SANTACRUZ Nickel - 125mm All-Mountain

#22
A minha SC Nickel

Boas,

Aqui vão umas fotos da minha Nickel no seu ambiente natural ;) e alguns comentários da minha experiência com o quadro até agora.

Dirt jumps perto de casa


Big 5 Tour Saalbach/Leogang


A caminho das pistas de Leogang


Nas fotos acima ainda estava com uma montagem mais XC/Enduro (e cerca de 12,5kg), mas depois passar por Saalbach já levou uns upgrades como discos maiores e um bash com guia de corrente. Os upgrades tornam a bike menos polivalente (agora anda pelos 14kg) mas ainda consigo acompanhar os meus colegas de XC na nossas voltas semanais.

Na minha opinão, estou convencido que as melhorias introduzidas pela SC tornam este quadro numa válida alternativa para quem procura uma bike para andar em qualquer tipo de trilho e acima de tudo procura um quadro resistente. A Nickel portou-se bem em todos os trilhos por onde passou (XC, dirts, trilhos técnicos com muita lama e raízes, bike parks). Claro está que nas subidas e trilhos planos não dá para competir com as bikes de XC puro, mas se o terreno é mais técnico e acidentado, a Nickel passa sempre a andar por zonas onde os outros têm de abrandar ou levar a bike à mão.

Apesar de o quadro da Nickel ser relativamente pesado (cerca de 3.3kg no tamanho M, é mais pesado que a minha Heckler e mais pesado do que uma Nomad) em pistas técnicas o peso "extra" não se nota e como a geometria é compacta, mesmo em zonas trialeiras, o quadro é agil qb.

Em comparação com a minha Heckler de 150mm com RP23 Boostvalve, noto que a suspensão traseira tem um funcionamento mais progressivo e com menos bombear. A afinação do amortecedor Fox traseiro é também diferente, noto que na Nickel há mais resistência ao bombear inicial, o que (pelo menos para mim) torna o sistema mais eficaz no uso em "XC".

A geometria é mais relaxada do que a Heckler e com uma forqueta de 140mm, permite descer com confiança e bastante rápido. A caixa de direcção Taper (1 1/8 em cima e 1.5 em baixo), dá bastante rigidez à frente do quadro, e juntamente com 1 forqueta com eixo QR15, esta rigidez dá mais confiança na passagem de zonas com raízes ou com muitas pedras.

Algumas melhorias a apontar são que faltam uns apoios ISCG como na Butcher para facilitar a montagem de guias de corrente e dava jeito um eixo traseiro oversize (10/142mm) para dar mais rigidez à traseira.

Em termos de montagem, para quem pretende usar a Nickel como bike do dia-a-dia, aconselho uma forqueta Talas ou com sistema similar para melhorar o rendimento (e a postura), especialmente nas subidas mais longas e íngremes.

Cumprimentos,
Mig.