Queda violenta em treino solitário.

#1
"Você não tem direito a medalha, pois é 4º betetista a entrar esta tarde nas urgências deste hospital".
Foi com estas palavras, que um enfermeiro, bem disposto e com um excelente sentido de humor, se dirigiu a mim, quando dei entrada, no dia de ontem (sábado), no serviço de urgência dos HUC.

Felizmente tudo acabou bem e apenas fui suturado com 5 pontos no braço direito, para além de várias escoriações na perna e no ombro direito que, apesar do mau aspecto, continua intacto.

Após uma longa e dificil subida de 3 km ao "Roxo", pelo menos é assim que eu apelido aquela serra, seguiu-se a tão aguardada descida, precisamente pelo mesmo percurso.
Com apenas 1km de descida percorrido, numa zona íngreme e de mau piso (cascalho e empedrado), e apesar das maiores cautelas (não ultrapassei os 30 km hora), a roda da frente resvala e consequentemente sofro uma aparatosa queda.
De imediato, levanto-me e apercebo-me de um golpe profundo no braço direito, junto ao cotovelo e do consequente sangramento com alguma abundância.
Como conheço bem aquela zona, sabendo que estava sozinho e descurando outras possíveis feridas, uma vez que aquela era a única visível, montei novamente a bicicleta, encaixei os sapatos e fiz os restantes 2 km, com uma única preocupação: chegar à antiga Estrada da Beira, pois, mal atingisse a mesma, teria a povoação do Casal da Misarela a cerca de 1km e aí poderia ser socorrido.
Foi o que aconteceu.
Com o braço direito bastante mal tratado e com o sangue a empapar-me a luva da mão direita, paro junto à esplanada do "Café Sol do Mondego" e imediatamente sou ajudado por várias pessoas.
Lavo o braço com água fria, e num curto espaço de tempo, aparece um senhor com um estojo de primeiros-socorros que me limpa a ferida, desinfectando-a com Solução de Eosina.
Entretanto, alguém havia chamado uma ambulância do INEM.

Dentro da ambulância, fazem-me um novo curativo e, enquanto o mesmo é feito, sujeito-me a um valente raspanete por parte do enfermeiro que, apesar de TODA A RAZÃO ESTAR DO SEU LADO, abusou da rispidez para dizer-me que conhecia a descida em causa, e que a mesma jamais deveria ser feita de forma solitária, citando a titulo de exemplo, o caso de um primo que na Serra da Lousã teve uma acidente com uma moto 4 e apenas foi encontrado ao principio da noite.

No serviço de urgência, conheci um praticante de DH que havia sofrido uma queda na descida da Serra da Lousã, tendo deslocado o ombro esquerdo. Perguntei-lhe se estava inscrito no Fórum, tendo o mesmo respondido que não, mas sabendo da existência do mesmo.

Entretanto, já comprei um novo conta-quilómetros da SIGMA, pois o anterior ficou completamente destruído.
Felizmente foi o único estrago material, pois quanto ao resto parece estar tudo bem.
O capacete (santo capacete) ficou com uma pequena amolgadela na parte superior, mas continua perfeitamente utilizável.

Para terminar, quero agradecer de uma forma bastante comovida aos clientes do "Café Sol do Mondego", sito na povoação do Casal da Misarela, e em especial ao senhor que me fez o primeiro curativo, ao senhor que ligou de imediato ao INEM; à senhora que foi buscar uma cadeira e quase me obrigou a sentar, ficando sempre ao meu lado; ao gerente do Café, pela sua inexcedível amabilidade e pelo facto de ter guardado a minha bicicleta, dizendo-me que ficava em excelentes mãos; e finalmente, a um colega de trabalho, natural daquela zona, que, sabendo da minha residência em Coimbra, teve a gentileza de transportar-me a bicicleta para casa, isto depois de eu já ter saído do hospital.

O que se passou ontem à tarde comigo foi uma lição.

Jamais treinarei sozinho, pelo menos nos trilhos.

POR FAVOR, NUNCA TREINEM SÓZINHOS.

APRENDAM COM ESTE MEU ERRO.

Miguel Queirós Pinto
 
#2
Ainda bem que tudo acabou bem....treinar sózinho é realmente um risco (acho que já existe um tópico velhinho sobre isto).

Só não posso é concordar quando diz que o capacete com uma pequena amolgadela é perfeitamente utilizavel. Ao sofrer um choque a sua estrutura fica alterada e poderá torná-lo mais frágil, o que numa segunda queda (esperemos que não) o capacete não exerça a sua função de protecção nas devidas condições. Existem marcas que fazem bons descontos na aquisição de um novo capacete quando apresentamos os capacetes estragados.

Acho vale mais a pena gastar uns trocos e adquirir um novo do que arriscar-se a sofrer por usar algo que já não está nas devidas condições.
:wink:
 
#3
Desde que faço BTT que ando sozinho. Tem alguns riscos mas na vida tudo o tem. A única vez que estive envolvido num acidente com danos mais complicados, foi por nao estar sozinho. Fui empurrado e cai contra outro bttista que saiu maltratado. Mesmo andar em grupo tem os seus riscos. Tem é de ser minimizados. Mas mesmo assim o meu grande medo é quando ando sozinho ficar inconsciente num acidente.

Quem sai sozinho tem meia duzia de precauções extra a tomar. Por exemplo, nunca sair sem um kit de primeiros socorros. Mas isso já foi muito discutido noutro tópico.

Ainda bem que foi só um susto e estás bem :zezus:, mas ouve o que disse a djinha. Não voltes a usar esse capacete. Eles são desenhados para um choque só.
 
#4
Obrigado pelos vossos conselhos.
Hoje à tarde vou fazer a minha inscrição na Maratona do Mondego e vou aproveitar o facto de me deslocar à Decathlon para comprar um novo capacete.
Na próxima 2ª feira, espero recomeçar os treinos.

Boas pedaladas. :yeah:
 
#5
Eu também costumo andar sozinho, de vez em quando, e não vejo problema nisso.
Tem que se têr mais cuidado, é verdade, mas isso não é razão para deixar de o fazer.
Pensa no teu acidente e pensa se estivesses com um grupo grande... serias melhor socorrido ? (Se calhar ainda alguém te teria passado por cima)

É óbvio que num acidente em que há perda de sentidos, o andar sozinho poderá ser a diferença entre a vida e a morte (knock knock knock na madeira), mas daí têr mais cuidados.

Andem sempre com cuidado, sozinhos ou acompanhados.

Ah, é verdade, as melhoras...
 
#6
Ora pois é, eu normalmente até ando sozinho quando não consigo cravar ninguém para ir andar ou não encontro ninguém conhecido na rotunda dos "belos" em Palmela.

Quando vou sozinho faço quase sempre o mesmo caminho, simples e em que sei que vão passar outras pessoas.

Hoje, por acaso até encontrei um gajo conhecido ali nos belos e, ele e mais um gajo, estavam à espera de um grupo.
Quando chegaram os restantes fomos todos juntos ali pelos moinhos da serra do louro até ao cai de costas, seguimos pelo "sobe e desce".

Já ao final, quando se desce para a capela de alcoube e para a nacional o gajo que ia a minha frente começa a travar bastante, quase sem explicação e eu vou travando, só que como aquela estrada está com imensa gravilha o controlo da bike era muito dificil tento desviar-me dele mas acabo por bater no gajo a uns 50km/h. :shock: :exacto: :s

Dei um tralho que já não me lembro de ter dado um igual há muito tempo... :shock: :s

Fui a deslizar pela gravilha, levantei-me quando pude mas voltei-me a sentar porque estava tonto.

Estive ali um bocado, os gajos de volta de mim e os que iam a frente voltaram para trás para ver como estava.

Resumindo e concluindo fiquei com os calções rasgados, uma nádega toda assada e um ou outro arranhãozinho...

A parte da frente da bike deu uma volta completa e tirando uns arranhões nos cornos, o fio do sensor do contaquilometros ter-se cortado não parece ter males de maior... :s

Tenho que confirmar se o guiador não estará torto, fiquei com essa sensação mas tenho que ver melhor. O meu maior medo é a suspensão, tenho que a analisar a ver se ficou com algum empeno. A ponte que une as duas pernas parece estar algo danificada... :s
 
#7
Depois levantei-me e decidir vir directo para casa sozinho pelos barris e pelo caminho vi um gajo que estava dentro de uma ambulância :shock: que tinha caido da descida da portela (quando se vem do lado de palmela em vez de se subir a cai de costas, há 2 descidas, um singletrack e um estradão, é esse estradão).

Perguntei o que se tinha passado a uns colegas dele e disseram que tinham chamado a ambulância mais por prevenção porque ele dizia que estava a doer a coluna e tinha um golpe nas costas. :s

Desejei as melhoras ao gajo e segui caminho a casa todo arranhado, até chegar a casa e não me aconteceu mais nada de especial...

Resumindo e concluindo, quando vou andar sozinho, como vou com mais cuidado não tenho tido problemas e hoje que fui acompanhado, aconteceu-me isto... :s

Tenham muito cuidado e não facilitem mesmo que tenham companhia!!!!


PS: acabei (hoje às 22 e de carro) de ir buscar a pala do capacete que tinha caido e só dei por falta dela quase em casa e ainda lá estava no sitio em que caí... :mrgreen: :mrgreen:
 
#8
Caro Miguel,

Depois do interesse manifestado em fazeres o trajecto da Maratona do Mondego, confesso que foi com alguma surpresa que não te vi aparecer hoje por Taveiro.

Mal podia imaginar o motivo.

À boa maneira portuguesa, digo, do mal o menos já que podia ter tido consequências bem piores.

Boas melhoras para ti e volta logo às pedaladas!

Killas
 
#9
Sozinho ou acompanhado as quedas podem ter consequências graves, por isso todo o cuidado é pouco!! Devido à minha profissão sei isso muito bem (qualquer dia ainda apanho alguns de vocês no meu serviço :mrgreen:, espero que não! Ir acompalhado não faz uma queda ser menos grave, mas pode facilitar em muito o socorro. Quando ando sozinho pondero mais os riscos!!!
 
#10
Bons dias

Eu sou da opinião de que sempre que possível devem sair sempre no minimo duas pessoas, pois além de se fazerem companhia um ao outro, sempre que possa ocorrer uma infelicidade de uma queda, o companheiro poderá sempre auxiliar e pedir socorro se a pessoa ficar muito mal tratado.

Pois eu já tive experiência própria, sempre que fui andar sózinho foi de duas vezes que dei quedas, azar dos azres foi das vezes que me esqueci de levar o telemóvel. Felizmente em nenhuma das vezes fiquei mal e pode continuar a voltinha.

Isto de se correr riscos não é preciso ser a descer a alta velocidade, mas uma queda mal dada e ficar-se sem se poder mexer é o suficiente para não se poder pedir socorro.

Por isso sempre que possam juntem-se e andem acompanhados amigos.

Um abraço e boas pedaladas sem quedas.
 
#11
Eu tive uma queda em Março passado da qual resultou uma fractura do úmero esquerdo. Felizmente ia acompanhado pelo meu cunhado que me apoiou e chamou o INEM.
Eu tinha o telemóvel na mochila de hidratação mas sozinho era difícil tirá-la pois não conseguia movimentar o braço.

Já agora deixo aqui o meu agradecimento ao Jorge e à equipa do INEM que me socorreu.

Fica aqui uma foto do RX do meu úmero esquerdo:
http://photos1.blogger.com/blogger/5629/1834/1600/DSCN1646-1.jpg

Foram 6 meses de gesso e só em Dezembro é que a fractura solidificou completamente e agora estou a fazer fisioterapia por causa do tempo de imobilização.
 
#12
Olá, Miguel! Após a desagradável queda, se pretender acelerar a sua recuperação para a Maratona do Mondego ( o tempo escasseia), terei prazer em facultar-lhe o espaço de Spinning do meu ginásio. Assim poderá funcionar à noite! Claro que de forma grátis! Falta pouco tempo e todos os minutos são poucos! Boa recuperação!
A.Girão (tel. 938360205 ) ( Alfarelos)
 
#13
Caro amigo antes de mais os votos de uma rápida recuperação
Eu tal e qual como alguns membros deste forum também costumo dar umas voltas solitárias, isto também derivado a ter ido morar um pouco afastado do grupo com quem custumava andar, mas em todas as voltas solitárias que dou procuro sempre um percurso junto a locais movimentados por forma a evitar situações de maior risco. Mas continua a ser um risco e como tal decidi investir numas barras de transporte para a viatura de modo a poder levar o brinquedo e juntar-me ao pessoal.
Sempre é mais seguro e divertido

Melhoras e boas pedaladas
 
#14
Antes de mais uma rápida recuperação. Nessa mesma descida a coisa de 1 mês e meio, tive eu o mais grave acidente em BTT, que felizmente foi só luxação no ombro. Os trilhos de Vale de Canas e Roxo estão bons é para freeriders com armadura em titânio. Por isso faze-los sozinho é no mínimo irresponsável. Nesse mesmo sábado fui subir Vale de Canas para depois descer o trilho que vai do cimo do parque de estacionamento do miradouro até uma povoação que tem as ruas todas em "paralelos" e muito estreitinhas, e a maior parte do caminho foi bike no ombro para passar por cima dos eucaliptos cortados no meio do caminho, sem falar nas autenticas valas que os rodados das maquinas abriram, espero bem que depois da reflorestação arranjem tudo, para pelo menos ficar como estava.

Por isso quando estiveres para sair para esses sítios o melhor é convidar alguém.
 
#15
É evidente que o BTT é um desporto que envolve algum risco, pelo que não devemos ir para o campo sem companhia.
No entanto, às vezes, isso não é possível e temos mesmo que ir em solitário.

Levar o telemóvel é elementar, mas não chega ! Como foi referido num post acima, pode acontecer que demos uma queda e fiquemos numa situação em que não conseguimos aceder ao telemóvel....

O que é sempre aconselhável, quando vamos fazer BTT sem companhia, é AVISAR ANTECIPADAMENTE ALGUÉM DA HORA DE REGRESSO PREVISTA E DO PERCURSO QUE VAMOS FAZER.

Um abraço e boa recuperação!
 

Mox

Active Member
#16
boas .. rapidas melhoras .
Eu infelizmente tambem ando aqui quase sempre sozinho por obidos , nem sempre um colega meu pode ir , e nunca cai porque tenho medo de arriscar ainda nas descidas , pois ainda n conheço bem esta bike nova que tenho .
Espero que fiques bom depressa e que corra tudo bem .
por acaso toda a gente me avisa .. vai com mais pessoal , não vas sozinho etc etc etc .


um abraço
 
#17
A minha historia ja é conhecida por muitos nem vale apena avançar muito.. de momento atravesso um dilema.. praticamente prometi a mim mesmo não voltar a andar sozinho.. mas o facto é que eu tenho as manhas tds livres e como tal pra mim ed 2f a domingo e fim de semana e como tal e dia de andar de bike.. e nem sempre arranjo malta.. ate agora tenho me controlado para não pedalar fora do penico mas por vezes é complicado.. :mrgreen:

do que vos posso dizer é que é grave/complicado já ter uma acidente de btt, pior ainda é não ter la ninguem que possa ajudar nos momentos dificeis, no meu caso tive a sorte de ficar consciente e não ter partido nada sem ser os dentes.. mas podia ser muito pior e agora penso e precebo que pralem do azar do guaidor partir tive a sorte de não ter partido o pescoço ou até mesmo pior, aproveito para lembrar que cai de cara ao chao a 59.8km (marcava o conta km) tive a "sorte" de ainda me encontrar na descida e como tal o piso era com inclinaçao e de gravilha.. na altura depois de me aprecer de imediato do meu estado.. entrei em panico.. consegui ter a calma e o descernimento para agir a pedir ajuda com alguma calma.. (primeiro foi do tipo.. AJUDEMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM!" mas sem resposta consegui falar com a minha tia que ligou para um amigo para eu explicar onde tava e peguei nas tralhas e andei ate perto de uma casa onde encontrei dois bttistas.. foi doloroso..
ja agora li alguns post.. "levei 5 pontos.." infelizmente estou a frente no rankie.. na parte esteiror da casa levei cerca de 60 pontos devido a plastica.. por dentro foi as gengivas cozidas dum lado ao outro..
hoje com a recuperaçao a vista.. levo isto um pouco na brincadeira.. mas acreditem que foi muito doloroso..!
As melhoras para o pessoal que ja teve melhor de saude..



Cumps.

Bruno Atalaia
 
#18
PFGP,

Esse percurso de que falaste e essa aventura de andar de bike às costas na descida de Vale de Canas, já me aconteceu a mim também e a dois amigos, logo a seguir aquele período de tempo em que choveu imenso. Ou seja, para além de andarmos como sabes a saltar de eucapipto em encalipto, quando não estavamos em cima deles estavamos de pés enterrados na lama.

É uma pena ... porque aquela descida era lindissima e a parte final dentro da povoação é espectacular.

Depois, a travessia naquela ponte de madeira para a praia fluvial, completava um percurso bem engraçado.

Esperemos que tirem os troncos quanto antes e deixem a descida limpa.

Cumprimentos BBTistas

Killas
 
#19
Miguel,

Também eu já tive essa infeliz experiência!! E ainda sem 100 km na bik!! Inexperiência e facilitismo levaram-me a um planar frontar, com mortal enrolado a descair para a direita :mrgreen: (agora brinco, mas na altura...)!! Conclusão, um ombro deslocado, e só com resolução na mesa de operações com 15 belos pontos a enfeitar e quase dois meses parado... Andava sozinho e estava a 100 mts de chegar ao alcatrão para ir de regresso a casa!!! Sózinho nunca mais!!! Só se for para rolar por estrada mas acho que tenho mais medo dos carros....e de alguns irresponsáveis!!!
Bem, mas o que interessa é que não foi nada de maior!!
Um conselho, anda sempre com uma ou duas ligaduras e um frasco pequeno de água oxigenada!! Podes desinfetar, ligar, e estancar o sangue!!

:arrow:Of-topic
Realmente existem muitos madeireiros sem a minima noção de limpeza...Este fim de semana, em 35 km, pelo menos duas vezes tive de desmontar para saltar a "lenha", fora outras de passagem aventureira!!! Para o nosso Raid vamos andar um dia nos trilhos a fazer limpeza!!!

Miguel, as melhoras e até dia 28 em Coimbra!!

António Silva
www.angarnabtt.no.sapo.pt
 
#20
"... Os trilhos de Vale de Canas e Roxo estão bons é para freeriders com armadura em titânio...".

Já fiz bastantes vezes a subida e correspondente descida do "Roxo".
Dando a mão à palmatória, reconheço que é no mínimo irresponsável efectuar a descida dessa serra sozinho, principalmente nesta altura, em que os trilhos estão bastante degradados devido às fortes chuvadas de Outubro e Novembro.

Aproveito para agradecer os incentivos, os conselhos, os votos de melhoras e a disponibilização de instalações por parte de membros deste fórum, que, apesar de não os conhecer pessoalmente, considero amigos.

Ontem (segunda feira) à noite, vesti novamente o equipamento, coloquei luzes intermitentes na bicicleta e fiz-me à estrada, tendo percorrido 62 km sobre o asfalto da estrada que liga Coimbra à Figueira (a mesma onde, no dia 23 de Maio de 2005, fui embatido por uma carrinha, tendo fracturado a clavícula esquerda).
Quando terminei estava feliz.

Isto das bicicletas é um vício e quem gosta não desiste.

NB – Quero enviar uma palavra de especial apreço ao senhor António Girão, que, muito gentilmente, colocou á minha disposição as instalações do seu ginásio.

No dia 28 de Janeiro, na Maratona do Mondego, irei certamente conhecer pessoalmente alguns destes amigos.

Até lá, boas pedaladas.