SOBRE Multi - a saga do cromoly continua - 9.980 gr

#21
Re:SOBRE Multi - a saga do cromoly continua

350plus,

Obrigado pelas dicas!
São de facto link's muito interessantes e que me levaram a descobrir algo que ainda não me tinha apercebido: o aço...

Há muito tempo que desgostei dos quadros com tubos "super-grossos", achando os tubos finos bem mais elegantes e muito mais adequados para uma bike de xc. O problema era a geometria: gosto de ver "slooping" e os quadros que vemos habitualmente (antigos ou de supermercado) parecem quadros de estrada com tubos superiores literalmente horizontais... daí que nunca me dediquei a pesquisar sobre este assunto... ATÉ AGORA!!!

Vi maquinas de sonho! Exactamente aquilo que considero a "bike perfeita" (em termos estéticos), aliado às mencionadas vantagens dinâmicas que são mencionadas - será juntar a razão ao coração...

Vou perder algumas horas a pesquisar este tema...
 
#22
Re:SOBRE Multi - a saga do cromoly continua

Boas,


Relativamente as diferenças entre o alumínio e o cromoly, a nível de conforto são bem notórias, tenho um amigo que partiu um quadro em alumínio e emprestei o meu Voodoo em cromoly, e ele notou bem a diferença em termos de conforto sem perder a rigidez lateral.
A ferrugem, ela aparece, mas demora, a maioria dos quadros tem um tratamento que evita a ferrugem quando se risca ou perde a pintura, quando acontece é ter atenção, e pintar, se for pequeno um verniz das unhas resolve :mrgreen:

O quadro SOBRE vem mais bem acabado em termos de pintura nos pontos críticos, no eixo pedaleiro, caixa de direcção e tubos de "união, aquele que liga as escoras atrás, vem pintado por dentro, o tubo de direcção vem pintado excepto na zona onde as caixas de direcção entram, assim como eixo pedaleiro está todo pintado por dentro excepto nas roscas, as quais vem "passadas" com um macho e lubrificadas, por as quadros que por vezes tem a rosca pintada dificultando depois a montagem do movimento pedaleiro.

Falando em alterações na bicicleta tendo em vista o aumento da fcabilidade e diminuição de peso, o guiador troquei por um Syntace Duraflite carbon 9º . retirei os cornos, o guiador não trazia os terminais necessários para colocar cornos, e até me estou a habituar a não usar.
Os discos alterei para uns Ashima air rotor 160mm, 140mm.
Para melhorar o comportamento da bicicleta mudei novamente para Sram, coloquei manípulos grip shift X.O, e atrás um X.9 reutilizado, mesmo com folga é mais certo que Shimano com Sram Attack, não consegui colocar o esticado shimano a trabalhar com Attack tão suave como quando é tudo Sram, nem tão preciso, com o esticador Shimano havia sempre 1 ou 2 mudanças em que a passagem não era tão precisa.
Aumentei com a mudança em peso, ganhei em comportamento .
Fiz um pequento "tuning" nos fechos, cortei o lado em que está a cabeça do parafuso, troquei a "porca" do fecho por uma dos fechos Shimano sem o plástico, e ainda cortei um pouco do eixo, tirei 16 gramas aos fechos sem gastar dinheiro :twisted: e na minha opinião ficaram mais bonitos.

Neste momento com as alterações e sem grade de bidon a bicicleta esta com 10.220 gramas

Para chegar ao objectivo sub 10kg, vou trocar o avanço, por um Syntace F99 adquirido no ebay, que promete vir a ser um excelente negócio, se vir a ser depois conto, o selim vou colocar um SLR gel flow carbono, 125g , o pneu de trás, o Vredstein já começa a falhar, é um bom pneu mas gasta-se depressa demais e é pesado, 600 gramas, e espero com isto chegar abaxo dos 10 kg.

Fotografias que é bom, não há, espero conseguir colocar no domingo ou na segunda.

Depois também opinarei acerca da posição de condução com os 9 graus, acerca do comportamento do quadro, até a data 5 estrelas, as sensações que o aço transmite assim como a geometria são únicas !!

Cumprimentos,
António Valério
 
#23
Boas,


O objectivo sub 10kg foi atingido, 9,989 gr !

As últimas alterações foram :

Pneu para trás Kenda Small Block 2.1 DTC
Espigão de selim : ControlTech Team Issue 1sc
Selim: Selle Italia SLR Kit carbonio flow
Avanço Syntece F139

Mas isto sem fotos não vale, e como tal aqui vão :

A foto com a bina na balança :mrgreen:


O fecho da shimano sem a parte plástica


O guiador e avanço Syntace


O espigão e selim novos


O fecho BBB cortado


Aspecto geral da bina





Gosto do comportamento do pneu Kenda atrás, mais leve e melhor que o Vresdstein, o espigão de selim não fica atrás do Thomson em qualidade, o peso não é bom, pesa 268 gr, podendo baixar alterando os parafusos, que são pesados. Os disco Ashima não comprometem a travagem, apenas tive que alterar as anilhas que as pinças tem para afinação.
O ângulo de 9º do guiador ao inicio é estranho, depois entranha-se, favorece a posição de condução, e a rigidez do conjunto avanço Syntace F139 e guiador é notória face ao antigo conjunto.

De resto o comportamento do quadro/bicicleta é excelente, o conforto do cromoly é bem vindo, e não peca por falta de rigidez lateral.

Vou reduzir ainda um pouco mais o peso, com a troca dos fechos por uns ControlTech, e mais para a frente a troca do avanço por um Syntace mas o F99, comprei esta a pensar que era o F99, não reparei nas fotos :evil: , mas o objectivo está atingido com componentes que em nada comprometem a fiabilidade e resistência do conjunto !


Cumprimentos,
António Valério
 
#24
Boas,

Não tenho mais novidades, nem fotos, mas tenho uma análise mais a sério acerca do comportamento do quadro e da bicicleta.

Como já disse a comparação que me é possível fazer é com o quadro Voodoo Bizango.
Sendo os dois quadros fabricados em cromoly diferente e com pequenas diferenças nas medidas, há diferenças. Logo no início achei que o Sobre era um pouco mais confortável sem no entanto perder em rigidez lateral, a bicicleta ficou mais ágil, creio que seja devido a testa do quadro ser mais pequena, e o tubo do espigão de selim ter menos um cm de altura. A Voodoo tem 46 cms até ao topo do tubo, a Sobre tem 45 cm. Além de mais ágil ficou mais manobravel, dando mais confiança nas descidas, e permitindo um melhor desempenho nos trilhos mais técnicos. Mas como não é tudo a descer, e nem a montagem está pensada para tal, como se comporta o quadro a subir ? Não perde em nada para o Voodoo, desde que aja pernas aliado a um bom pneu atrás, pouco não se sobe.
É uma bicicleta que gosta e pede para andar depressa, mas sempre com uma ponta de divertimento, gosta de saltar um passeio, um buraco, pede descidas e subidas técnicas, e notei alguma diferença com a redução de peso e com a mudança do pneu de trás. Tenho andando com cerca de 2,5 bars, 38 psi, primeiro foi para testar se seria seguro e fiavél andar com um pneu convertido e um aro para tubeless. Até a data, já vão cerca de 3 meses e nada a apontar, peso contrário, o pneu e o aro comportam-se muito bem, e ganho em um pouco mais de conforto, parece que vou de soft trail, creio que é assim que se chama as FS com curso de 4 ou 5 cms de curso. A subir também ganho mais aderência permitindo subir melhor.
Já ando a um tempo sem bloqueio na suspensão retirei o motion control, notei que ficou ainda mais sensível, e não tenho notado grande falta do bloqueio, tenho a suspensão afinada em que não bombeia muito a não ser que "carregue" muito nos pedais em pé.
Noto falta de bloqueio as vezes em picarias com amigos em alcatrão ou em estradões, mas ai também sinto as vezes falta de mais 2 dentes no prato, é achar um compromisso entre as duas coisas, e ainda mais uma questão de gostos.
A mudança do esticador e manípulos foi muito bem vinda, o desviador mesmo já com 6000 kms, já o tinha usado, e com alguma folga lateral porta-se muito bem, não falhando e permitindo a troca de mudanças muito mais suave que alguma vez consegui com os Attack e Shimano.
Neste momento já não sinto falta dos cornos, habituei-me mais depressa do que pensava, e esteticamente fica mais bonita ,para mim ! Pronto também foi por o peso :twisted:
Continuo a gostar e a dar-me muito bem com apenas dois pratos a frente 26-40 , 11-32 atrás, permite bons andamentos, e apenas em uma ou duas situações senti falta de uma relação mais leve, mas já fiz subidas em single speed que julgava não conseguir fazer em 32 - 18 , por isso com força,e vontade faz-se tudo :twisted: A grande vantagem na utilização de apenas dois pratos, e é a utilização de mais carretos atrás, e andar mais tempo no prato "grande" , não mudando tanta vez a mudança a frente. Espero ter-me feito entender.
Os discos Ashima Airtotor após uma pesquisa por a net e oportunidade, lá mandei vir e coloquei os discos. Primeiras impressões, o efeito abs já mencionado por vários utilizadores, consegui reduzir parte do efeito a frente e retirar no travão de trás. Coloquei menos anilhas entre a pinça e o adaptador. A potência de travagem foi pouco afectada, para mim até para melhor, se os Juicy já trava, os Elixir ainda mais, para quem gosta de travões, com bom tacto e potentes, os Avid são a melhor opção.
Gostei do selim, necessito de mas umas horas até habituar-me melhor, o SLK é mais confortável, mas gosto mais do SLR esteticamente e como também gosto, e não sinto desconforto optei por o SLR, e por o peso também :twisted:
A troca de espigão de selim deveu-se ao facto de andar a inventar e na altura tinha o Voodoo e o SLK cortei 2 cms ao espigão, como o Sobre tem menos um cm no quadro, precisa logo de mais 1 cm de espigão, até aqui tudo bem, mas o SLR tem menos 1 cm de altura, entre os carris e o topo do selim, necessitava de mais 1 cm de espigão, o Thomson ficava a justa, e preferi não arriscar e trocar o espigão por outro com 400mm. Não podia ser um espigão de selim sem offset, por isso o Syntace P6 carbon estava fora de questão assim como o Woodman Post SL, com um peso atractivo e no ebay arranjam-se bons negócios. Andei a pesquisar, e pensei noutro Thomson com 410mm, Race Face Deus ou ControlTech, vi o ControlTech e gostei. O peso não é o seu forte, 268 gr, com 2 parafuso em aço que futuramente mudarei para titânio, mas mesmo assim ganhei cerca de 10 gr em relação ao Thomson com 380mm.




Depois continuarei com a análise.


Cumprimentos,
António Valério
 

Hugo_BTTejo

Utilizador Banido
#25
Valério, um gajo do teu tamanho, com uma bike de tamanho M, nem dá sequer para a tua menina

De qualquer modo, a bike está porreira, claro está a minha SCOTT gosto mais :mrgreen:

abraço amigo AV
 
#26
No passado fim de semana tive o prazer de fazer um teste a sério a esta fabulosa bicicleta :D
Sim,consegui convecer o gajo a meter a sua adorada bike nas minhas mãos :mrgreen: Já anteriormente tinha dado umas voltinhas na zona de Lisboa,mas tinha ficado o desejo de testar a serio um quadro de cromoly em puro btt,o verdadeiro teste foi então feito em 2 dias numa travessia que fiz percorendo uma das etapas da supertravessia que liga Elvas-Castelo de Vide-Morão-Vila Velha de Rodão.
O percurso era duro,terrenos rolantes mas tambem muito massacrantes devido a irregularidade do terreno daquela zona,composto por calçadas romanas e trilhos arenosos e cheios de pedras que é o normal naquela zona,descidas de gravilha e subidas de xisto.
O resultado final foi :shock: sendo eu possuidor de uma rigida de aluminio a diferença foi brutal :shock:,a resposta desta bike é simplesmente fantastica,o conforto é realmente notorio,aquelas batidas secas na rodas de tras que normalmente sinto nas descidas e nos buracos deixaram de ser tão massacrantes e nas subidas a bike mantinha-se instavel e em nada me comprometia nas subidas mais tecnicas,"A bike parece que está viva" dizia eu aos gritos aos meus colegas de percurso,só me apetecia acelarar em cima dela e saltar em todos os drops que via :D

Fiquei com o desejo de montar uma e esqueçer o unico defeito destes quadros" o seu peso" e curtir ao maximo este maravilho mundo do btt.

Obrigado Valério por me teres dado a oportunidade de sentir esta maravilhosa sensação que é usufruir de um bom momento de btt.

Fica como recordação esta foto retirada na bela cidade de Castelo de Vide

 
#28
Boas,

João bem nunca ei-de estar :twisted:, mas estou bom para outra !

Fora de off topi, em breve irei ter algumas novidades, por agora posso adiantar que ela está com 9.




Cumprimentos,
António Valério