Pág 1 de 2 12 ÚltimoÚltimo
Mostrar resultados 1 a 10 de 18

Tópico: Ensaio em Detalhe: Santa Cruz Blur XC Carbon

  1. #1
    Se pedalares como falas... Avatar de 350plus
    Registo
    01-04-2005
    Local
    Maia
    Posts
    2106

    Ensaio em Detalhe: Santa Cruz Blur XC Carbon

    Ensaio Em Detalhe:
    SANTA CRUZ BLUR XC CARBON


    Texto: Eduardo Marques
    Fotos: Pedro Ribeiro, Eduardo Marques, Santa Cruz Bicycles
    Vídeo: Eduardo Marques
    Rider: Óscar Martins


    Finalmente, o foco no Carbono. Fiel ao alumínio desde o seu início, a marca Californiana cedeu ao inescapável apelo do carbono. O resultado? Uma pura bicicleta de XC mas com surpresas na manga.
    Durante muitos anos, falar em Santa Cruz era falar em quadros de alumínio de elevada qualidade. A série Blur (XC e LT) alicerçou grande parte da sua reputação de excelente comportamento e durabilidade nos seus quadros cuidadosamente soldados, construídos com avançadas ligas de alumínio. Mas com a progressão veloz da tecnologia do carbono, a Santa Cruz viu o mercado das bicicletas de XC de gama alta a ser invadido por diversos quadros leves em compósito e os seus clientes a reivindicar pesos cada vez mais reduzidos. Depois de mais de uma década de tentativa e erro por parte de alguns pioneiros, os métodos de produção de carbono estavam agora maduros e comprovados. Os engenheiros da Santa Cruz acharam-se então no momento certo para finalmente apostar no carbono, munidos de garantias que o resultado final apresentaria progresso tangível sobre os modelos de alumínio existentes. Esta mudança de paradigma foi uma decisão arriscada mas certamente fundamental para a evolução da marca. A Blur XC Carbon que aqui testamos é o primeiro produto deste novo rumo da Santa Cruz. Terá a aposta no carbono sido uma aposta ganha?




    Índice





    Quadro e sistema VPP

    O quadro desta Blur "carbónica" é uma evolução directa do anterior Blur XC em alumínio. O carácter mantém-se o mesmo e, como é apanágio da Santa Cruz, o sistema de suspensão traseira VPP (Virtual Pivot Point) marca a sua presença. Conforme explicado no artigo da Blur LT, este comprovado mecanismo geométrico articula-se de forma engenhosa para produzir uma variação gradual dos rácios de suspensão e reutiliza habilmente a tensão da corrente de forma a manter a roda de trás estável quando se pedala de forma mais vigorosa. Devido à forte dependência geométrica, estes sistemas de pivot virtual podem ser afinados e projectados para uma gama bastante diversa de comportamentos, que vão desde o XC ultra-leve desta Blur XC até ao DH de competição da monstruosa V-10. No Blur XC Carbon encontramos a variação deste sistema com 105 mm de curso, totalmente optimizados para o pedalar rápido e forte de uma utilização em Cross-Country e Maratona. Os rácios de suspensão são acertados para produzir uma leitura do terreno mais viva, que se pretende livre do efeito de oscilação excessivo que é patente noutras suspensões.


    A geometria segue com as lições aprendidas nos Blur XC anteriores e apresenta características que hoje são tidas como obrigatórias neste tipo de quadro. Ângulo de direcção perto dos 70º para funcionar correctamente com o offset e curso das suspensões mais populares, tubo superior arqueado para simplificar a subida/descida da bicicleta e finalmente escoras o mais compactas quanto for possível para beneficiar a agilidade. A altura ao solo do pedaleiro é relativamente pequena para baixar o centro de gravidade e melhorar o comportamento em curva, embora possa gerar situações nas quais os pedais batem em obstáculos quando a suspensão comprime durante subidas técnicas. Um ponto bastante positivo deste quadro é o facto de utilizar componentes bastante uniformizados. Não existe recurso a standards recentes cuja implementação ainda não está garantida e para a maior parte dos compradores deste quadro usar componentes antigos será um processo "plug and play". Um claro piscar de olho aos donos das Blur XC anteriores.



    Focando agora atenções na qualidade de construção, encontramos um trabalho de qualidade irrepreensível. Os característicos tubos curvados da série Blur são reproduzidos no carbono com ainda mais fluidez, numa interpretação curvilínea da já clássica linguagem de design dos Blur XC e da Santa Cruz como marca. É um tipo de minimalismo funcional que não requer grandes artifícios visuais para agradar à vista. De notar as zonas de intersecções de tubos, feitas de forma bastante natural, com longos e graduais remates que imprimem solidez. Como consequência das pretensões peso-pluma deste quadro, encontramos uma pintura muito reduzida onde, à parte de uma decoração discreta mas original, todo o carbono é deixado exposto como se fosse uma janela para a disposição homogénea das fibras que dão a coesão ao quadro. Os diâmetros da tubagem são substanciais e claramente calculados para dar ênfase na rigidez. Segundo a literatura da marca (e conforme é procedimento habitual da indústria) as camadas de carbono são ajustadas às exigências específicas de cada um dos tubos. Por exemplo, na parte inferior do tubo diagonal encontram-se camadas extra de tela que conferem resistência adicional aos impactos. Mesmo com estes reforços o peso final é muito competitivo, pautando-se pelas 1985 gramas em tamanho L. O sistema VPP é implementado com os característicos links compactos que prendem o triângulo traseiro. Estes links alojam os rolamentos e, para manter a lama fora das sensíveis esferas, encontram-se totalmente selados por uma barreira de vedantes . O link inferior apresenta ainda portas de injecção de lubrificante para que se possa proceder à renovação da massa dos rolamentos sem ter que os desmontar. Uma vez que localização deste link inferior origina um espaçamento bastante reduzido entre os pratos e a parte inferior do triângulo traseiro, uma placa metálica recobre a zona crítica. No entanto, não será despropositado introduzir alguma protecção adicional porque casos de chainsuck severos (com forte enrolamento de corrente) podem resultar em danos substanciais e irreparáveis para o carbono daquela zona.

    Montagem de teste

    A montagem de teste recebida faz jus à qualidade do quadro, uma receita comprovada de componentes de qualidade. As suspensões são entregues à Fox, com uma F32 com 100 mm de curso e eixo passante QR15 a segurar a roda da frente e um RP23 com Boost Valve a moderar o movimento da subestrutura traseira.


    A travagem ficou entregue a um par de travões Hope Race X2 com discos flutuantes (analisados à parte) que permitem modular de forma controlada a rotação das vistosas e leves rodas Mavic SLR.


    A transmissão é uma mistura de Shimano XT e XTR, com a típica durabilidade, trocas de mudança suaves e um peso contido. Os pneumáticos Schwalbe, de piso pouco agressivo, são pouco adequados para as épocas mais chuvosas nas quais o chão esconde surpresas escorregadias. Mas rolam muito bem e são a escolha acertada para tempo mais seco. No capítulo dos periféricos encontramos um espigão Thomson Masterpiece, um esteticamente agradável avanço 3T ARX-TEAM e um guiador Easton Monkeylight XC. A caixa de direcção fica entregue a uma clássica caixa Chris King NoThreadset.


    Tudo componentes que encaixam plenamente na função e "personalidade" deste quadro e como tal devem constar da lista de possibilidades de todos os que pretenderem montar uma bicicleta a partir do quadro Blur XC Carbon.

    Nos trilhos

    Para abrir esta secção e exemplificar o comportamento e capacidades desta bicicleta, apresentamos este pequeno vídeo. Uma versão HD pode ser seleccionada para maior qualidade de imagem e som.


    O comportamento da Blur XC testada é vivo e dinâmico. A sensação de condução é claramente XC, com posição ideal para descarregar potência sobre a transmissão durante horas a fio. A direcção é rápida e equilibrada, mas não excessivamente leve, facto ao qual não é alheia a excelente forma do guiador Easton Monkey Lite XC. Nesta bicicleta as subidas são atacadas de forma natural, com uma boa distribuição de peso entre os eixos que não exige contorcionismo acrobático sobre o quadro para impedir o levantar da roda da frente. O VPP impede movimentos oscilantes de grande e média amplitude durante estas sessões de ascensão mas, devido à natureza não blocante desta solução anti-bombeio, existe sempre um pequeno movimento oscilante do amortecedor. Eventuais obstáculos que possam surgir durante a subida são assimilados de forma eficaz, sem ressaltos que originem perda de tracção. A acompanhar estes movimentos da suspensão temos sempre um ligeiro feedback nos pedais, uma ténue força seca que acaba por se tornar no claro sinal de que o VPP está a cumprir a sua missão de devolver a roda traseira à sua posição neutra.


    Chegando a trilhos abertos e rolantes, facilmente se descobre que a Blur XC Carbon é muito eficaz para sprintar e manter velocidades de cruzeiro elevadas. Quanto mais vigorosamente se pedala, maior é a estabilidade da suspensão traseira. A bicicleta torna-se muito directa e fica-se com a distinta sensação que o triângulo traseiro está a transmitir toda a potência para a roda de trás, sendo tudo isto conseguido com o efeito de plataforma do RP23 totalmente desligado.


    Mas é nas descidas que a Blur XC Carbon mais surpreende. Encoberta sob uma aparência de bicicleta crossista sem compromissos, revela-se uma máquina extremamente competente a descer e que facilmente se deixa guiar com confiança e a alta velocidade sobre todo o tipo de obstáculos. Pode parecer cliché, mas a sensação é semelhante a flutuar numa almofada de ar pelo trilho abaixo, com bastante conforto e grande isolamento daqueles inesperados impactos que nos deixam as rodas apontadas para os sítios mais impróprios nos momentos menos oportunos. O comportamento acaba por ser divertido, em contraste com a natureza sisuda de muitas máquinas de XC. A enorme rigidez do chassis é uma das razões por detrás deste comportamento. Na frente temos excelente precisão direccional e a culpada é a forqueta com eixo de 15 mm que acrescenta ainda mais rigidez torsional à já de si robusta série Fox com bainhas de 32 mm. Atrás, temos a estrutura de carbono de secções amplas, acoplada a links curtos e eixos de diâmetro generoso. É este o segredo da nova geração de quadros de carbono. A busca desmesurada de pesos recordistas que pautou a primeira fase de utilização deste material foi deixada para segundo plano e existe agora um esforço para aproveitar a grande rigidez das fibras de carbono e assim construir quadros leves e sólidos.


    A articulação VPP e o óptimo amortecedor RP23 com Boost Valve apoiam-se nesta estrutura quase inflexível para proporcionar níveis de sensibilidade muito agradáveis e uma resposta equilibrada aos grandes impactos. A leitura do terreno é refinada, suave e suficientemente ampla, sem cair em exageros que levem a um comportamento preguiçoso.

    Em suma

    Ao longo da duração deste teste ficou claro que a Blur XC Carbon é uma máquina concebida a pensar na eficiência e na velocidade, mas com uma especial preocupação em manter um comportamento sólido nas descidas e zonas técnicas. O quadro é rígido sobre o pedalar mas responde de forma confortável e equilibrada aos impactos e irregularidades do terreno. Este tipo de performance vai de encontro às necessidades daqueles que praticam provas competitivas de endurance ou até passeios de longa distância. O preço do quadro será certamente o maior impedimento à compra uma vez que se situa nos patamares mais elevados do mercado e como tal deixa esta máquina inacessível à bolsa de muitos. Mesmo assim não há falta de clientes cativados por esta bicicleta, uma máquina que vem definitivamente enterrar muitos mitos sobre o uso do carbono em BTT. A era do carbono chegou e está para durar.






    Ficha Técnica do Quadro
    • Material do quadro: Compósito de Carbono
    • Curso traseiro: 105 mm
    • Curso máximo permissível de suspensão frontal: 100 mm
    • Peso quadro: aproximadamente 1985 g (L, com amortecedor Fox RP23 e aperto de espigão de selim)
    • Tamanhos disponíveis: S, M, L, XL
    • Caixa de direcção: Externa, 1.125 polegadas
    • Diâmetro espigão de selim: 30.9 mm
    • Inserção mínima do espigão de selim: 100 mm
    • Aperto de espigão de selim: 34.9 mm
    • Dimensão do amortecedor: 6.5” x 1.5” (165x 38mm)
    • Tipo de desviador da frente: Abraçadeira 34.9 mm / Top Pull / Bottom Swing
    • Caixa do eixo pedaleiro: 73 mm / Rosca Inglesa
    • Linha de corrente: 50 mm
    • Tamanho de pneus máximo recomendado: 2.35 polegadas
    • Dropout traseiro: 135 x 10 mm
    • Tamanho de rotor máximo: 185 mm
    • Rota de passagem de cabos: Externo, cabos de desviadores e tubo hidráulico sob o tubo superior.
    • Preço quadro: 2570 euros
    • Importador: Pernalonga





    Componentes da Bicicleta Testada
    • Quadro: Carbono de alto módulo, VPP com 105 mm de curso
    • Suspensão: Fox 32 F120 QR15 (reduzida a 100 mm)
    • Amortecedor: Fox Float RP23 (Boost Valve)
    • Manípulo: Shimano XT SL-M760
    • Desviador F: Shimano XT FD-M771
    • Desviador T: Shimano XT RD-M770 SGS
    • Pedaleira: Shimano XTR FC-M970
    • Eixo Pedaleiro: Shimano Integrado
    • Cassete: Shimano XT CS-MM770 11-34
    • Corrente: SRAM PC-991
    • Travões: Hope Race X2, 160/160 mm
    • Rodas: Mavic SLR 2009
    • Pneus F/T: Schwalbe Racing Ralph 26x2.1 UST / Schwalbe Smart Sam 26x2.1 UST
    • Selim: WTB Pure
    • Espigão de Selim: Thomson Masterpiece
    • Avanço: 3T ARX-Team
    • Guiador: Easton Monkey Lite XC
    • Caixa Direcção: Chris King NoThreadset
    • Punhos: Lizard Skins
    • Pedais: Time Atac XS


    • Peso: 11,16 kg ( 10,82 kg sem pedais)




    Geometria

    Para o tamanho L testado:
    • HTA - Ângulo de direcção: 69.5º
    • STA - Ângulo de selim: 73º
    • ETT - Tubo superior efectivo : 610 mm
    • ST -Tubo selim: 495 mm
    • HT -Tubo direcção: 119 mm
    • CS - Escora inferior:422 mm
    • SO - Standover: 742 mm (medido a meio do tubo superior)
    • BB - Altura da caixa do pedaleiro: 325 mm
    • WB - Distância entre-eixos: 1113 mm

    Geometrias de outros tamanhos

    Agradecimentos

    O staff do FórumBTT agradece ao importador da Santa Cruz, Pernalonga, a cedência da bicicleta de teste para a realização deste ensaio.

  2. #2
    Pedala tanto que tem os Cranks polidos! Avatar de NSilvaXP
    Registo
    23-02-2009
    Local
    Foz do Sousa, Gondomar
    Posts
    252
    Mais uma excelente reportagem sobre uma máquina de sonho!
    Parabéns pelo nível elevadíssimo destas vossas reviews, deixam a milhas as de muitas revistas!

    E se me é permitida a sugestão: que tal fazerem a próxima acerca da Spesh Stumpy FSR S-Works?

  3. #3
    Já saca os pneus à mão Avatar de Pernalonga
    Registo
    10-03-2009
    Local
    Aveiro
    Posts
    167
    Só digo uma coisa, " HÀÀÀÀ valentes ".
    Parece que estou a ler um review feito por uma revista estrangeira, mas não este é genuinamente Português.
    E podem querer que os moços andaram mesmo na bicicleta.
    Bem com o passar dos testes a equipa está a ficar cada vez mais apurada.
    Os meus sinceros parabéns, acho que está mesmo ao mais alto nivel.

    Boas pedaladas, de SANTACRUZ claro...

    César Pinho

  4. #4
    Pedala tanto que tem os Cranks polidos! Avatar de Oscarfilipegmbh
    Registo
    04-06-2008
    Posts
    259
    É só uma das melhores bicicletas que o dinheiro pode comprar, Simples, Confortável, Fiavel, Rapida e Indestrutível eu que o diga

    Carbono ao mais alto nível.

  5. #5
    Já tem os pedais de encaixe ensinados
    Registo
    30-04-2010
    Posts
    694
    Mais um excelente teste e também concordo que tem melhor qualidade que os que são feitos em algumas revistas.

    Podiam era fazer um teste à Santa Cruz Nomad ou então à Santa Cruz Chamaleon.

  6. #6
    A força é tanta que parte correntes Avatar de kemp
    Registo
    11-05-2009
    Local
    Aveiro
    Posts
    240
    Adorei ler o teste e ver o video que fizeram.
    Isto está mesmo a ser levado a sério... Bom trabalho!

    Em relação ao modelo ensaiado, não há dúvidas que é uma boa máquina!

  7. #7
    Se pedalares como falas... Avatar de penatabua
    Registo
    04-01-2006
    Local
    Zona de Lisboa e "Catedral do BTTconcelho Idanha-a-Nova"
    Posts
    2191
    Olá 350Plus,


    Mais uma vez parabéns pelo TRABALHO APRESENTADO(o anterior da IBIS foi determinante para me decidir na aquisição de uma IBIS), uma vez mais fica a curiosidade em experimentar esta marca emblemática e exclusiva.
    Já agora... PARABÉNS pela escolha dos TRILHOS apresentados, estes também me "ABRIRAM CÁ UMA CURIOSIDADE"!!!!!!! Pelas fitas colocadas e observadas através das fotos, fez parte de algum evento organizado? Podes informar onde se encontram estes trilhos e quantos kms se podem efectuar neles?

    Abraço de penatabua

  8. #8
    Se pedalares como falas... Avatar de HR
    Registo
    30-08-2005
    Posts
    1907
    Parabéns pelo excelente trabalho!

    Realmente depois de um teste a este nível as duvidas não serão muitas e as certezas bastantes...
    A bike é como se esperava um espectáculo e o ensaio assim o descreve a unica questão (e falo por experiencia) tem a ver com a manutenção a longo prazo da mesma, mas isso é outro assunto.

    penatabua - esta zona lembra-me Santo Tirso e/ou Paços de Ferreira que é uma zona frequentada por estes amigos btttistas, a confirmar!

    Muitas e boas pedaladas...
    HR

  9. #9
    Já se equilibra sozinho na bike
    Registo
    17-06-2008
    Posts
    14
    Tenho quase a certeza que foi em Moreira de Cónegos, tem por lá bons trilhos.

  10. #10
    Pedala tanto que tem os Cranks polidos! Avatar de Oscarfilipegmbh
    Registo
    04-06-2008
    Posts
    259
    Boas

    Os trilhos do video são em Moreira de Cónegos e fizeram parte de dois enventos um foi a prova de nacional de XCO de Moreira de Cónegos e tambem de um passeio feito a pouco tempo. Se quiseres um track de um passeio com 40 km que passa nestas zonas e tambem e em mais algumas porreiras que podes ver aqui : http://www.forumbtt.net/showthread.p...highlight=tico
    Diz o teu mail que eu envio o track.

    Um abraço

Tags deste tópico

Regras

  • Você não pode colocar novos tópicos
  • Você não pode responder
  • Você não pode adicionar anexos
  • Você não pode editar as suas mensagens
  •