Funcionários Públicos vs funcionários do Privado - Qual escolherias?

#21
Boa tarde,

Antes de mais, qualquer texto publicado seja onde for, que não tenha a acompanhá-lo uma data, uma assinatura ou uma fonte bibliográfica, merece por parte de qualquer leitor as mais sérias dúvidas quanto à sua credibilidade.

No que diz respeito ao tema abordado vou começar por dizer uma verdade de La Palisse, ou seja, em todas as profissões e em todos os sectores de actividade, seja no público, seja no privado, sempre houve, há e haverá bons e maus funcionários.

Postas estas considerações, em relação ao sector público todos nós já ouvimos comentar que se tem emprego certo, que se ganha bem e que se faz pouco, ou então, filia-te num partido politico e estás “feito” para a vida. Quantos de vós nunca ouviram isto? O que é que mudou? É muito simples, nos últimos seis anos, de forma acentuada, os funcionários públicos começaram a perder direitos adquiridos e então, aí sim, começamos a ouvi-los, a vê-los manifestarem-se, mas até então, praticamente não se queixavam, nem se lembravam da diferença de direitos que possuíam em relação aos trabalhadores do sector privado. Reparem que dizíamos e dizemos funcionários públicos e trabalhadores do sector privado. Até na designação nos foge a boca para a verdade!

No que toca ao sector privado, o que é que mudou? Não havia e nem há empregos cativos! Não havia e nem há empregos para toda a vida! Não houve praticamente alterações de horário laboral, sempre se pegou às 8h da manhã (ou mais cedo) e não o tal horário (generalista das 9h) da função pública.
A tão falada produtividade, sempre existiu no sector privado! Perguntem a uma costureira (por exemplo) de uma fábrica de confecções se não tinha de fazer x peças por hora ou y peças por dia? Perguntem-lhe se a sua encarregada não estava constantemente interessada em verificar se ela podia aumentar essa quantidade? Dei o exemplo de uma costureira, mas podia ser um operador torneiro mecânico, um soldador ou um operador de máquina CNC, etc…

A mudança mais significativa, que vejo no sector privado, é de facto a forma como serão feitas as indemnizações em caso de despedimento. No sector público, não faço referência à perda do subsídio de férias e de natal, porque também sou dos que pensa, que mais tarde ou mais cedo essa prática também se aplicará no sector privado.

Em conclusão, muito haveria para dizer sobre este tema, no entanto, e respondendo à questão colocada no post, se por ventura fosse entidade patronal ser-me-ia totalmente indiferente um tipo funcionário ou outro, procuraria contratar uma pessoa com capacidade, competência e com vontade em trabalhar. Evidentemente que estes atributos teriam de ser confirmados na prática do dia a dia.

Cumprimentos.
 
#22
:eek:fftopic:

Quem trabalha muito, erra muito...

Quem trabalha pouco, erra pouco...

Quem não trabalha, não erra...

Quem não erra, é promovido! :mrgreen:

:back2topic:

Já vi este texto irónico em vários serviços, públicos e privados!
 
Last edited:
#23
Bem, vou ser crucificado, espancado e que sabe, insultado.

Vamos a factos.
O que é que entendem por função pública? Apenas os administrativos que andam na repartição de finanças (muitos dos quais não tenho nada que dizer)?
Professores, polícias, bombeiros, médicos, enfermeiros, auxiliares de acção médica e de educação, varredores de ruas, fiscais, motoristas de transportes (de EP's) e podia continuar a enumerar...
É um emprego estável? Não, já foi há muitos anos e agora vais para a rua com a mesma facilidade do que vais no privado. E sei do que falo.
Tens ADSE? Apenas os trabalhadores que pertencem aos quadros do Estado é que têm. De há alguns anos para cá (2004 ou 5 se não estou em erro), toda a malta que entre para o quadro de uma empresa ligada ao Estado, entra para os quadros da instituição, não para o Estado. Logo não há Adse, apenas SS. Mas quem tem adse desconta para ela e para a SS e Caixa Geral de Aposentações. Eu apenas desconto para a SS.
Trabalho para a vida? Novo erro. O contrato vigente é praticamente igual ao do privado. Alguns meses a "prazo" e vais renovando o contrato até atingires o limite máximo, e vais embora de acordo com a tua prestação laboral, ou ficas com um contrato individual de trabalho a termo incerto. Mais cedo ou mais tarde podes ir de carrinho...
Ordenado? Bem, não conhecendo a fundo, apenas o que vejo e leio, até pode ser mais elevado, dependendo claro da categoria. Mas um Auxiliar de Acção Médica não leva mais do que 550€ e um administrativo não mais do que 700€/750€.
Recibos Verdes? Ainda existem no público, felizmente cada vez menos, mas existem.
Quanto ao texto, nem todo será falso. Conheço casos que de um horário "normal" quase duplicam as horas em que têm de estar a trabalhar, para que nada falhe, nem nada falte.

Resumindo e concluindo. Sim, trabalho na função "púdica" mas não me considero funcionário público. Detesto esquinas, cafés e paleio de circunstância. Trabalho há 11 anos num hospital a fazer o que muitos se recusariam a fazer (e continuam a recusar!) pelo ordenado que ganho. Já não sei o que é um fim de ano, Natal em família ou um feriado normal há pelo menos 8 anos por trabalhar por turnos.
Mas sabem? Sinto-me bem, de alguma forma realizado.
Porquê? Trabalho, não estou empregado, e o que faço, por muito que me custe e que seja origem de tantos conflitos com as pessoas que atendo, acaba por marcar a diferença, mesmo que fique bem depois da hora de saída para terminar o que não pode ficar para depois, recebendo 0 por tal acto.

Boas pedaladas
 
#24
mais importante que a discussao sobre se o emprego é ou não estável e pra toda a vida na FP, é a realidade de que ainda está pra nascer o Funcionário Público que deixa de o ser por livre vontade...

acho que me fiz entender :p
 
#25
Yep, tens razão. Mas também digo que nos dias que correm tens muita malta desejosa por saltar de lá, e arranja maneira de sair. Quando tens por vezes melhores condições no privado do que no público, a "tentação" é tramada.
Por isso, pegando na tua expressão, inverto-a "Está para nascer o funcionário privado que vai para o público de livre vontade":p
 
#26
reclamam muito, mas mesmo muito, mas sair só com a intervenção de um exercito completo, e se calhar nem assim :D

e conheço MUITA, mas mesmo muita, gente que dava um dos colhxxx pra ser funcionario publico, com ou sem subsidios ;)
 
#27
concordo plenamente contigo, sei bem por aquilo que passas pois estou também na mesma situação...
Já que conheces tanta gente a querer ser funcionário publico eles que se inscrevam num hospital publico a sujeitarem-se a ficar sem os fins de semana, a perder datas que lhes sejam importantes, a não ter hora certa para comer entre outras coisas e depois eles que te digam quanto tempo lá aguentaram....
eles iram ver que afinal ser funcionário publico não é assim tão bom, a menos que achem que trabalhar 8 horas em pé a ganhar 550 € seja uma fortuna......
 
Last edited:
#29
Bom dia, eu não vou dizer o que faço, porque o que faço em mais lado algum faria, sou um servidor do estado, não funcionario publico, no entanto levo com os mesmos cortes dos funcionarios publicos visto ser este quem me paga o ordenado, mas no toca a questao de querer sair para o publico apenas digo o seguinte, um individuo em empresas privadas, que faz apenas parte das funçoes que eu tenho com menos qualificaçoes, recebe sensivelmente o dobro, porque nao saio? simples porque para se entrar nessas empresas privadas onde pagam esses ordenados e necessario cunha.
 
#30
@ demmolidor: Nos dias de hoje, para público e privado, precisas de cunhas. Se bem que para o público, as entradas pararam por completo na maioria dos sectores. E o problema durante anos foi esse, não tinhas qualificações, entras na mesma, mesmo que não percebas um boi do assunto.
 
#32
Bem, o que eu sei é que a idéia de que, daqui a um tempo, este governo irá levar isto dos cortes do 13º mês também para o sector privado, está cada vez a fazer mais sentido.
Primeiro atacam o sector público, como uma "introdução" ao esquema, depois esperam pelas reacções (que neste país não são nenhumas) e depois, um dia dizem :

- "Portugueses, afinal os cortes na função pública não foram suficientes. Vamos ter todos de ajudar mais uma vez o país. Agradeço desde já o vosso esforço e a vossa compreensão nesta matéria...e agora tenho de ir porque tenho um fim de semana pago pelo meu amigo Quim no seu Spa. E vou ainda aproveitar para estrear o campo de golf que ele construiu por saber que eu gosto de dar umas tacadas. Com a vossa licença."

...
...


"Ha, e já me estava a esquecer...falaremos novamente mais lá p'ra frente, pois irão ser precisos mais uns cortezitos para manter o barco a flutuar. Ok, então até á próxima."
 
#33
É com certa tristeza que leio aqui certos comentários. Chegando mesmo ao ponto de os considerar racistas. Isto porque certas pessoas aqui pelo que vejo não podem ver ou ouvir falar de FP.

Sim, sou funcionário publico e a minha esposa também o é...mas sou (e ela tb) porque metemos os papeis para o trabalho que temos, como para qualquer outra trabalho no privado.
Por mim era e é um trabalho como qualquer outro. Mas como sou FP já sou um alvo a abater porque tenho um grande tacho. Já perdi abonos, já perdi a data desde que ando congelado nos escalões e progressões, este ano 50% de corte no Natal, para o ano nem 13ª ou 14º...e é um grande tacho.

Ao contrário das palavras de um utilizador que disse que um Auxiliar de Acção Médica ganha 550€, a minha mulher, com pelo menos 12 anos de serviço, dos quais 7 em contrato ao contrários do que a lei diz (máximo de 3 contratos e passa ao quadro ou adeus...), não chega neste momento de ordenado iliquido a 500€!!!!!! Que fartura não é meus senhores????
Com os subsídios, horas nocturnos, etc, tudo aquilo a que um escravo tem direito, trás limpos para casa 600€. No entanto estes 600€ são com noites, fins de semana, feriados, sem horários certos, muitas horas longe dos filhos etc,etc,... e continuam vocês a achar que é uma fartura?? Certamente que sim!! Esta semana ainda não teve uma folga e pelos vistos não vai ter, mas o que é que isso interessa, ela ganha uma fartura!!!
Ao contrário de que muitos dizem, ela já tentou sair, enviou muitos cartas, etc...mas pelos vistos é preciso uma boa cunha para o privado!!!

Há bons tachos na FP?? Há sim senhor, mas também os há nos privados e ainda bem melhores se calhar.
O texto inicial pode ser exagerado, mas não deixa de ter a sua verdade. Conforme conheço muito FP que não devia ganhar metade do que ganha, também conheço muito bom tacho fora da FP e que é uma autêntica roubalheira.
Os seguros que todos somos obrigados a pagar pelo carro, empréstimos da carro, etc, etc...paga uma boas viagens aos mediadores, carros de serviço, telemóveis, etc, etc...e vocês nem se questionam porque pagam tanto de seguro.
A saúde é cara?? Para mim é! Pois é outra sector em que anda aí a roubar forte e feio vejam bem as farmacêuticas e os problemas entre os genéricos e os originais. Porque é que há tanta polémica á volta disso???
Quantas profissões privados existem em que não descontam um único cêntimo a não ser o mínimo para depois poder apresentar um IRS e ter direito a comer dos impostos que os outros pagam??? Advogados, arquitectos, empreiteiros, mecânicos, engenheiros, etc, etc...
Restauração, pequeno comércio, etc e até mesmo onde vocês vão arranjar a bicicleta que facturas é que eles passam??????

Deixem-se de ser racistas. Há bons tachos em ambos os lados, assim como também há trabalho de escravo em ambos os lados, assim como há quem não faça nada e nem metade do ordenado merece em ambos os lados. Há de tudo...

Mas não se esqueçam que este problema de falta de dinheiro se deve também á fuga de impostos, e isso não acontece com o trabalhador do estado, mas sim com o privado. Nunca vi e de certeza nenhum de vocês já viu, um funcionário do estado a receber do governo por fora, pelo lado, por cima ou baixo, dinheiro que não venha na folha de vencimento!!!

Fiquem bem.
 
#34
Já tive vontade de ser Funcionario Publico, mas agora não, ja foi muito bom, agora é tal como no privado uma fonte de incertezas. Já levei muito no lombo no privado, agora trabalho para mim mesmo, o triplo das horas para ganhar o mesmo, mas tou satisfeito, não tenho de aturar ninguem a buzinar aos meus ouvidos. Tou farto da CRIZE, tou farto de pagar os devaneios dos outros. Os F.P. têm direitos tal como qualquer outro trabalhador, desde que cumpra com a sua obrigação(trabalho) tem direito ao que lhe foi garantido, o problema é que no meio de bons trabalhadores á sempre ovelhas ranhosas a desfazer o trabalho dos outros, o que na função publica é demais, a maior parte dessas ovelhas não sabem o bem que têm por trabalhar onde trabalham,, porque se fossem para o privado nao agunetavam lá uma semana. São estes que sujam a imagem dos Funcionarios Publicos, são estes que provocam a divisão, entre Publicos e Privados, uma guerra alimentada por gente inutil.
Caros concidadãos funcionarios publicos, não deixem que vos tirem o vosso dinheiro, vão a luta, mandem os sindicatos a m......... e organizem-se, façam barulho, mas acima de tudo nao deixem que vos roubem.
Por fim digo isto VIVA A GRECIA, por abanar a C.E. com ou sem razão não interessa mas que abanou, abanou e de que maneira. Tomemos o seu exemplo, vamos todos juntos pra rua.
 
#35
Ao contrário das palavras de um utilizador que disse que um Auxiliar de Acção Médica ganha 550€, a minha mulher, com pelo menos 12 anos de serviço, dos quais 7 em contrato ao contrários do que a lei diz (máximo de 3 contratos e passa ao quadro ou adeus...), não chega neste momento de ordenado iliquido a 500€!!!!!!

@ rodinhas73: Lê novamente o que escrevi. Falas de rendimento ilíquido e logo a seguir falas em ordenado líquido. Por isso não me enganei por muito...
E sei do que falo, também fui AAM durante 7,5 anos, quase sempre com contratos a prazo.
 
#36
Se calhar não li bem, mas também não vou voltar a ler.
Interesse é demonstrar que não se ganha assim como as pessoas pensam.
E o liquido que indiquei já é com horas nocturnos, fins de semana, etc...porque se depende-se só do ordenado e não se sujeita-se a isto, nem 450€ levava para casa.
Infelizmente muito bom português não faz a mínima ideia do que é trabalhar por turnos, fins de semana, feriados, etc...ter de pedir para trocar horários com os colegas, ter de andar com crianças para os avós ou outras pessoas disponíveis para tomar conta deles...isso tem muito valor na vida.
Se calhar preferia acordar de 2ª a 6ª ás 6 ou 7 da manha e ter um horário certo...
 
#37
Já trabalhei no sector privado,e já trabalhei no público...
Já dei o litro nos dois, e já passei dias a coçar a micose nos dois.
Já ganhei bem nos dois, e já ganhei menos bem nos dois.

Já trabalhei para o Estado e trabalho actualmente, sem nunca ser funcionário público.

A grande diferença entre os dois... Há uma muito importante: No público já reconheceram valor ao meu trabalho, mas no final de contas de nada me valeu... No privado já deram valor ao meu trabalho, e em alguns casos vi algo em troca!
 
#39
Pessoal das pedaladas,

Para quem ainda não conhece a Segurança Social Directa é o novo meio de comunicação dos cidadãos e das empresas com a Segurança Social, através da NET e deverão fazer o registo no
Site da Segurança Social.
Eujá me registei e já verifiquei todos os descontos que tive desde o ano em que comecei a trabalhar ate à data, e está tudo ok. Vejam também os vossos caso pretendam e para isso só tem de entrar em:
http://www.online24.pt/seguranca-social-online/
(Obs: antes de prosseguir para preencher dados tem que colocar “um visto” e entrar mesmo em Política de Privacidade e Termos de Utilização.

Segurança Social Directa – Registo no Serviço



Dados do Beneficiário :

· NISS (Número de Identificação da Segurança Social);
· Nome;
· Data de Nascimento;
· NIF (Número de Identificação Fiscal);
· Bilhete de Identidade;
· Telefone;
· E-mail

Registar


Posteriormente irá se enviado por carta para o vosso endereço uma carta com a tal palavra-chave.

Caro/a, XXXXXXXX
NISS: ***********

“Muito obrigado pela sua adesão à "Segurança Social Direta", a qual foi registada com o nºxxxxx. Dentro de alguns dias vai receber em sua casa (morada registada na nossa base de dados), pelo correio, uma carta com a palavra-chave para poder começar a usar este serviço”.

Depois de receberem a chave entrem neste site: https://www.seg-social.pt/consultas/ssdirecta/

Preencham o campo com a vossa palavra-chave + NISS e clicam em “Aceder” e procuram em :

Carreira Contributiva > Remunerações mensais + Remunerações anuais

Boas pedaladas a todos.
 
Last edited: