Quadro fs com forqueta rigida, wtf??

#21
Tirem as vossas conclusões
Ui... onde já vão as minhas conclusões... mas até posso precisar: 1994, o último ano em que fiz uma prova de XCO com uma forqueta. Depois, desde comecei a sentir mais tracção, mais confiança, mais segurança e acima de tudo, muito mais conforto com suspensões, nunca mais as deixei...

Cumprimentos

Hugo Carvalho
 
#22
Comprei á pouco mais de uns meses uma suspensão rigida uma NUKE PROOF. Fiz alguns passeios com ela e duas maratonas.
Em trilhos rolantes faz-se bem nos trilhos mais técnicos e com muitas descidas não é bem assim....
Com a rigida tem que se escolher bem onde se passa com a roda da frente pois cada pequena imperfeição do trilho passa para os braços e ombros.
Em distancias mais longas eu ressenti-me bastante devido a não ter uma suspensão na frente.
Troquei a rigida por uma REBA SL pois após uma maratona mais durinha tive vontade de largar a bike no meio do monte tal o desconforto nos braços ombros e costas... Se não tens muito "tempo" compra uma suspensão. Se tiveres "tempo" experimenta uma rigida para veres a diferença e vais ver que aprecias muito mais uma suspensão depois.

Conclusão depende da forma como rolas e os trilhos que fazes. A experiência foi boa e ainda tenho a rigida para quando me der na "gana".

Abraço
 

Nozes

Active Member
#23
Vocês malta matam-me de tanto rir!
Aparece um tontinho qualquer com uma bike a imitar as BMX Fundador dos anos 80,com forqueta à frente e amortecedor (mola no caso da BMX) atrás,e de repente aparecem aqui uns iluminados :)confused: ) a validar o uso de forquetas por todas as razões e mais alguma!
Mais controlo?Melhores a curvar?Em trilhos técnicos?A velocidade a descer é a mesma?
:rotfl:
Coitado de mim,que tenho andado enganado todos estes anos...a última vez que usei uma forqueta rígida foi numa prova de xc no estádio do Jamor em 1998,porque aí o piso era super liso e as subidas brutalmente inclinadas,precisava da frente mais baixa e menos peso.

Se os trilhos por onde andam são alcatroados (e eu estou desconfiado que sim!),é sem dúvida uma boa opção,a forqueta.
Para btt a sério,nada ganha ao controlo,conforto e eficiência de uma suspensão.
 
#24
Não me admira que haja defensores das forquetas rígidas. O tipo de piso e estrutura dos trilhos das pseudo-maratonas e passeios do garrafão (sim, porque um passeio só é passeio se houver muita comida e for bem regado) são 99,9% estradões largos sem muita inclinação.

E que raio de argumentos são esses de que há mais tracção com uma forqueta rigida do que com uma suspensão? Mais controlo a descer? Conforto? Que erva andam vocês a fumar? De certeza que os vossos carros no lugar dos amortecedores têm barras de ferro para que nas curvas adira melhor e tenha mais tracção.

Quem tem dois dedos de testa já deu e justificou, e bem, o porquê do abandono das forquetas rigidas no btt. Agora se há puristas? Claro que há, mas devem sofrer na pele só para serem diferentes, embora muitos não o admitam.

Só para terminar. Descer em trilhos sinuosos (diferente de muito inclinados) sem amortecimento na frente provoca uma trepidação tal que afecta a visão. Então quem diz que desce à mesma velocidade com e sem suspensão só pode ser um Jedi e vai na onda do "trust the force Luke".

Pensem antes de escrever parvoíces...
 

MJCT

New Member
#25
Acho que há aqui alguns equívocos... mas estamos a falar entre uma bike com forqueta rígida+amortecedor e outra ht com suspensão ou estamos a falar de outras comparações.

Num terreno não muito difícil (não estou a falar de estradões, nem de DH, TOU A FALAR DE PERCURSOS DE XC) uma bicicleta rígida à frente e com suspensão atrás é perfeitamente capaz de dar conta do recado em comparação com uma HT com suspensão à frente.

Agora falar de percursos mais complicados com drops grandes e misturar na conversa rígidas totais ou suspensões totais só lança a confusão.

Posso falar com conhecimento de causa porque, trilhos que fazia à 15 anos com a BMX com suspensão ao meio também os faço com a HT com suspensão à frente (e até com uma rígida total que também tenho) e posso-vos garantir que descia mais depressa e com muito mais segurança com a BMX. É claro que a geometria do quadro e a largura dos pneus ajudavam, mas mesmo assim acho que com um quadro de BTT com suspensão atrás e uns pneus 2.25 ia lá. Desvantagem... a tremedeira nos braços e o facto da roda da frente passar mais tempo fora do chão. Vantagem... permite descansar muito mais as pernas nas descidas porque posso descer com as pernas esticadas em vez de ir a amortecer o corpo com as pernas flectidas, também me poupa mais o rabo e permite pedalar em sítios onde com a HT tenho de deixar de pedalar.

Nem tudo são ganhos, claro, mas não é uma parvoíce se REPITO comparar-mos apenas uma HT+SUSPRENÇÃO com uma FORQUETA RIGIDA+SUSPENÇÃO ATRAS mantendo todo o resto constante.
 
#26
Ao defenderem que se desce à mesma velocidade com ou sem suspensão na frente, há aqui pessoal que não sabe o que é XC ou maratonas em btt...

Pessoalmente posso dizer que andei muitos anos com uma verdadeira btt rígida em aço e com forqueta no mesmo material. Foi a 1ª bicicleta de todo o terreno que comprei e ainda está cá em casa. foi adquirida em 1995 - Scott Timber Cromoly.

Posso dizer por experiência própria que fiz muitos quilómetros com ela e quando começava e descer com mais velocidade, tinha, obrigatoriamente, de abrandar, pois a trepidação era de tal ordem que perdia o controle da bike.
Ainda assim sempre subi e desci quase tudo mas com velocidades mais comedidas.
Logo que experimentei uma suspensãozinha de 80mm a mola................. meu Deus, que diferença. se a subir a diferença não era por ai além, já a descer era abissal...

Atenção que o aço é a par do titânio um metal muito flexível, bem mais que o alumínio que só ganha em peso.

Desde já fica o convite para esses senhores defensores de frentes duras, virem à zona de Mafra - Venda do Pinheiro - Malveira, para aferirmos das suas capacidades a descer, comparativamente com as do pessoal da zona.

Daqui a nada tou a ver o Steve Peat com uma forqueta a fazer o Down town Lisboa, para controlar melhor nas curvas com degraus. LLLOOOOOOOLLLLL

.... de quando em vez é cada anedota por este forum....lololol
 

MJCT

New Member
#27
"Desde já fica o convite para esses senhores defensores de frentes duras, virem à zona de Mafra - Venda do Pinheiro - Malveira, para aferirmos das suas capacidades a descer, comparativamente com as do pessoal da zona."

Desde já te convido a fazer uma coisa mais simples ainda... simplesmente leres o que escrevi... pensares 2 segundos... e depois escreveres, que tal?

Compara HT com suspensão com uma BTT de suspensão traseira com forqueta rigida.
Falas de uma rigida total em aço, fantastico eu tabém tenho uma, mas a comparação que se pode fazer não é com ela. Depois falas das descidas aí da zona e do Steve Peat, logico que com terreno mas dificil é com suspensão total (à frente e atras), e DH é com bicicletas de DH que eu saiba o Steve também não anda com uma Spark de 100mm poís não?

... por falar em anedotas....
 
#28
O barrete só serve a quem o enfia....

Eu não individualizei o que escrevi... e reitero o que disse na integra. Nunca vi o Absalon com forqueta, provavelmente até já andou mas pessoalmente nunca vi.
 
#29
Já pararam para pensar que essa malta da alta competição só usa aquilo que lhe pagam ou oferecem?
É que se a Nuke Proof ou outra marca de forquetas tivesse os milhões de uma Fox e pagasse um alto patrocínio a esses atletas, de certeza que eles pedalavam com forquetas. Ainda pensam que os de alta competição usam o material que usam por acharem ser o melhor?
Desenganem-se eles usam a marca que mais lhes paga.

E depois muito troll vai atrás disso e compra só porque o atleta X usa.


Abraço

Biculas
 
#30
O esquilas(autor do tópico) deve estar espantado com a discussão que daqui saiu:rotfl:

Não vejo qualquer vantagem na utilização de uma bicla com suspensão apenas atrás, em nenhuma modalidade.

Para justificar a minha opinião vou dar um exemplo::sabichao::)
Perto de minha casa há umas escadas de pedra, 7 degraus com um palmo cada um de altura, no total de 1,20m de desnível. Acima das escadas o piso é de calçada bastante lisa e abaixo é de calçada de seixos redondos. Já subi e desci as escadas com várias bicicletas:

:arrow:Rígida com quadro e forqueta em aço cromoly Tange, bastante confortável para uma rígida, montagem XC:

Não é bem este modelo e tem material mais moderno, mas o quadro é o mesmo.
-A descer a abrir(em vôo)-Não é para qualquer um:!: Convem deixar aterrar a roda de trás 1º para poupar os pulsos e mesmo assim não dá grande vontade de repetir(nem eu que sou maluco:p )
-A subir- Não sobe:fpalm: A forqueta embate com força na quina do primeiro degrau, a roda da frente sobe o 1º degrau mas detem-se no segundo. Se se levantar a frente(cavalinho) o resultado não é melhor. Um verdadeiro perigo para o abono de família, pois não é difícil escapar um pé do pedal... Há uma zona que só tem 3 degraus de altura e que, num dia em que esteja inspirado e com muita coragem consigo subir com um bunnyhop...

:arrow:Semi rígida com quadro de alumínio 4X e forqueta de 130mm(Suntour Duro), montagem freeride soft:

Review à suspensão aqui:http://www.forumbtt.net/showthread.php/7669-SR-SUNTOUR-DURO-E-(com-alterações)
-A descer a abrir(em vôo)-Faz-se relativamente bem. Dá para aterrar com as duas rodas ao mesmo tempo ou com a roda da frente primeiro sem que se note muito o impacto. Desde que se absorva a pancada da traseira flectindo ligeiramente as pernas não há crise.
-A subir-A suspensão absorve o impacto e sobe-se relativamente bem, a traseira acaba por subir se se for com as pernas um pouco flectidas e a velocidade for suficiente- menos de 10 metros a pedalar energicamente dão velocidade qb.

:arrow:FS com 150mm de curso atrás(Fox Vanilla R) e 140mm à frente(RS Pike), quadro Haro igual ao do esquilas, montagem FRsoft

Só o quadro é igual mas dá para ver o tipo de bicla que é.
-A descer a abrir(em vôo)-Faz-se confortavelmente e sem dificuldade. Apenas quando se aterrava com a roda de trás primeiro se nota alguma insegurança pelo afundar da suspensão traseira que ainda por cima tinha o rebound demasiado aberto para estas aventuras.
-A subir-Ambas as suspensões absorvem o impacto e dá para subir enquanto se pedala, mesmo que a velocidade à entrada das escadas seja quase nula, numa mudança 32-16

Agora pensem lá o que aconteceria se, na mesma escadaria, usasse uma bicicleta com forqueta rígida e suspensão atrás...:assobio:
 
Last edited:
#31
Já pararam para pensar que essa malta da alta competição só usa aquilo que lhe pagam ou oferecem?
É que se a Nuke Proof ou outra marca de forquetas tivesse os milhões de uma Fox e pagasse um alto patrocínio a esses atletas, de certeza que eles pedalavam com forquetas. Ainda pensam que os de alta competição usam o material que usam por acharem ser o melhor?
Desenganem-se eles usam a marca que mais lhes paga.

E depois muito troll vai atrás disso e compra só porque o atleta X usa.


Abraço

Biculas
Qualquer pessoa minimamente informada sabe que os contratos são para cumprir. Num artigo do Código civil português (que no momento não me ocorre e não me apetece ir ver), no livro das obrigações, diz ...." os contratos devem ser cumpridos pontualmente".... ou seja ponto por ponto (e não em termos horários), logo as partes vêm-se obrigadas a cumprir sob pena de resolução e ulterior indemnização por danos e lucros cessantes.
Logo se o patrocínio é a Fox o rapaz terá de usar Fox e não Dt suiss ou outra que goste mais.

Mas meu caro amigo há corredores que são patrocinados pela Ritchey ou pela Pro, que fazem forquetas e mesmo assim.....


Se alguém desenvolveu a suspensão foi por achar ser uma mais valia que inicialmente demorou a entrar no circuito comercial mas, após aferidas as evidentes qualidades de absorção de irregularidades, foi ganhando mais e mais adeptos, promovendo uma fluidez de movimento e progressão no terreno até então nunca vistas.

Lá que o Senhor seja adepto incondicional e não se queira vergar às evidências da maior tracção/conforto/velocidade de rolamento isso é algo de muito pessoal. Mas digo-lhe uma coisa, para bem das suas articulações e saúde futura (incluindo a coluna- cuidado com as hérnias discais, fui operado á 16 dias a duas) seria bom ponderar.
Mas se faz um "bêtêtêzinho" de domingo, 20 a 30 kms em estradão..... se calhar nem faz muito mal e o rolar é fluido que baste.

P.s. Porque será que os veículos Têm suspensão.... deve ser porque alguém quer ganhar dinheiro à custa dos otários.......
 

oliana

Active Member
#32
Forquetas rígidas e singlesspeeds podem ficar com elas todas. São boas para ir á padaria comprar carcaças para o pequeno almoço.
São apenas coisas de puristas. Ou de quem vai na conversa deles.
Descer bem uma escada com uma forqueta rigida. Claro que até é mais seguro em certos aspectos. Mas experimentem só descer á velocidade do Peat. Não é anedota?
 

MJCT

New Member
#33
Continuo a achar que o pessoal não lê bem tudo o que os outros dizem. Vou tentar esclarecer melhor a minha ideia e que penso que foi o mesmo que o tipo que aparece nas fotos pensou.

Temos um tipo que faz XC, ok?
Não desce escadas, OK?
Não é, nem quer ser o Steve Peate, ok?
Quando muito quer ser o Absalon, ok?
O tipo pensa assim " Uma rígida tá fora de questão porque me mói os ossos ao fim de poucos km. Preciso de algum amortecimento!
Colocando uma suspensão à frente acrescento +- 1kg. AAAHHHHHH, a bike pesa mais 1kg mas apesar de tudo chego melhor ao fim. Assim sim."

Um belo dia já com uma susp total, por um qualquer acidente de percurso...

"É pá, aquele gajo que me faz a manutenção da suspensão nunca mais me lá apanha, 3 semanas e nada? Ainda bem que o xpto tinha esta forqueta de carbono para me emprestar. A bike perdeu 1 kg mas acaba por ter um nível de conforto semelhante à minha antiga HT com suspensão. Curioso..."

Repito, este tipo não anda a descer escadas com aquilo, se calhar até conseguia, mas não foi para isso que aquela bike foi pensada. Acho que o pessoal tem a mania de misturar alhos com bugalhos, os F1 andam em circuitos, os carros de rali andam em terra batida, os jipes de trial andam... bom, andam por todo o lado. Mas cada um deles dá o máximo de rendimento no seu respectivo habitat. Falar no Steve Peate e no Absalon ... LOL se o Absalon fizesse DH de certeza que usava uma bicicleta de DH e o Steve se fizesse XC usava uma bicicleta com geometria de XC e pelo menos uma suspensão... não é isso que tá em causa. O que tá em causa é se uma BTT de XC só com susp atrás pode funcionar tão bem como uma HT de XC com susp à frente. Na minha opinião, pode. Agora se querem continuar a misturar DH com SS sem susp…
 
#34
Já tou farto de perceber que se tratam de quadros concebidos como FS, mas em que se montou uma forqueta rígida.

Na minha opinião, "btt" sem suspensão na frente limita e não faz qualquer sentido.

Em relação ao XC, o meu amigo não acompanha os campeonatos da UCI, porque se o fizesse chegaria à conclusão que se descem degraus (e não são poucos) e os percursos são extremamente técnicos.
Tenho muitas duvidas que na floresta de Dalby, no pretérito 25 de Abril, a contar para a taça do mundo de XCO, se progredisse igualmente bem com uma forqueta.
Já agora se não viu, o que eu acredito, faça uma busca no Google para ver alguns vídeos sobre a mesma. Há por lá muitos degraus.
Depois pense um bocadinho e medite no que é o btt.
 
#35
Secalhar no meu post fui buscar um exemplo um bocado extremo, mas o que quis mostrar é que:

Se o piso não for muito irregular, numa prova de xc, uma rígida é bastante rápida, mais rápida que uma FS ou que uma bicla só com suspensão à frente.

Se o piso for irregular e houver pedra, uma HT com suspensão leve à frente dá muito jeito. Se houver um calhau com 10cm de altura saliente no trilho dá para passar com a roda da frente por cima sem grande chatice, e a roda de trás tambem passa. Sente-se o impacto, mas passa. Numa rígida teríamos que alterar a trajectória ou sacar um cavalinho, porque o impacto da roda da frente iria atrasar a progressão.

Se o piso for muito irregular, com vários calhaus como o do exemplo acima uma FS leve consegue ser pelo menos tão rápida como a HT com suspensão à frente. E o atleta de certeza que vai gostar de chegar ao fim com menos dores.

Mas se se usar apenas suspensão atrás, a frente vai continuar a "embicar" e fazer perder velocidade nos calhaus. De nada vale a suspensão atrás se o impacto da frente já fez perder velocidade. Se o piso não for irregular a suspensão atrás só vai acrescentar peso, sem necessidade.

Por alguma razão, tanto nas motas como nas bicicletas, a suspensão frontal surgiu primeiro...
E mesmo em provas de DH, há quem se safe só com suspensão à frente(desde que não tenha aspirações ao pódio, claro) mas não passa pela cabeça de ninguem usar apenas suspensão atrás.

A última HT a ganhar uma prova do mundial de DH foi uma GT Zaskar, há mais de 15 anos.
Uma bicicleta só com suspensão atrás, que é o que se discute neste tópico, nunca ganhou nada, nem XC nem DH...
 
Last edited:
#36
Mas que raio!!!

Não estamos aqui a falar do uso da forqueta em XC?

Agora vêm comparar uma XC com DH, mas que raio!!!!!

Há que comparar bicicletas idênticas e de XC, pois é disso que se fala, pois acho que nem o mais maluco dos malucos iria fazer trial ou down hill com uma forqueta rígida.


Abraço

Biculas
 
#38
Já tinha dado a minha opinião mas, como o pessoal anda desatento........

NÃO MISTUREM O TRABALHAR DA FRENTE COM O DA TRASEIRA!!!!!!!!!!!!

Se a traseira fugir, conseguimos controlar bem a coisa com a ajuda dos travões e com o bem posicionar do corpo.
Se a frente fugir....... liga para o 112.

Podem continuar a argumentar com o "conforto" que se ganha na traseira mas...... o desconforto das feridas e crôstas, dá que pensar.

Quanto aos videos colocados atrás.............. TÃO DEVAGARITO.
 
#39
Boas

Desculpem o OFF TOPIC:

Só para por mais lenha na fogueira tenho uns companheiros em que as bikes deles são em um quadro rígido de Titânio e com uma forqueta em carbono e a roda da frente é uma 650B

Boas Pedaladas
Adilson Fernandes
 

MJCT

New Member
#40
...
Na minha opinião, "btt" sem suspensão na frente limita e não faz qualquer sentido.

Em relação ao XC, o meu amigo não acompanha os campeonatos da UCI, porque se o fizesse chegaria à conclusão que se descem degraus (e não são poucos) e os percursos são extremamente técnicos.
Tenho muitas duvidas que na floresta de Dalby, no pretérito 25 de Abril, a contar para a taça do mundo de XCO, se progredisse igualmente bem com uma forqueta.
Já agora se não viu, o que eu acredito, faça uma busca no Google para ver alguns vídeos sobre a mesma. Há por lá muitos degraus.
Depois pense um bocadinho e medite no que é o btt.
Nem sei por onde começar...
Essa prova em particular não vi, mas já vi outras e sei que os circuitos são por norma duros, tem degraus, pedras bicudas, arvores no meio do caminho, etc. Inclusivamente quando chove é vê-los cair. Mas sei outra coisa, a maior parte do traçado de uma prova dessas pode ser duro fisicamente e até difícil tecnicamente... mas mesmo assim isso é XC e não DH.

Uma btt sem susp à frente limita claro, sem suspensão atrás também, o peso em xc também. Há uma data de coisas que limitam é uma questão de fazermos escolhas consoante a vertente de btt que fazemos, caso contrário andávamos todos de FS com 200mm de curso.

Queres que medite no que é o BTT? Já o fiz muitas vezes! Queres ver?
Antes de haver este fórum, antes das lojas na net, antes de haver net, revistas estrangeiras de BTT à venda em Portugal, antes de haver Bike Magazine, antes de haver quatro canais, vi BTT pela primeira vez na vida. Foi na RTP2 à noite à boe boe boeda tempo atrás. Uns tipos numas bicicletas estranhas a descerem a toda a velocidade um monte... só que depois não o voltavam a subir. Ou seja o meu "baptismo" de BTT foi logo numa prova de DH. Só por curiosidade, 50% das bicicletas eram totalmente rígidas. Nessa época definir o BTT éra facil, BTT = Bicicleta Todo Terreno. Simples não é? Uma bike tinha de dar para tudo.

Felizmente a modalidade evoluiu. Hoje não pode haver uma só definição de BTT, há várias. Para mim (XC) está exactamente a meio entre o ciclismo de estrada e o DH, para outros será fazer descidas brutais o mais rápido que conseguem (DH), para outros será conseguir chegar onde os outros chegam mas só com uma velocidade (SS), para outros será lançar-se numa descida mais 3 "manos" a ver quem chega ao fim primeiro (4X), e aí por diante. TODAS MAS MESMO TODAS estão correctas, todas têm o seu espaço.

Agora há uma coisa, eu não entro em tópicos com questões que digam respeito por exemplo ao DH e começar a dizer que aquelas bikes não fazem sentido nenhum porque não conseguem subir (passo o exagero) e que o que o pessoal todo devia fazer éra comprar bikes abaixo de 8kg. Cada um tem a sua "pancada" e não se devem misturar nem discutir "pancadas".

Há aqui pessoal que discute argumentos válidos, tanto contra como a favor (eu por exemplo nunca disse que uma bike só com susp ao meio éram só vantagens), mas há outros que provavelmente são fãs de vertentes mais "radicais" do BTT e que parecem por em dúvida a inteligência dos outros BTTistas. Nada me move contra ti em particular mas olha... calhou LOL.

Quero dar mais uma achega à conversa. Quantas vezes um conceito válido cai no esquecimento vítima da voracidade da evolução e mais tarde alguém se lembra de ir experimentar de novo... just in case. O primeiro automóvel a ultrapassar os 100 km/h éra eléctrico.