Pág 1 de 2 12 ÚltimoÚltimo
Mostrar resultados 1 a 10 de 14

Tópico: Ensaio em Detalhe: Santa Cruz Tallboy

  1. #1
    Se pedalares como falas... Avatar de 350plus
    Registo
    01-04-2005
    Local
    Maia
    Posts
    2106

    Ensaio em Detalhe: Santa Cruz Tallboy

    Ensaio Em Detalhe:
    Santa Cruz Tallboy Carbon


    Texto: Eduardo Marques
    Fotos: Valentin
    Vídeos: Eduardo Marques
    Rider: José Pereira


    Pela primeira vez no Thinkbikes, chegou-nos ás mãos uma bicicleta com rodas de 29 polegadas. Embora por vezes pareçam ser um conceito muito recente, as bicicletas de BTT com rodas grandes não são propriamente novidade. Já povoam há mais de 10 anos no mercado americano mas só agora começam a chegar em força às lojas europeias. Nesta Santa Cruz Tallboy, o verdadeiro apelo é o facto de ser uma das primeiras 29er em carbono com suspensão total. A aplicação de suspensão integral ao conceito da roda 29 apresenta desafios de geometria e comportamento dinâmico para os quais só muito recentemente os fabricantes começaram ter soluções eficazes. A Tallboy é uma pioneira no mundo das bicicletas 29er equipadas com suspensão avançada (o VPP neste caso) e representa uma interessante alternativa para o futuro das bicicletas de BTT. Durante o tempo que tivemos a Tallboy ao nosso dispor procuramos explorar as suas capacidades e compreender quais as reais vantagens deste novo tipo de plataforma proposto pela Santa Cruz.




    Índice




    Aspectos Práticos e de Construção

    Como já foi referido por aqui no ensaio da Blur XC Carbon, depois de longos anos dedicados ao "tradicional" alumínio, a Santa Cruz Bicycles vê agora o carbono como uma solução ideal para muitos dos seus produtos e acredita na sua durabilidade a longo prazo. Esta confiança que a marca exibe deve-se ao cuidado aplicado no processo de construção, usando uma técnica que recorre a uma moldação monocoque com transições suaves e total ausência de junções abruptas. As diferentes peças e tubagens do quadro surgem com diâmetros substanciais e intersecções muito progressivas. A testa do quadro, preparada para caixa de direcção cónica, contribui para esta imagem sobre-dimensionada. A muscularidade do quadro serve certamente como argumento de vendas aos cépticos sobre a durabilidade do carbono como material de construção de quadros.


    No geral, a Tallboy segue uma filosofia estética muito discreta, com o carbono à vista por debaixo de um acabamento matte. As aplicações gráficas são esparsas, pouco além do necessário para identificar a marca e o modelo. O aspecto sóbrio da decoração, combinado com o tamanho imponente do quadro e das rodas torna esta bicicleta numa máquina muito marcante em termos visuais que rejeita por completo o uso a cores vivas ou os típicos anodizados para chamar a atenção. É uma tendência estética que a Santa Cruz tem vindo a alargar a todos os seus modelos de carbono e que parece ser do agrado de muitos.


    O sistema VPP aparece aqui novamente implementado com dois pequenos links separados que regem o movimento da roda traseira. O triângulo posterior é construído numa peça única, com um reforço imediatamente antes do desviador para aumentar a rigidez torsional. Para aqueles mais interessados nos detalhes de construção e processo de manutenção, a Santa Cruz disponibiliza no seu site uma página detalhando os passos de uma revisão ao sistema VPP da Tallboy.


    Para que a Tallboy possa receber pneus de largura considerável, os designers da Santa Cruz moldaram as escoras com bastante espaço livre junto à zona de passagem do pneu. Deste modo, a marca garante que até pneus como o WTB Weirwolf 29x2.55 (55 mm reais de largura) cabem sem dificuldades, sendo agora o real factor limitador não as escoras mas a caixa do desviador da frente. A consequência directa de tal capacidade para acomodar pneus largos é a acrescida largura externa das escoras que, devido à sua posição baixa, passam muito junto à perna do ciclista. Em utilizadores com pernas um pouco largas poderá haver um ligeiro contacto com o quadro nesta zona.



    Rodas de 29 polegadas

    Sendo uma presença relativamente recente no mercado português, as rodas de 29 polegadas já têm uma longa história no mercado americano. Ao longo das décadas de 80 e 90 do século passado surgiram pontualmente algumas BTTs com rodas deste diâmetro. Mas as suas capacidades técnicas eram reduzidas, pois normalmente recorriam a adaptações de pneus e aros destinados a bicicletas de treking. O verdadeiro impulso para a moderna BTT 29er apenas se deu em 1999 com o surgimento do primeiro verdadeiro pneu 29er, o WTB Nanoraptor. A partir daí, a progressão tem sido gradual com muitas marcas de bicicletas e componentes, grandes e pequenas, a introduzir modelos 29er nas suas linhas de produtos.

    As rodas a que chamamos 29er, não têm na realidade 29 polegadas de diâmetro. Uma roda de BTT com 29 polegadas tem um diâmetro de aro de 622 mm (24.5 polegadas), exactamente o mesmo diâmetro de aro das rodas usadas nas bicicletas de estrada. Uma roda de BTT com 26 polegadas tem um diâmetro de aro de 559 mm (22 polegadas). A nomenclatura 26 e 29 refere-se de forma aproximada ao diâmetro total da roda com um pneu montado.

    O tema das vantagens e desvantagens das rodas 26 versus 29 é controverso e também em constante evolução devido aos avanços tecnológicos que vão surgindo. De uma forma genérica, pode-se afirmar que, quando comparadas de igual para igual com as rodas 26, as rodas 29 são mais pesadas, apresentam uma inércia rotacional maior e são ligeiramente mais susceptíveis à flexão devido aos raios mais longos necessários para suportar a roda. Em contraste, apresentam uma capacidade melhorada de rolar sobre obstáculos e uma maior área de contacto com o solo, com mais flutuação e maior aderência em curva. Actualmente, um dos principais pontos de venda para as bicicletas 29er é o facto de proporcionarem uma geometria mais natural em tamanhos de quadro grandes. Nestes tamanhos, as rodas 29er ficam instaladas mais proporcionalmente no quadro e permitem, por exemplo, a afinação da altura da frente da bicicleta sem recurso a muito espaçadores ou testas de quadro muito longas.

    Devido à grande interacção homem-máquina que existe ao andar de bicicleta, os níveis de importância relativa destas vantagens e desvantagens são muito variáveis de pessoa para pessoa. É importante que se experimente convenientemente uma bicicleta de roda 29 antes de decidir se é de facto a solução que mais nos convém ou descartar completamente o conceito.



    Componentes

    A Tallboy de testes que nos foi cedida apresentava um conjunto de componentes de excelente qualidade que acompanha o nível do quadro. A suspensão fornecida é uma Fox F29 com 120 mm e cartucho da amortecimento FIT, equipada com tubo de direcção cónico para acompanhar o quadro e eixo passante QR15. As rodas são umas Mavic C29ssmax, uma versão com maior diâmetro das conhecidas Crossmax ST. A transmissão, fundamentalmente Shimano XT, é a racional aposta da fiabilidade em detrimento de pesos aligeirados e materiais mais exóticos. A cumprir os deveres de travagem encontramos uns Avid Elixir R, que embora sem potência avassaladora mostraram-se seguros e com tacto agradável. Nos periféricos, uma combinação de material Easton e Thomson dá garantias de durabilidade com pesos contidos.

    Nos trilhos

    Para quem está habituado a rolar em bicicletas de roda 26, o primeiro contacto dinâmico com a Tallboy é profundamente marcante. Substantivos como "camião", "tractor" são tipicamente proferidos por quem pela primeira vez experimenta esta máquina. Mas essa sensação de algo pesado e difícil de manobrar é uma ilusão criada pela dimensão das rodas e do quadro, passando rapidamente com as primeiras pedaladas e curvas. A Tallboy, como todas as 29er de geometria devidamente configurada , apresenta uma manobrabilidade que não é muito diferente de uma qualquer FS com rodas 26 e curso equiparável. A direcção tem um comportamento natural e as acelerações, embora obviamente menos vivas, não são muito prejudicadas pela massa e inércia extra das rodas de 29 polegadas. E quando se começa a rolar, a ganhar velocidade, aí a Tallboy brilha com a sua estabilidade e capacidade para manter velocidades de cruzeiro. Quanto mais ondulado for o trilho, mais diversão se extraí desta máquina. Singletracks com curtas mas constantes variações de altimetria são onde a Tallboy se sente em casa. É grande a facilidade com que rolamos e curvamos nestas zonas, cruzando qualquer tipo de terreno sem complicações, ressaltos inesperados ou perdas de compostura. A suspensão traseira VPP permite aplicar tracção muito facilmente mas, quando comparada com a versão instalada na irmã Blur XC Carbon, apresenta uma afinação ligeiramente mais optimizada para o conforto e menos orientada para uma resposta directa e competitiva.


    Na primeira vez que atiramos esta Tallboy de teste para subidas longas, fomos confrontados com uma frente relativamente alta que cria algumas dificuldades nas zonas mais inclinadas e técnicas. O uso da Fox F29 com 120 mm de curso, guiador sobre-elevado e avanço com inclinação positiva conjuga-se para criar uma frente que é equivalente a algumas bicicletas de roda 26 com cursos elevados (140 ou 150 mm). Nas subidas que se aproximam dos 20% de inclinação, torna-se complicado pedalar em pé e pouco prático colocar peso na roda da frente. Isto leva a perdas constantes no contacto com o solo e acaba por tornar o controlo difícil. A marca está consciente desta dificuldade das bicicletas 29er e é por isso que esta bicicleta bicicleta (no tamanho L) vem equipada com um tubo de direcção de apenas 100 mm. Haverá certamente muitos potenciais compradores desta máquina que preferem frentes altas para uma posição muito orientada para os trilhos descendentes mas existirão também aqueles que procuram na Tallboy uma máquina rápida de XC. Para os que têm pretensões de subir ao ataque qualquer pendente, será provavelmente preferível modificar a elevação do guiador para valores mais reduzidos e assim melhorar a distribuição de peso em subida. Mas seja qual for a preferência, existe muita margem de manobra para ajustar a altura da frente e mudar o carácter da bicicleta. Isto pode ser feito invertendo o avanço, ajustando os espaçadores ou optando até por aplicar uma suspensão de curso diferente (dentro de uma gama que vai de de 100 até 140 mm).


    Falando então em descidas, especialmente as mais rápidas, a Tallboy exibe nelas um comportamento formidável. É muito precisa em curva e mantém a trajectória pedida sem qualquer tipo de desvio, mesmo em pisos muito complicados e soltos. O efeito giroscópico e a dimensão das rodas combinam-se com a geometria e rigidez do conjunto quadro-suspensão para produzir este comportamento exemplar. É uma sensação de segurança e solidez que apenas encontramos nas bicicletas de 26 polegadas com grande curso. A capacidade de curvar a alta velocidade é tanta que se torna relativamente fácil e rápido ir até os limites de aderência dos pneus. É por isto que recomendamos especial cuidado na selecção dos mesmos. O Maxxis Ignitor 2.1 que esta bicicleta de testes tinha instalado na frente demonstrou-se limitado face as capacidades do conjunto. Mesmo prejudicando o peso e as capacidades roladoras, um pneu da frente um pouco mais largo e com rasto mais agressivo será o ideal para esta máquina. Nas descidas mais lentas e técnicas, também aqui esta bicicleta dá confiança ao seu piloto. Em secções com constantes obstáculos rochosos, a altura das rodas (e da frente em geral) acaba por ajudar a ultrapassar as passagens técnicas mais abruptas sem qualquer tipo de sobressalto. A suspensão absorve de forma competente as irregularidades destes trilhos e não é raro ficar com a sensação de que a bicicleta tem mais curso traseiro que os 100 mm reais.



    Em suma

    Mesmo sendo um conceito totalmente novo para a marca, a Tallboy é mais uma proposta de elevada qualidade que a Santa Cruz coloca no mercado. Com um chassis de carbono impecávelmente produzido e a comprovada suspensão VPP a bordo, esta é uma máquina de XC cujas capacidades transbordam esta classificação. O quadro Santa Cruz Tallboy é rígido, durável, permite montar bicicletas muito estáveis em trilhos irregulares e capazes de rolar quilómetros a fio sem desconforto para quem vai em cima dela. Mais do que uma experiência sobre rodas 29, a Tallboy é o elo que faltava na família da Santa Cruz. Não é excessivamente competitiva nem demasiado focada nas descidas. Fazendo uso das características únicas que a plataforma de roda 29 lhe atribui, ocupa o intervalo entre a Blur XC e a Blur LT. Depois de umas semanas a rolar nesta máquina, não pudemos deixar de ficar com a ideia de que a Santa Cruz encontrou o espaço natural das rodas 29.




    Ficha Técnica do Quadro
    • Material do quadro: Compósito de fibra de carbono
    • Curso traseiro: 100 mm
    • Curso máximo permissível de suspensão frontal: 140 mm (optimizado para 100mm a 120mm)
    • Tamanhos disponíveis: M, L, XL, XXL
    • Caixa de direcção: Cónica: 1.1/8" no topo, 1.5" na base
    • Diâmetro espigão de selim: 30.9 mm
    • Aperto de espigão de selim: 34.9 mm
    • Dimensão do amortecedor: 6.5" x 1.5” (165 x 38mm)
    • Tipo de desviador da frente: 34.9mm / Bottom Swing (high clamp) / Top Pull
    • Caixa do eixo pedaleiro: 73 mm / Rosca Inglesa (ISO)
    • Linha de corrente: 50 mm
    • Dropout traseiro: 135 x 10 mm
    • Tamanho de rotor máximo: 185 mm
    • Rota de passagem de cabos: Externo com espiral integral, cabo de desviador dianteiro sob o tubo superior, tubo hidráulico e cabo de desviador traseiro sobre o tubo diagonal.




    Componentes da Bicicleta Testada
    • Quadro: Carbono, Suspensão VPP 100mm de curso, link em carbono
    • Suspensão: Fox 32 F29 FIT RLC
    • Amortecedor: Fox Float RP23, Boost Valve
    • Manípulo: Shimano XT SL-M770
    • Desviador F: Shimano XTR FD-M971
    • Desviador T: Shimano XT Shadow RD-M772 Caixa Longa
    • Pedaleira: Shimano XT FC-M770 44-32-22
    • Eixo Pedaleiro: Shimano Integrado
    • Cassete: Shimano XT CS-M770 11-34
    • Corrente: KMC X9SL
    • Travões: Avid Elixir R 185mm F/ 160mm T
    • Rodas: Mavic C29ssmax
    • Pneus F/T: Maxxis Ignitor 2.1 / Maxxis CrossMark 2.1
    • Selim: WTB Vigo
    • Espigão de Selim: Thomson Elite (recto)
    • Avanço: Easton EA70
    • Guiador: Easton Monkey Light XC
    • Caixa Direcção: Cane Creek XXc II
    • Punhos: Lizard Skins Charger
    • Pedais: Time Atac XS


    • Importador: Pernalonga
    • Peso: 2270g (Tam.M), 2410g (Tam. L) com amortecedor Monarch 3.3
    • Preço: €2590(quadro), bicicleta completa a partir de 3990€




    Geometria

    Para o tamanho L testado:
    • HTA - Ângulo de direcção: 71º
    • STA - Ângulo de selim: 73°
    • ETT - Tubo superior efectivo : 609mm
    • ST - Tubo selim: 495 mm
    • HT - Tubo direcção: 99.1mm
    • CS - Escora inferior: 444.5 mm
    • SO - Standover: 759.26 mm (medido a meio do tubo superior)
    • BB - Altura da caixa do pedaleiro: 325.12 mm
    • WB - Distância entre-eixos: 1107.44 mm

    Geometrias de outros tamanhos

    Agradecimentos

    O staff do FórumBTT agradece ao importador da Santa Cruz, Pernalonga pela cedência da bicicleta de teste para a realização deste ensaio.

  2. #2
    Trata por tu os "desmontas" Avatar de t-CH-ivalo
    Registo
    02-06-2010
    Local
    Leiria-Peniche
    Posts
    144
    Mais uma vez uma excelente análise pela parte dos moderadores do Fórum.
    Consisa o suficiente para não tornar a leitura maçadora mas que retém tudo o que há a saber sobre esta bicicleta, principalmente o que a distingue: as rodas 29.
    Parabéns!

  3. #3
    Se pedalares como falas... Avatar de SURFAS
    Registo
    22-05-2006
    Local
    Portugal
    Posts
    1633
    Bom, eu tive essa bicicleta durante o mês de Agosto para testes e adorei, aliás tenho a BLT2 e ando a pensar em adquirir a Tallboy mas ao mesmo tempo ficar com a BLT.

    Eu como na BLT tenho 140mm de curso, guiador elevado estou habituado a frentes altas e não tive quaisquer problemas. Embora vejo quem use guiadores rectos com a Tallboy.

    Quanto aos pneus gostei bastante do Crossmark mas detestei o Ignitor, aliás fui ao chão duas vezes, porque estava montado como tubeless, não o sendo, tal como o de trás. Mas o Ignitor tem os flancos laterais muito finos o que o torna muito instável sem câmara de ar.



    Tenho aconselhado a quem monta a Tallboy o Ardent 2.25 ou até 2.4 para a frente.

    Em relação à BLT notei que a Tallboy pedala melhor, nota-se o menor peso do quadro, dá muita confiança nas descidas mais inclinadas e não se nota muita diferença do curso de 100mm da Tallboy e os 140mm da BLT, embora a BLT é mais confortável, mas também tem a vantagem de ter uma Van na frente.

    Fiz este vídeo da Tallboy, para quem ainda não o viu.



    Aconselho vivamente a quem faça maratonas, ou por prazer ou mesmo em competição e a quem tenha mais de 170mm de altura EXPERIMENTEM as rodas 29!!
    Ande sempre no trilho.
    Não deixe marcas da sua passagem.
    Mantenha sua bicicleta sob controle.
    Preste atenção em quem vem atrás e dê sempre passagem.
    Tenha cuidado com o meio ambiente e não assuste os animais.


    http://www.facebook.com/osurfas

  4. #4
    A força é tanta que parte correntes Avatar de kemp
    Registo
    11-05-2009
    Local
    Aveiro
    Posts
    240
    Mais uma boa análise.
    Estive ao pé duma destas em Santarém(penso que até era esta) e adorei "o aspecto sóbrio". Fantástica!
    Tenho que experimentar uma destas.

  5. #5
    Já saca os pneus à mão Avatar de MiguelLemos
    Registo
    27-02-2007
    Local
    Santo Tirso/Coimbra
    Posts
    165
    Olá. Mais uma vez um excelente ensaio/detalhe desta Máquina que é a TALBOY, se houvesse euros era ésta que compraria sem dúvida mesmo tendo só 1,74 de Altura. Um pequeno aparte."Uzo o crossmark a trás á mais de 1ano e é o meu eleito para trás, quanto ao ignitor estive para comprar um para a frente e pelos vistos ainda bem que não o fiz."
    P. S Continuem o bom trabalho nestes testes/ensaios. Abraço
    Miguel Lemos

  6. #6
    Super Moderador Avatar de RTC
    Registo
    04-05-2006
    Local
    Caldas da Rainha
    Posts
    3771
    Gostei de ler.
    Absorvo tudo o que possa explicar as diferenças para a roda convencional, pois a aquisição de uma roda 29 está nos meus planos para breve.
    Já tenho um ou dois modelos em vista (dentro do objectivo que lhe pretendo dar) mas o ideal seria a aquisição apenas do quadro, para ir montando a pouco e pouco.

    Excelente trabalho!
    "Dá-lhe calorrrr!!!"

    STRAVA

  7. #7
    Já tem os pedais de encaixe ensinados Avatar de jorgegt
    Registo
    19-04-2006
    Posts
    705
    Como sempre uma analise muito boa da bike e do conceito da roda 29 que deixa, pra mim, bastante esclarecido e curioso em experimentar.
    Os meus Parabens ao Plus e ao Zé pelo trabalho.
    E já agora tembem ao Surfas pelo video, era só trocar os pedais por uns da crank e era só rolar;-)

  8. #8
    Se pedalares como falas... Avatar de SURFAS
    Registo
    22-05-2006
    Local
    Portugal
    Posts
    1633
    Atenção, gostaria de salientar que este quadro em nada se parece com a Blur XC. A nivel de estrutura, colocação do carbono, espessura dos "tubos" é mais parecida com a BLT de carbono, e já estive com as 3.
    Ande sempre no trilho.
    Não deixe marcas da sua passagem.
    Mantenha sua bicicleta sob controle.
    Preste atenção em quem vem atrás e dê sempre passagem.
    Tenha cuidado com o meio ambiente e não assuste os animais.


    http://www.facebook.com/osurfas

  9. #9
    Trata por tu os "desmontas" Avatar de t-CH-ivalo
    Registo
    02-06-2010
    Local
    Leiria-Peniche
    Posts
    144
    Já agora, que vídeo?

  10. #10
    Tem uma tatoo a dizer "Amor de Talega"
    Registo
    19-04-2005
    Posts
    528
    Boa Análise. A bike parece um trambolho. LOL

Tags deste tópico

Regras

  • Você não pode colocar novos tópicos
  • Você não pode responder
  • Você não pode adicionar anexos
  • Você não pode editar as suas mensagens
  •