Rescaldo SRP160 - 4ª Ultramaratona BTT - 9 Abril 2011

#61
o Vencedor do SRP 160 foi o EX-corredor profisional do Boavista!?!?!?
Cada vez se confirma que o panorama das mafratonas em Portugal é o paraiso dos federados suspensos, senão vejamos como é possivel tanta participação e algumas "coroladas" com exelentes classificações dos inumeros casos desses.
Não se entende muito bem o que a faderação faz, na estrada é rigorosa mas no Btt deixa tudo praticamente em anarquia.

Ficam as mera palavras para quem quiser dar a sua real importância.

Viva o desporto limpo.
 
#62
O SRP160 é uma prova de caracter amador, logo cada um é livre de participar. Esse senhor caso esteja mesmo suspenso que eu não sei não se poderá federar em nenhuma das vertentes do ciclismo, incluindo BTT.

Abraço
 
#63
Quando cheguei à meta às 19h21min tive a sensação de ter ganho a minha medalha olímpica.
Ainda há 3 semanas estava inscrito no SRP80 e só pensava ir ao SRP160 em 2012, mas a 20 de março, um passeio de BTT com 147km fez-me acreditar que com treino e "cabecinha" a "coisa" era possível. Alterei a inscrição para os 160 e já está, objetivo alcançado (menos de 12h), sem sofrimento, só tive, naturalmente, desgaste físico.

Ponto muito positivo para a utilização gratuita até às 23h de sábado do parque de campismo municipal para os participantes no evento.

Achei os abastecimentos pobres, ou então tenho de ser mais rápido (ou não!) pois se também paguei os 39€ também quero as tais barras e os líquidos isotónicos e/ou energéticos das marcas XPTO que apoiam o evento. Nalguns até já escasseavam as milagrosas bananas.
Levei o Camelbak, mas não o atulhei de comida porque contava com algo mais nas ZA´s.




Para os que passaram nas Minas de São Domingos no SRP160 ficam aqui umas imagens familiares:

Blasted Mechanism - "Battle of Tribes"
[video=youtube;x5ranQfCxzg]http://www.youtube.com/watch?v=x5ranQfCxzg[/video]

Klepht - "Idade da Estupidez"
[video=youtube;jfSfqvC-ing]http://www.youtube.com/watch?v=jfSfqvC-ing[/video]
 
Last edited:
#64
Olá amigos!

"Até ao lavar dos cestos, é vindima", 4 dias após o evento, e o trabalho continua, agora numa fase de descompressão e avaliação.

Mais uma edição do SRP160! Finalmente ao quarto ano de existência tivemos condições meteorológicas favoráveis à prova, sem chuva, sem terreno pesado, com uma manhã fresca, que descobriu para um dia de sol quente q.b.

Foram cerca de 500 participantes, dos quais 80% participaram nos 160 (e cinco) Km.
Os restantes 20% aventuraram-se para o SRP80, tendo na sua maioria ficado com o apetite aberto para os 160 no próximo ano.

Não há muito a dizer da nossa parte, a nossa opinião vai de encontro à dos que marcaram presença e reconhecemos que efectivamente o aspecto menos positivo foi o controlo zero, aproveitando as palavras já escritas: Foi zero.

Será seguramente um aspecto que será corrigido quer numa próxima edição quer noutros eventos por nós organizados.

Como sempre, acreditamos que a critica construtiva representa um forte contributo para a melhoria do evento, porém existem aqui algumas intervenções que em nada abonam nesse sentido. Por vezes parece mesmo que a inscrição foi paga só para poder dizer mal, felizmente sabemos ser críticos com o nosso trabalho e filtrar os comentários que são feitos.

Há quem continue a vir a Serpa com as expectativas erradas, focado no que é acessório, esquecendo o que é essencial. Não é pelos brindes, pelos alimentos nas zonas de assistência, pelo almoço, ou os duches... é pelo pedalar!

Para nós o essencial é que desfrutem de umas boas horas em cima no selim, que superem os vossos limites e sintam aquela satisfação que quem cruza a meta conhece.
Esta é a filosofia que marca a nossa organização, gostamos de pedalar, e de proporcionar bons momentos em cima da bicicleta.

O resto são os "males necessários" que o mercado estabelece.

Sobre os garrafões de 5L e garrafas de 1,5L, é filosofia nossa e enquanto houverem garrafões de 5L e garrfas de 1,5L não disponibilizaremos garrafas pequenas. Dispensamos rastos de lixo de garrafas pequenas. Só não "perde" tempo a abastecer quem não parar, é uma medida que não beneficia nem prejudica ninguém.

Relativamente à critica acerca das bebidas isotónicas temos que reconhecer a falha.
Tínhamos previsto disponbilizar a bebida em 4 ZA's, a uma média de 25cl por participante, tínhamos calculado 100L por ZA. Quando na sexta-feira recebemos um quinto da quantidade que tínhamos previsto percebemos de imediato o quão insuficiente iria ser, ainda assim tentámos "dividir o mal pelas aldeias", claro que não há milagres, e a bebida isotónica chegou a uma minoria (provavelmente 1/5 dos participantes).

Sobre os alimentos dos abastecimentos, optamos pelos bolos pelas características que têm e o que oferecem em termos de açúcares. Mesmo alternando o tipo de bolos de umas ZA para as outras, é impossível chegar ao fim da prova sem estar enjoado dos mesmos, mas isso deve-se já foi dito à extensão da prova que é o dobro de uma "normal".
Ainda não foi este ano que conseguimos arranjar uma solução para proporcionar algo diferente dos bolos, muitas das opções são de imediato eliminadas devido às quantidades. Todavia estamos conscientes disso e tentaremos novamente na próxima edição.

Existirá muito mais para dizer, mas o tempo urge, o SRP160 2011 ainda não acabou para nós e a 2ª prova da Ultra Series 2011, eoX240, é já daqui a 2 meses!

Não percam a pedalada!

Até 18 de Junho, em mais um desafio feito do "essencial" 8)
 
#65
Cada vez se confirma que o panorama das mafratonas em Portugal é o paraiso dos federados suspensos, senão vejamos como é possivel tanta participação e algumas "coroladas" com exelentes classificações dos inumeros casos desses.
Não se entende muito bem o que a faderação faz, na estrada é rigorosa mas no Btt deixa tudo praticamente em anarquia.

Ficam as mera palavras para quem quiser dar a sua real importância.

Viva o desporto limpo.
Amigo Carlos Araújo,Não conheço o atleta de que falas, penso que é um ser humano que deve ter errado (ou alguém o fez errar), para o caso pouco me interessa.
Tem o direito a redimir-se, a treinar, a viver de cabeça erguida, etc. etc. Pelo menos tem o direito a não ser perseguido no seu dia a dia. Lamento que em vez de comentários ao evento se tragam para aqui questões que não têm a ver com ele.

Desculpa qualquer coisinha...

Boas pedaladas e desporto limpo na verdadeira acepção da palavra, em todos os seus aspectos...
 
#67
sim, neste momento a única questão que coloco à organização é mesmo essa: Processo de jerseys de finisher?
Quando e como estão a pensar tratar disso? Se passar muito tempo receio esquecer-me e só ver os tópicos sobre o assunto um dia depois de fecharem os pedidos de jerseys! :)
 
#68
Amigo Carlos Araújo,Não conheço o atleta de que falas, penso que é um ser humano que deve ter errado (ou alguém o fez errar), para o caso pouco me interessa.
Tem o direito a redimir-se, a treinar, a viver de cabeça erguida, etc. etc. Pelo menos tem o direito a não ser perseguido no seu dia a dia. Lamento que em vez de comentários ao evento se tragam para aqui questões que não têm a ver com ele.

Desculpa qualquer coisinha...
A mim não tens de pedir desculpas nenhumas, e aquela velha máxima... se não os vences junta-te a eles é de todo adequado a inumeras situações destas.
Seja, se alguns querem fechar os olhos a coisas importantes e minorar a realidade dos factos, outros nem por isso.
No entanto a mim não me diz respeito as vossa lutas , sou mero observador.
Em breve deduzo que o IDP ( instituto de desporto de Portugal )vai intervir sobre as Maratonas e depois não digam que estava á vista o resultado...
 
#69
Fiz os 160 pela primeira vez, adorei; pricipalmente a paisagem as flores os ribeiros, o cheiro perfumado da manhã, gostei de chegar ao fim cruzar a meta com a alma cheia de vida, gostei da simpatia nas assistências, não me faltou nada, parabéns á organização.

Cumprimentos a todos
 
#70
Olá malta, viva.
Km 143 – ZA 6 – KO técnico.

È verdade. Na sequência de uma queda brutal antes do trilho do Rio Guadiana, fiz o passeio sempre com dores no ombro direito, apesar do Ben-U-Ron que um elemento da organização me deu no posto de controlo nº1. Assim, chegado à zona de abastecimento 6 e com uma Toyota Hilux disponível e como destino Serpa, aproveitei a boleia porque as dores já eram muitas. Resultado, tenho uma pequena luxação no ombro. Analgésico e anti-inflamatório e muito voltaren gel ao deitar. Vá lá…consegui safar-me de andar com o braço ao peito. O inconveniente é que ainda não consigo dormir em condições.

De resto, um passeio espectacular, com paisagens fabulosas, cores maravilhosas e percurso bonito e muita malta bem disposta. Após a 4ª participação, continuo a gostar muito deste passeio, das vistas, dos cheiros, das subidas, das descidas, de atravessar as ribeiras e do pó e também das migas ao jantar.

Muito sinceramente e apesar de ter andado a maior parte do tempo nos últimos lugares, senti-me sempre muito bem, quer nos abastecimentos, quer nas marcações, quer na segurança, uma vez que os bombeiros da ambulância Mercedes, não me recordo de que associação eram (uma bombeira e um bombeiro), sempre perguntavam como estava, e iam “batendo” umas fotos. Devo ter sido gajo mais fotografado da parte deles. Tudo pessoal cinco estrelas. E isto, meus caros, não tem preço. Esta simpatia, amabilidade e disponibilidade de quem faz parte destas organizações, não se encontra facilmente.

A questão do controlo zero julgo que é mais prejudicial à organização do que a nós participantes. Afinal de contas, partimos a horas.

Rapidamente dar os parabéns ao “finishers”, apoiar os que não conseguiram terminar e que voltem a tentar para o ano, e um grande abraço ao Meia-Bola.

Por último, agradecer aos elementos da Trilhos Vivos por me terem proporcionado mais uma vez, um excelente dia de BTT e desejar-lhes as melhores felicidades para os eventos que organizarão ainda este ano. Em 2012 lá estarei. Até para o ano. Espero que tenham feito o contrato com o São Pedro por muitos anos.

Um forte abraço, António Rui Silva
 
Last edited:
#72
Olá amigo trilhos vivos

Desculpe Lá
" Há quem continue a vir a Serpa com as expectativas erradas, focado no que é acessório, esquecendo o que é essencial. Não é pelos brindes, pelos alimentos nas zonas de assistência, pelo almoço, ou os duches... é pelo pedalar!"

Então se o interesse é o pedalar e o vosso proporcionar o pedalar qual a razão dos 38 €, Custos com GNR 0 € não vi nenhum e em alguns locais faziam falta , bombeiros ao longo do percurso só os vi no inicio e poucos, pessoal da organização em cruzamentos que atravessavam estradas 0, só vi pessoal da organização nos locais de abastecimento, garrafões e garrafas de água ao sol a mato -a temperatura ajudou senão para o ano peçam o patrocinio à Lipton e bebemos um chá.


"Relativamente à critica acerca das bebidas isotónicas temos que reconhecer a falha.
Tínhamos previsto disponbilizar a bebida em 4 ZA's, a uma média de 25cl por participante, tínhamos calculado 100L por ZA. Quando na sexta-feira recebemos um quinto da quantidade que tínhamos previsto percebemos de imediato o quão insuficiente iria ser, ainda assim tentámos "dividir o mal pelas aldeias", claro que não há milagres, e a bebida isotónica chegou a uma minoria (provavelmente 1/5 dos participantes)."

Reconhecer a falha - então se os senhores já sabiam que não iam chegar, fossem comprar ou avisavam no briefing que é para isso que ele serve e o pessoal prevenia-se. Numa prova de 160 km com um desgaste físico enorme!!!

Por último e que me deixou preplexo foi ter visto um elemento da organização a encher os bidões onde preparavam a bebida que era dada nas maquinetas da tenda da Gold Nutrition, com a mangueira que fornecia água à máquina de lavar as bicicletas. Com um hipermercado em frente amigo é esse o respeito que têm por aqueles que fazem 165 km e contribuiram com 20 000 € e que no fundo só deviam ter ido pedalar.

Sou da opinião que toda a organização tem que ganhar e deve ganhar dinheiro, mas também tem que justificar o que cobra. E muito sinceramente aqui não se justifica este preço.

Marcar uma prova destas tem menos custos e tempo do que qualquer prova que se faz no norte. Em termos de GNR, Polícia qualquer uma tem custos de 1500 €, fora a pessoal da organização espalhados por cruzamentos. Já fiz provas com 800 participantes por 7 € com direito a meias, nos abastecimentos as bebidas estavam em baldes enormes cheios de gelo, com direito a barras e tudo mais. Por 15 € e 20 € a darem jerseys e almoço.


Só escrevi isto pela frase infeliz que o senhores tiveram. Uma coisa é errar e corrigir, outra coisa é errar e passar a culpa para as expectativas de cada um.


" Há quem continue a vir a Serpa com as expectativas erradas, focado no que é acessório, esquecendo o que é essencial. Não é pelos brindes, pelos alimentos nas zonas de assistência, pelo almoço, ou os duches... é pelo pedalar!"
 
#73
Olá Palanca,


Só agora soube que tiveste esse infortúnio....as melhoras amigo!! Realmente apenas uma queda impede-te de seres o habitual finisher...


Grande abraço.

Rui Gonçalves
 
#75
antes de mais tenho de concordar com o Bikestone. Este ano elegemos como desafio ir a Serpa. Faço parte daquele "Comboio amarelo" composto por 7 elementos de amarelo Ecobike, que voaram pelo alentejo. mto já foi dito sobre os abastecimentos, que para mim foram das coisas mais fracas k vi até hoje neste tipo de provas. Apenas dou sugestºao, para o ano façam esta prova em autonomia total, marcação gps, sem abastecimentos, conforme este ano fiz algumas. Não queremos marcações, nem bolos, nem bolos e mais bolos nos abastecimentos, nem barras, nem gel, nem nada, apenas vamos a Serpa curtir a cidade e tudo que a envolve e fazer o trilho de 160 km. Esqueci uma coisa, vocês n vão poder cobrar os 39 Euros inscrição....da minha parte de 1 a 10 levais 5....