Recuperação de uma fratura no planalto tibial

svitj

New Member
#1
Faz hoje um mês que fraturei o planalto da tíbia numa brincadeira dentro de 4 linhas com uma bola e duas balizas.

O gesso será retirado no dia 2, seguindo-se um conjunto de sessões ainda não determinado de fisioterapia, para recuperar a mobilidade e massa muscular.

Fiquei surpreendido, quando numa das consultas o médico me diz que bicicleta é das melhores coisas que posso fazer, imediatamente a seguir à natação e que infelizmente correr, muito provavelmente apenas dentro de um ano.

Surgiu a oportunidade perfeita (ou não) para tirar o pó da Rockrider 8.1 de 2011 que está encafuada na arrecadação, e começar aqui um diário de bordo da minha recuperação e evolução como BTTista amador, e quem sabe arranjar companhia para uns passeios levezinhos na região de Lisboa.

Quanto à RR 8.1, a última vez que a vi tinha uma fuga de óleo na manete de travão da roda traseira, que corroeu a tinta da própria manete, e manchas de ferrugem na suspensão. De resto estava tudo OK. Prevejo apenas uma limpeza a fundo, sangramento do travão traseiro e deve estar pronta a rolar

Quanto à perna, a perda de massa muscular é assustadora! Em apenas duas semanas, altura de mudança de gesso, a zona imediatamente acima do joelho já era praticamente só osso. Nem imagino como possa estar após tirar definitivamente o gesso... Estou mesmo a contar com a ajuda da bicicleta para recuperar a massa muscular o mais rapidamente possível, e espero que o vício do BTT regresse em força, tal como nos velhos tempos.

Abraço e até lá, pedalem por mim.
Só já faltam 10 dias.

40 dias depois posso finalmente deixar a perna apanhar ar! E meter-me dentro de água e debaixo de um chuveiro!

O tornozelo está preso... O gémeo está preso... Está tudo preso! Se tentar levantar a ponta dos dedos, o gémeo avisa logo que está ali e que está preguiçoso. Agora é fazer alongamentos só a levantar os dedos dos pés.

A perna consigo dobrá-la até fazer um ângulo de 90º, não mais que isso. Não dói, mas sinto que emperra em algum sítio, e não quero forçar até que um médico que diga que o possa fazer.

Pousar a perna no chão, pelo menos até segunda feira ainda não posso e não vou tentar até lá, mas já me avisaram que vou "sentir vidros" espetados por toda a perna, inclusivamente na planta do pé assim que o fizer.

Dores não tenho, absolutamente nenhumas, mas também se sinto alguma coisa a emperrar, paro logo o movimento da perna, portanto, ainda não experimentei levá-la até ao limite da dor. Isso, só vou experimentar na fisioterapia.

Quanto à massa muscular, não tinha propriamente as pernas magrinhas.... Mas para mim foi uma perda brutal. (Não sei se a imagem que coloquei abaixo funciona, mas fica aqui o link)

Fisioterapia

3 dias depois de retirar o gesso comecei com a fisioterapia. O joelho estava todo preso, dobrava exatamente 85º. Apoiar o pé no chão era impensável. Continuava a não conseguir calçar-me sozinho, e para vestir umas calças era uma aventura. Quando pousava o pé no chão era como se me estivessem a espetar agulhas desde a planta do pé até cá cima.

Mas as coisas com a fisioterapia foram melhorando. Evolui rapidamente nos exercícios, a perna já tem definição muscular e já não está flácida.

Em 7 sessões já consigo dobrar totalmente o joelho, já consigo andar em casa só com uma canadiana, e até mesmo andar um pouco sem canadianas.

Mas nem tudo corre bem. As dores na parte interior do joelho continuam cá em alguns exercícios, se passo mais tempo em pé a perna incha até mais não, e aquilo que tem dado mais chatices é o tornozelo... Devido à posição em que ficou com o gesso, a articulação está muito magoada.

Quanto à bicicleta, apenas voltas na estática simulando percursos de 2 ou 3 km.


76 Dias depois

É um suplício sem fim... Nunca mais acaba! Larguei uma canadiana há uma semana e meia, em casa já posso andar sem canadianas, mas as dores continuam cá. Continuo a coxear e a pôr o pé no chão de uma forma esquisita, o tornozelo continua mazelado e acabo por dar um jeito ao pé para não ter dores. O joelho dói atrás, e à frente do lado esquerdo e do lado direito...

Felizmente bicicleta estática posso fazer sem problemas, sem dores, sem qualquer tipo de condicionamento. Ganho muscular está também a ser feito a bom ritmo (+-4cm de diâmetro por semana), e são as únicas coisas boas.

É tudo lento, muito, muito lento.
 
Last edited:
#2
As rápidas melhoras!
Eu tive rotura de ligamentos e sei bem o que isso é, para a massa voltar não é fácil, mas com paciência e força de vontade ela volta!
boas pedaladas!
 

svitj

New Member
#3
Obrigado!

Sei que não vai ser fácil... Mas estou a contar recuperar em cerca de 3 meses, com dedicação a sério. O médico já me deu carta verde para abusar, desde que não sinta dor. :D
 
#4
Não comeces a pedalar a campeão!!!

Vai com calma, e o bixinho do BTT começa a aparecer...

Pedalar é bom na recuperação e não é perigoso porque não existe impacto..... ou seja, como o calo da fractura não está sujeito ao impacto do pé a bater no chão, torna-se seguro pedalar sem correr riscos de fracturar outravez no mesmo sítio....


Ainda vai haver algumas dores depois de tirar o gesso! é preciso é dar tempo ao tempo.
 

svitj

New Member
#5
40 dias depois posso finalmente deixar a perna apanhar ar! E meter-me dentro de água e debaixo de um chuveiro!

O tornozelo está preso... O gémeo está preso... Está tudo preso! Se tentar levantar a ponta dos dedos, o gémeo avisa logo que está ali e que está preguiçoso. Agora é fazer alongamentos só a levantar os dedos dos pés.

A perna consigo dobrá-la até fazer um ângulo de 90º, não mais que isso. Não dói, mas sinto que emperra em algum sítio, e não quero forçar até que um médico que diga que o possa fazer.

Pousar a perna no chão, pelo menos até segunda feira ainda não posso e não vou tentar até lá, mas já me avisaram que vou "sentir vidros" espetados por toda a perna, inclusivamente na planta do pé assim que o fizer.

Dores não tenho, absolutamente nenhumas, mas também se sinto alguma coisa a emperrar, paro logo o movimento da perna, portanto, ainda não experimentei levá-la até ao limite da dor. Isso, só vou experimentar na fisioterapia.

Quanto à massa muscular, não tinha propriamente as pernas magrinhas.... Mas para mim foi uma perda brutal. (Não sei se a imagem que coloquei abaixo funciona, mas fica aqui o link)

 

Nozes

Active Member
#6
Boa noite,

Ao ler este testemunho parece que me estou constantemente a ver ao espelho...até na foto.

Eu tive uma queda feia no passado dia 11 de Junho,que resultou também numa fractura do planalto tibial da perna direita.
Tive gesso durante 1 mês,e iniciei fisioterapia às 6 semanas.
Também tive uma enorme perda de massa muscular,embora as minhas pernas já sejam bastante magras. Tenho feito bicicleta estática (é uma seca do caraças) e felizmente não tenho inchaços ou dores de maior. Só ando sem canadianas em casa,penso que a partir da semana que vem começarei a usar só uma ou a andar sem nenhuma.
O que parece estar a ser mais difícil é a perna fazer a extensão total,pensei que seria a flexão a ser mais difícil,mas não.
Também já cheguei à conclusão que vai ser ainda um longo caminho para a recuperação total,mas já me dou por contente pelos pequenos progressos e pela ausência de dores.

Força aí,é preciso é ficar bom.