SantaCruz 29er Tallboy Carbon

#44

Tenho uma Santacruz Blur LT, já tive uma Chameleon depois uma Blur LT 1ª geração e agora surgiu a oportunidade de testar a Tallboy durante as minhas férias!


O VPP:

Bom muito já se tem falado sobre este e outros sistemas, mas vou fazer uma abordagem diferente.
Não me venham cá com tretas do Horst Link, Single Pivot, Faux Bar que não é mais que um Single Pivot modificado. Neste momento há 2 super sistemas, VPP e DW link. Já se questionaram porque David Turner (Turner Bikes) , Jeff Steber (Intense), Cris Cocalis (Ex Titus agora Pivot Cycles) que sempre usaram Horst Link, licenciada à Specialized, e sempre muito famosos com as suas criações, mudaram para o VPP ou DW.
E entre estes dois sistemas a diferença é muito pouca, depende do quadro, da geometria e do tipo de utilização que o fabricante quer dar ao quadro.


O quadro:

Antes demais um aparte: A Santacruz não foca na utilização do carbono a tentativa de fazer um quadro super leve, mas sim mais leve que o alumínio mas ao mesmo tempo mais resistente que o alumínio e tirar partido das características do carbono!

A Tallboy é um quadro de carbono super resistente, e de uma beleza ... para roda 29".
Ao contrário da Blur XC e LT este carbono é baço e que o torna ainda mais cativante. Os tubos são grossos mais ao tipo da Blur LT de carbono e não como a Blur Xc onde predominam os tubo finos, à primeira vista o que mais se torna relevante é o tubo de direcção cónico, um monstro, que no alumínio não faz muita diferença, mas no carbono torna o tubo de direcção mais rígido, dando a possibilidade ao fabricante de o tubo ser mais pequeno do que num normal de 1/8”.
Podem verificar pormenores como os cable stop que são em carbono construídos no próprio quadro, nada como na Ibis, Trek, .... onde são peças aparafusadas ao quadro e que por vezes acontecem desastres.
Para se poder colocar a roda traseira na posição correcta, o tubo do selim foi curvado para esta se poder encaixar, e atenção apesar de ter 100mm de curso como na Blur XC o quadro em nada é parecido.
E apesar de ser um céptico em relação ao carbono ... e de já ter visto e testado Ibis e outras marcas ... Santacruz é Santacruz e a minha próxima montaria, já não duvido, será uma Santacruz de carbono!!

Posso afirmar que as rodas 29" estão um pouco a ser mal vistas aqui pela Europa, apenas como "é para eles venderem mais", mas não é.
É diferente, e posso afirmar que tenho lido bastante sobre 26" x 29" e há muitos construtores que ainda não deram com a formula certa. A Santacruz consegui logo à primeira, pois quem experimenta esta Tallboy diz logo "nem parece uma roda 29"".



* a imagem não corresponde ao quadro em questão

A montagem:

Quadro: Santacruz Tallboy carbono tamanho L com Fox RP23
Suspenção: Fox F29 120mm Tapperhead QR15
Rodas: Mavic Crossmax 29
Pneus: Maxxis Crossmark 2.1 (atrás) Maxxis Ignitor 2.1 (frente)
Transmissão: Shimano XT
Caixa de direcção: Cane Creek XIX Tapperhead
Avanço: Easton EA 70 de 90mm
Guiador: Easton Monkey Lite 685mm low rize carbono
Espigão de selim: Thomson
Selim: WTB Vigo

Em relação à montagem, nota-se que foi feita por quem percebe de BTT.
Gostei bastante da Fox 29 de 120mm na frente, embora não tenho o trabalhar fenomenal da Fox Van que tenho na Blur LT. Detestei os travões Avid Elixir, mesmo muito maus mas estou habituado aos meus Formula R1, penso que necessitavam de ser purgados, infelizmente não tinha por aqui o meu kit para o fazer, mas aconselhava uns Formula The One. Já não usava transmissão 100% Shimano à uns anos (uso na Blur LT uma mistura de Sram X0 e Shimano XTR) mas estou impressionado, este conjunto XT é muito bom. As Mavic Crossmax bom ... são Crossmax ... e os pneus atrás Maxxis Crossmax 2.1 muito bons em seco, na lama não testei, na frente Maxxis Ignitor, fracos, muito fracos ... aqui mudava para uns Ardent ... talvez 2.4.


A trepar montes:

Bom aqui fiz uma volta pela Serra da Nora (Ponte de Lima) e notei a falta da avozinha, apesar de a ter, devido à diferença entre as rodas a avozinha não é a mesma. E que falta me fez, penso que uma cassete de 10 velocidades mas com uma cremalheira de 22-32-44 ficasse bem melhor, embora se fale que no novo conjunto de 10 velocidades da Shimano não se poderá colocar um prato 22 sem alguns problemas.
Apesar de ter notado a falta da avozinha nas pernas, a 29” passa mais facilmente pedras e regos, onde por vezes a 26” empanca. E os trilhos tinham muita, mesmo muita pedra, tudo muito seco devidos aos incêndios que tem assolado o norte do pais, pois em em rampas bastantes inclinada mas sem pedras ou raízes, onde ia na ideia de já ir preparado para tirar o pé, surpreendeu-me, trepou tudinho sem dificuldade.
Nas curvas bem apertadas a subir e claro com a pedra sempre a dificultar não senti dificuldades na direcção.


A descer:

Nos trilhos mais técnicos nota-se a diferença entre o eixo da roda ao solo ser maior que na 26” dando uma sensação estranha principalmente ao curvar, mas claro requer hábito e um bom pneu à frente. Nota-se também que a roda adere mais, resvala menos nas pedras e raízes, e naquelas descidas curtas e bem inclinadas dá mais segurança que a 26” mesmo sem ter na Tallboy o Joplin que tenho na BLT, não havendo tanto a sensação Over The Bar.
Nas descidas não pude abusar muito pois num dia o pneu da frente esvaziou subitamente mas não tinha câmara de ar (acho que o César da Penalonga queria que eu a testasse nas quedas). Depois de colocar uma câmara 29”, aqui agradecimentos ao Rui da ProCycle em Braga que é revendedor Santacruz e Niner, claro que tinha câmaras à medida. Na Serra da Nora numa descida não muito inclinada mas rápida e com pedra, de novo a câmara da roda da frente vazou rapidamente após um snake bite e fui ao xão, e não era nada fofo, resultado joelhos todos fo#”$, perdi a confiança, os travões não ajudavam nada, para além do pneu Ignitor não ser um bom pneu para a dianteira (pudera tou habituado ao High Roller 2.35 na BLT) acho que ficaria bem com um Maxxis Ardent 2.4.


A pedalar:

Li muitos comentários sobre as 29”: é mais lenta, demora mais a desenvolver a velocidade, nos trilhos estreitos é difícil de manobrar ... mas com a Santacruz não tenho notado nada disso, pedala muito bem e rápida a desenvolver.
E agora posso afirmar, a malta que anda em maratonas experimentem ... a grande diferença que noto é que ao rolar não cansa tanto, consegue-se manter a mesma velocidade com menor esforço do que com uma 26”.

Na revista Alemã Bike onde testaram algumas marcas de modelos iguais mas de roda diferente, dou o exemplo de uma bicicleta muito vendida no nosso país, a Specialized Epic onde a de roda 26” fez um tempo de 11,42 com um dispêndio de energia de 261 Watt e a equivalente 29” fez 11,27 com 255 Watt de energia.



















O que não gostei ...

Bom é um quadro de cross country, logo tem a pedaleira um pouco baixa e por onde pedalo preciso sempre de mais espaço pois gosto de trilhos técnicos, singles com pedras e pedalo muitas vezes por locais pouco amistosos para as pedaleiras.
Os 100mm de curso são progressivos, mas claro é um quadro de Cross! e também estou habituado ao Fox RP23 da minha BLT, que apesar de ser mesma marca e modelo é diferente, tem um canister maior que o torna mais linear para além do rebound e da compressão de fábrica serem diferentes.
Os travões Avid Elixir tem um tacto que não gostei muito e o traseiro está a travar muito mal, mas aqui talvez com uma revisão se tornem melhores.
O pneu Maxxis Ignitor da frente não dá confiança a curvar nem tem a aderência necessária.
Na roda da frente notei uma ligeira flexibilidade, apesar de ter um eixo de 15mm. Fala-se de uns cubos Chub http://bythehive.com/collection/chub-hubs/thru-axle/ , em que os raios são menores devido às falanges do cubo serem de maiores dimensões e em carbono que nos cubos tradicionais, que dizem trazer uma rigidez extra e necessária às rodas de maior diâmetro, alguns montam com aros Edge (para quem pode, pois só o aro custa cerca de US$ 700.

Será que irá prevalecer sobre as 26” ... não sei, apesar de haver cada vez mais em mais marcas, mais modelos, mais acessórios. E pode-se constatar que no Eurobike 2010 havia mais produtos dedicados às 29” mas só o tempo o dirá. A meu ver existem algumas lacunas a serem exploradas, como uma transmissão pura para rodas 29” e as rodas. Não apenas na mudança no aro como tem acontecido mas também um repensar do cubo, raios.

É um quadro muito brincalhão, nada parecido com a Blur Xc mas também não tem a capacidade de absorção da Blur LT, uma mistura das duas. Pedala que é uma maravilha, para quem pense ... “29” xiii isso é enorme, assustador” ... experimentem ... a Tallboy! Se fazem maratonas ou travessias ... experimentem a Tallboy!!

Algo ficou no meu pensamento ... a beleza do quadro!!! E já ando a juntar uns tostões para uma Tallboy ...

Aqui fica um vídeo dos testes

[video=vimeo;14732217]http://vimeo.com/14732217[/video]​





Gostava de agradecer ao César da Pernalonga importador da Santacruz para Portugal.
 
Last edited:
#47
Diz ao moço para trocar o Ignitor pelo Ardent 2.25 na frente, é melhor! Eu apanhei um susto com o Ignitor, a curvar é um P E R I G O!

Nem quero olhar mais, é só para me fazerem inveja!!

Eu testei-a, não essa, nas quedas e digo é consistente o carbono, mas este ainda foi mais radical que eu ....

[video=youtube;zhw3PgtYY6I]http://www.youtube.com/watch?v=zhw3PgtYY6I[/video]
 
#48
Obrigado pela dica
ainda para mais estou meio desconfiado que a ideia do tubless não foi lá grande coisa
nas no monte, devagar, a leitura do terreno é fantástica
boas voltas que eu vou gozar a minha tallboy
 
#49
Tubeless??? O pneu não é UST não foste na ideia de montar isso UST pois não? É que eu testei-a assim sem camara apenas com liquido e foi ao chão!!

Para o meteres tubeless a melhor maneira é comprares o kit NoTubes.
 
#50
francamente não sei, eu dei a ideia e a Procycle diz que dava e montou com a tal da fita e pipos próprios
estou preocupado pois já ouvi falar de furos que a roda sai e um gajo dá um tralho valente
eu só espero que ao montar tenham tido a responsabilidade do o montar correctamente e com segurança !!
um gajo quando não sabe é lixado
mais uma vez obrigado
 
#51
Essas Rodas, só precisam da fita (tipo fita cola e valvula UST) para ficarem tubless.
Tive umas iguais (roda 26) e sempre usei pneus não UST convertidos, nunca tive problemas.
Não te preocupes que é seguro, mas se tens duvidas, vais ao site da NoTubes e tens lá todas as explicações.
 
#52
Essas Rodas, só precisam da fita (tipo fita cola e valvula UST) para ficarem tubless.
Foi assim que fiquei eu no meio do monte em Ponte de Lima!! É que se a levas para trilhos mais técnicos podes ficar mal tratado e o Ignitor tem uma parede muito fina que na 29" nota-se a deformar nas curvas. O tombo da Tallboy é maior que nas 26" ... eu sei, eu malhei com ela.



Não te fies nisso, esse sistema não é nada fiável. Ou pneus UST, que para 29 ainda não há, vai haver da Maxxis e da Schwalbe Tubeless Ready ou então No Tubes.
 
#54
Eh lá! Ó Surfas não metas medo ao Eduardo...
Isso está bem montado! E com segurança! Nós não brincamos em serviço! :)

Eduardo pode andar à vontade com isso assim que não vai ter problemas!

Se isso furar (tanto fura um convertido como um ust nativo!!! é preciso ter isso em atenção! E fura ainda mais rápido com uma camara de ar!) é só retirar a válvula UST e meter uma camara! Simples!

Eduardo estamos ao dispor para qualquer dúvida!
Rui - ProCycle

ps: a nossa Niner rola assim há muito tempo.
 
#55
Rui
a questão não é se fura ou não ! a questão é como fura e em que condições
durante a última semana ouvi opiniões ( mais de 3 ) e até me descreveram um furo com consequente saida do pneus do aro e.....tralho violento.
segundo as opiniões, porquê ? porque é uma adaptação !
como se comportarão os rodas notubes com os pneus da maxxis num furo forte a descer rápido ?
a Niner já furou ? como se comportou o conjunto ?
 
#56
resumo das minhas inseguranças !!
mais 36 km com 950 m de acumulado em monte cheio de pedras e ramos (semana passada foram 32km com 700m )
estou em querer que estou perante uma melhores bicicletas de BTT do mundo, é suberba
até confere caracteristicas ao ciclista incriveis, eu nunca imaginei, com a minha antiga tinha andado com ela às costas
quanto aos pneus, nada a dizer, perfeito
montagem procycle - excelente
fica a dúvida se furar o que aconteçe ao pneu ?
eventualmente esta Tallboy é......................a jinga perfeita.
 
#57
Pelo que percebi a montagem estava feita sem nada, apenas o aro, o pipo e a Magic Seal ou outro liquido qualquer. O problema NÃO é furar, eu explico:

E não é meter medo, foi a experiência que me ensinou e o tralho que mandei, uma delas com consequências dolorosas!!!
Os pneus "normais" tem uma camada fina lateral, não tem suporte suficiente para ser suficientemente estável como os pneus tubeless. Quais as consequências, em zonas técnica a possibilidade de o pneu sair da jante é muita. Que foi o que me aconteceu. claro muitas vezes pode não haver problemas.

Agora quanto à qualidade Pro Cycle, ou mesmo Pernalonga .... digo, tomara em Lisboa haver lojas com tamanha qualidade e simpatia!!
 
Last edited:
#59
Agora quanto à qualidade Pro Cycle, ou mesmo Pernalonga .... digo, tomara em Lisboa haver lojas com tamanha qualidade e simpatia!!
Bem das outras não posso nem devo falar, mas desde há +-13 anos ainda não consegui trocar o César. Um verdadeiro "Case-study" das bikeshops. LOL.

Quando passarem em Aveiro vale bem a visita!