O modelo Enduro Expert 9v que aqui testamos é uma versão que não sofreu grandes alterações de 2010 para 2011. Mas ainda assim continua a ser uma proposta muito válida e com uma escolha de componentes de elevada qualidade. A montagem que a Specialized propõe para este modelo é uma mistura equilibrada de componentes de gama média e alta, com escolhas muito adequadas à natureza e carácter desta máquina.

    Como habitual, começamos a descrição de componentes a olhar para as suspensões. Na frente do quadro a Specialized monta uma RockShox Lyrik IS 2-step, com curso variável entre os 160 e 140 mm e eixo passante Maxle lite de 20 mm. A controlar o sistema FSR encontramos um amortecedor Fox RP2 com Boost Valve e afinações específicas para a Enduro. Considerações detalhadas sobre o funcionamento das suspensões podem ser encontradas na secção seguinte deste artigo.


    A transmissão 2x9 desta máquina é um sortido de componentes de várias marcas e gamas diferentes. O pedaleiro é um Shimano FC-762, com a habitual tecnologia Hollowtech II de rolamentos externos e eixos integrados. É montado com pratos de 22 e 36 dentes e um bashring Gamut em policarbonato. Produzido pela Gamut é também o guia que se encarrega de manter a corrente controlada nas descidas mais agressivas. Como todos os guias de corrente deste tipo é um pouco ruidoso a trabalhar mas rapidamente nos habituamos ao zumbir gerado pela roldana.


    A guiar a corrente sobre os dois pratos do pedaleiro encontramos um desviador Shimano da série SLX. Na parte posterior da transmissão temos um Sram X-0 associado a uma cassete Shimano de 9 velocidades (com relação 11-34). No guiador da bicicleta encontramos um par de triggers SRAM X-9 para controlo preciso da transmissão. Como seria de esperar, o funcionamento deste conjunto é muito agradável, combinando o funcionamento suave dos pedaleiros e desviadores dianteiros Shimano com o funcionamento mais seco e imediato do desviador traseiro X-0. As relações são perfeitamente adequadas para as capacidades desta bicicleta e a presença do conjunto bashring/esticador de corrente é útil. Só mesmo em estrada aberta é que se nota a falta do prato de 44 dentes.


    As rodas são quase totalmente montadas com componentes DT Swiss, sendo a única excepção o cubo da roda da frente que é fornecido pela própria Specialized. O cubo traseiro é um DT 330 SL, de rolamentos e com a típica construção cuidada e ligeira da DT Swiss. Os aros são uns robustos E440S, com uma espectacular pintura vermelha especialmente concebida para esta bicicleta. Como todos os aros actuais da DT Swiss, são aprovados para uso tubeless desde que seja neles aplicada a fita própria da marca. O raios Competition 1.8/1.6 completam o conjunto e são uma óptima escolha, com admirável compromisso entre resistência e peso. Sobre estas rodas encontramos duas versões dos pneus Specialized Eskar com 2.3 polegadas de largura. Na roda da frente encontramos um S-Works Eskar e na roda traseira encontramos um Eskar Control. Embora venham montados com câmara, ambos são compatíveis com uma conversão para tubeless, uma operação que recomendamos vivamente e que está a apenas à distância de um kit da DT Swiss.


    Face à grande capacidade de descida desta máquina, encontramos um conjunto de travões sem concessões no nível de potência. Os Avid Elixir CR SL estão presentes, com discos de 205 mm e 185 mm. Demonstraram ter potencia mais que suficiente para parar a Enduro em todas as situações, sempre de forma incansável e controlada. Certamente um ponto forte desta bicicleta.


    A Specialized equipa as Enduro com o seu espigão de selim telescópico, o Command Post. Este espigão usa ar pressurizado para colocar o selim na altura que desejarmos. O Command Post tem três posições de selim pré-definidas. Além da posição superior, de extensão máxima, existe uma posição intermédia em que o selim desce 35 mm e a posição inferior, onde o selim desce um total de 100 mm. O funcionamento deste espigão de selim é actuado remotamente por cabo e conta com um manípulo muito minimalista mas fácil de utilizar. Durante a nossa primeira sessão de testes o espigão desceu sem aviso um par de vezes mas bastou uma pequena e simples re-afinação da tensão do cabo para que funcionasse de forma perfeita durante os restantes dias do ensaio.


    A combinação do quadro e os componentes desta Enduro Expert perfazem um peso de 14.12 kg (tamanho M, sem pedais). É um valor muito interessante para uma máquina de 160 mm, especialmente se tivermos em conta que esta montagem não faz sacrifícios de durabilidade ou funcionalidade para atingir este número. Para todos aqueles preocupados em atingir pesos ainda mais baixos a Specialized oferece ainda várias versões da Enduro com quadro em carbono. É óbvio que nestas versões o preço sobe em conformidade com a poupança de peso, fazendo com que os modelos de alumínio sejam a escolha mais racional numa análise custo/benefício.

    Nos trilhos

    Assim que nos sentamos na Enduro sentimos-nos muito bem encaixados, com um guiador largo e comandos acessíveis. A frente lançada, com um ângulo de direcção muito relaxado (66,5 graus), dá extrema confiança para abordar obstáculos mas no primeiro contacto sugere comportamento menos bom a baixas velocidades. Na realidade isto não se verifica pois a Enduro tem um comportamento muito neutro nas zonas mais lentas e deixa-se guiar facilmente. Certamente que não tem o nervosismo e impaciência em mudar de direcção que as bicicletas de menos curso apresentam, mas quem não anda constantemente em corridas convive facilmente com esta natureza descontraída.


    As capacidades de subida desta bicicleta são muito agradáveis para uma bicicleta com 160 mm de curso e mais de 14 kg de peso. Em subidas mais rolantes, a Enduro não compromete e permite subir de forma confortável, sempre a bom ritmo. Não permitindo acelerações explosivas, é no entanto um quadro que pedala muito bem, graças à geometria de suspensão apurada e o funcionamento do amortecedor Fox RP2. Como ajuda adicional na subida, a Rock Shox Lyrik permite reduzir o curso de 160 para 140 mm, baixando um pouco a altura do guiador. Esta diferença é relativamente curta para alterar radicalmente o comportamento ascendente mas é sempre uma ajuda bem-vinda para atingir uma posição de subida mais apropriada. Nas subidas mais técnicas e irregulares a Enduro confia no amplo curso para absorver os obstáculos, sendo capaz de tragar terreno muito complicado. Esta boa capacidade de subida técnica é apenas limitada pela distância dos pedais ao chão pois o eixo pedaleiro desta bicicleta é relativamente baixo. Quando a suspensão comprime nas zonas rochosas mais irregulares, os pedais aproximam-se muito do chão e quebra-se a cadencia de pedalada.


    Assim que chegamos às descidas, a Specialized Enduro imediatamente revela o seu verdadeiro carácter, acelerando sem dificuldade sobre os obstáculos no terreno, com uma estabilidade incrível em cima qualquer tipo de piso. Ganha velocidade muito rapidamente, sempre transmitindo plena confiança ao rider. Os 160 mm de curso permitem uma absorção das irregularidades natural e fluída, erguendo os limites de aderência desta máquina para velocidades elevadas. O ângulo de direcção relaxado permite guiar a roda da frente com total segurança a alta velocidade, abrindo a cada instante inúmeras escolhas de caminho que só uma bicicleta com este curso pode ter como opção.


    Em trilhos estreitos, a Enduro é bastante ágil e deixa-se controlar facilmente em curvas fechadas. A bicicleta pode ser rodada muito prontamente usando o travão traseiro que, por ser potente e muito eficaz, permite deter a rotação do pneu traseiro a qualquer instante. O espigão de selim telescópico Command Post é uma ajuda valiosa nas zonas mais técnicas, embora tenham sido raras as oportunidades em que usamos os 100 mm totais de descida. Com o selim completamente retraído, perde-se um pouco de encaixe e também a possibilidade de controlar a bicicleta com as pernas. De facto, a posição intermédia em que o selim desce apenas 35 mm acaba por ser muito mais interessante para descidas técnicas do que os números sugerem.


    A absorção de impactos na frente é extremamente eficaz mas não está focada na sensibilidade, demonstrando em alternativa uma compostura inabalável ao amortecer impactos sucessivos e um funcionamento muito previsível quando esgotamos o curso disponível. Em drops grandes, enquanto a Lyrik vai comprimindo e absorvendo a energia, podemos facilmente controlar a direcção e o equilíbrio da bicicleta. Na suspensão traseira encontramos bastante mais sensibilidade, havendo uma adaptação quase perfeita da roda traseira ao perfil do terreno. A roda segue firmemente colada ao solo, mesmo em zonas com raízes e rochas soltas. Durante a travagem nota-se apenas alguma interacção entre as forças geradas no disco e a movimentação da suspensão, típica das bicicletas com curso generoso e do uso de discos de grande diâmetro. Quanto aos pneus instalados neste Enduro Expert, demonstraram ter bons níveis de aderência em piso de terra compacta e solta, com comportamento muito previsível no limite. Apenas em pisos mais rochosos e duros gostaríamos de ter um pouco mais de aderência.



    Em suma


    A Enduro Expert 9v que aqui testamos revelou-se como uma bicicleta cuidadosamente construída e competente numa gama muito vasta de terrenos. É certo que não sobe como uma uma bicicleta de cross-country mas em retorno a sua capacidade de gerar adrenalina e diversão nas descidas é viciante. O seu quadro traz montada uma série de componentes muito robustos e têm uma geometria, que embora vocacionada para descer depressa, permite também que se ataque qualquer subida sem reclamações e a bom ritmo. E a Enduro encaixa-se perfeitamente numa classe de bicicletas com muito futuro. Uma vez que a grande maioria dos praticantes nacionais de BTT começou a praticar o desporto em bicicletas de XC puro, é perfeitamente natural que este segmento de bicicletas de Enduro e All Mountain cresça à medida que alguns deixam o XC e optam por bicicletas com mais curso. E ao fim destas semanas de ensaio, podemos afirmar que a Enduro é uma sólida opção neste segmento, uma máquina que não pode ser descartada por todos aqueles que olham para as descidas técnicas e anseiam por mais velocidade e liberdade de exploração.






    Ficha Técnica do Quadro
    • Material do quadro: Alumínio M5
    • Curso traseiro: 160 mm
    • Curso máximo permissível de suspensão frontal: 170 mm
    • Tamanhos disponíveis: S, M, L, XL
    • Caixa de direcção: Cónica (Rolamento superior 1.1/8” e inferior 1.5”)
    • Diâmetro espigão de selim: 30.9 mm
    • Aperto de espigão de selim: 34.9 mm
    • Tipo de desviador da frente: E-Type; Top Swing / Bottom Pull
    • Caixa do eixo pedaleiro:
    • Linha de corrente: 50 mm
    • Dropout traseiro: 135 x 9 mm
    • Rota de passagem de cabos: Externo, cabos de desviadores e tubo hidráulico sob o tubo diagonal.



    Componentes da Bicicleta Testada
    • Quadro: Enduro Alumínio M5, tecnologia ORE, com ISCG
    • Suspensão: Rock Shox Lyrik 2-step, 160mm
    • Amortecedor: Fox Float RP2 Boost Valve
    • Manípulo: SRAM X9 trigger 9v
    • Desviador F: Shimano SLX FD-M665-E
    • Desviador T: SRAM XO 9v, caixa média
    • Pedaleira: Shimano FC-M762 Exclusivo para a Specialized 175mm (170mm em tamanho S), eixo integrado, com guia de corrente Gamut
    • Eixo Pedaleiro: Shimano Integrado
    • Cassete: Shimano HG61, 9v, 11-34D
    • Corrente: SRAM PC-971
    • Travões: Avid Elixir CR SL Exclusivos p/ a Specialized 205/185mm
    • Rodas: Aros DT Swiss E440S exclusivos, 26mm, com Cubos DT Swiss 330SL atrás e Specialized Hi-Lo Disc com eixo de 20mm à frente e Raios DT Swiss Competition 1.6/1.8mm Inox
    • Pneus F/T: Specialized Eskar S-Works 2.3” 120TPI/ Specialized Eskar Control 2.3” 60TPI
    • Selim: Specialized Format 130mm (143mm em tamanhos L e XL)
    • Espigão de Selim: Specialized Command Post 100mm (Telescópico, com comando no guiador)
    • Avanço: Specialized (Alumínio forjado 3D)
    • Guiador: Specialized Enduro Mid-rise 680mm, em Al 7050, 6º de inclinação, 9º de recuo
    • Caixa Direcção: Cane Creek, Cónica, rolamento inferior integrado
    • Punhos: Specialized Waffle (tamanhos S/M) Specialized Thick (L/XL)





    Geometria

    Para o tamanho M testado:
    • HTA - Ângulo de direcção: 66.5°
    • STA - Ângulo de selim: 70.5°
    • ETT - Tubo superior efectivo : 590 mm
    • ST - Tubo selim: 444 mm
    • HT - Tubo direcção: 130 mm
    • CS - Escora inferior: 419 mm
    • SO - Standover: 761 mm (medido a meio do tubo superior)
    • BB - Altura da caixa do pedaleiro: 350 mm
    • WB - Distância entre-eixos: 1151 mm

    Geometrias de outros tamanhos

    Agradecimentos

    O staff do FórumBTT agradece à Specialized Portugal e à loja BikeSpace de Braga a cedência da bicicleta de teste para a realização deste ensaio.

  2. #2
    Já tem os pedais de encaixe ensinados Avatar de Jorge S
    Registo
    15-01-2009
    Local
    Silves - Albufeira
    Posts
    717
    Excelente trabalho!! Um slow motion das partes técnicas do teste ficava aqui a matar.

  3. #3
    Domina as técnicas de queda Avatar de Rui Perira
    Registo
    25-10-2010
    Local
    Covilhã
    Posts
    84
    Boas 350plus!

    permite-me que te ponha uma questão...
    essa leoa que apresentaste tem guia de corrente certo?
    MAS NÃO DEIXA DE TER 3 PRATOS E DESVIADOR DIANTEIRO....

    podes-me explicar isso?

    houve uma altura em que pensei colocar um mas desisti porque ter 22-32-44 é mais compensador que 32 , 34 ou 36...

    será que é possivel dares aqui uma mãozinha nas minhas duvidas?

    Obrigado
    Abraço!
    Rui Pereira

    Astro Viper!!

  4. #4
    Se pedalares como falas... Avatar de 350plus
    Registo
    01-04-2005
    Local
    Maia
    Posts
    2106
    Olá Rui.

    A Enduro Expert só tem 2 pratos. A maior parte dos guias de corrente está feita para funcionar apenas 1 ou 2 pratos. Existem uns poucos guias de corrente concebidos para funcionar com 3 pratos mas não são tão eficazes.

  5. #5
    Domina as técnicas de queda Avatar de Rui Perira
    Registo
    25-10-2010
    Local
    Covilhã
    Posts
    84
    boas novamente...

    peço então desculpa pelo meu equivoco relativamente aos pratos da Enduro....

    pedaleira de dois pratos há para que preços? (começando pelas mais baratas) , desviador e shifter das mesmas?

    e guias, para que preço os há para 2 pratos?
    Abraço!
    Rui Pereira

    Astro Viper!!

  6. #6
    Pedala tanto que tem os Cranks polidos! Avatar de Oscarfilipegmbh
    Registo
    04-06-2008
    Posts
    259
    O que se pode dizer desta bicicleta ... Pouco , Para descer não existe melhor .

    É incrivel o que se consegue descer nesta bicicleta nunca pensei que fosse possível tal coisa .

    Um abraço .

  7. #7
    A força é tanta que parte correntes Avatar de pauloreis
    Registo
    06-12-2010
    Local
    SMF
    Posts
    223
    Boas:
    Mais uma excelente análise!! Parabéns 350plus
    Na minha humilde opinião um canhão deste calibre a custar 3599 d€l€s, merecia uns componentes melhorzinhos!! e sobretudo da mesma gama...
    Um desviador traseiro X0 (top) metem manípulos x9?! A seguir um desviador dianteiro slx!!
    Como diria o Bimbo da Costa:: Penso eu de que!!

    Abraço

  8. #8
    A força é tanta que parte correntes Avatar de INTERCEPTOR
    Registo
    13-11-2008
    Local
    Montijo
    Posts
    247
    Grande máquina com uma decoração bestial.
    O preço é alto, sem dúvida, mas o comprmisso de fiabilidade foi estudado ao pormenor.
    Shimano na frente e Sram na traseira é divinal, pena a gama face ao preço.

  9. #9
    Excelente ensaio!

    Digo uma coisa, tenho uma enduro de expert de 2009 e a bike está sempre a impressionar me pela maneira como sobe e pela maneira que consigo descer sempre e sempre mais rápido com grande controlo ( com saltos pelo meio..) e penso que o peso não é excessivo 12.9 kg

    para quem não pretende XC competitivo e quer diversão acho que é a bike ideal

  10. #10
    Se pedalares como falas... Avatar de MarceloBTT
    Registo
    27-06-2008
    Local
    Vimeiro
    Posts
    1091
    Grande analise!
    Muito bem!

Tags deste tópico

Regras

  • Você não pode colocar novos tópicos
  • Você não pode responder
  • Você não pode adicionar anexos
  • Você não pode editar as suas mensagens
  •