Ensaio em Detalhe: Santa Cruz Blur LT2

tkul

Utilizador Banido
#41
O problema está aí... a questão de gosto em vez de questão de ser o indicado para a pessoa ou onde andamos!

Por exemplo, em Portugal e para 80% da utilização que muita gente dá às bikes, 140mm é mais que suficiente, tendo depois que aumentar a técnica - aqui nem meto trilhos de DH/FR, mas também se faz embora a uma velocidade inferior

Usar uma 36/Lyric/55/Wotan em 140/120, é como andar com as GSXR600 limitadas a 34cv, ou ter um Caymen limitado!!!please...

A variação de curso serve para uma única coisa - baixar a frente para subir, e ter ângulos mais de ataque!

Já agora, pergunta que muitos devem ter na cabeça: e porque usar SAG superior em FR/DH/ ou percursos mais complicados?

Poucas são as marcas que fazem a medição contando com SAG, porque se fores ver bem, quando temos SAG de 40% atrás, como é?
E já agora, o SAG da frente fazem a medição sentados?
Em todas as bikes?!?

Enfim, tantas questões, e dúvidas.............. quando o que interessa é mesmo pedalar, saber rolar com a bike e divertir!!! :mrgreen:
 
#42
Discordo no facto de a 36 ser uma versão limitada para usar em 140 mm. Pessoalmente acho que a rigidez da frente é chave para andar depressa com confiança com estes níveis de curso. E sempre se pode evoluir para 160 mm se um dia se pretender andamentos ou quadros diferentes.

A geometria, sags, e tudo o resto às vezes acaba por ser sobre-valorizado. Há um certa gama óptima para cada utilização, mas lá está, nestas forquetas de substancial curso andamos ali a correr os graus todos ao longo de cada curva e a resposta de direcção altera-se sempre lá pelo meio sem que sequer se dê por ela. E depois sim, há as alturas dos pneus as alturas da caixa de direcção, o squat da traseira em aceleração e travagem. Interessante era comparar envelopes de geometria com várias situações transientes. :lol:

Depois nos trilhos o que interessa é ter coragem para deixar a frente entrar no drop e pernas para pedalar os 100 km.

Pedalar e divertir é mesmo o importante. Eu diverti-me nesta.
 
#43
Eis uma BLT de carbono com a 36 na frente



"Quanto ao facto de o valor ser estipulado com uma 32 F140, não sei se será verdade"
Dizem eles para a BLT * geometry based on 515mm fork ( axle to crown) que é o AC das Fox 32 140mm
e para a Nomad * geometry based on 545mm fork ( axle to crown) que é o AC das Fox 36 160mm
 

tkul

Utilizador Banido
#45
350+, pela minha experiência, vale mais ter uma boa geometria (descer no que estou a pensar) que um curso grande e grande rigidez.
Nos dias de decorrem, o que é falta de rigidez? Longe vão os tempos das Marzocchi XC500, Mag21!
Sim, uma 36, uma Lyric, uma 55 é mais rígida que qualquer outra de 32mm de diametro - e depois? Vamos ser mais lentos? :lol: :lol: :lol: :lol:
Por essa ordem de grandeza, uma Totem seria melhor ainda, com a possibilidade também de reduzir o curso para depois aumentarmos se quisermos...

As geometrias sempre variaram...é característica de suspensões telescópicas. :roll:
O que importa saber é o que tens estático, e é isso que irá determinar o comportamento da bike.

Rigidez, por outro lado é algo que se sente, mas que é raro alguém medir, se é que medem...!

Nesse caso, todas as bikes deveriam ter 1,5 de coroa, eixos de 20 ou mais mm... :roll:


Eu até com a Brompton me divirto! E acho que tem 20mm de curso atrás, e cerca de 7mm de curso à frente com a flexão do volante.... :mrgreen:
 
F

Fcoito

Guest
#46
Antes demais quero-te agradecer pelo excelente tópico :venia:
São analises com este nivel de promenor que fazem falta.

Parabens! Quase que me convenceste a trocar por uma bike de suspensão total :yeah:
 

gigas1001

Utilizador Banido
#53
Boas,simplesmente excelente,adorei,seria possivel fazer o mesmo review a outras marcas?ou melhor,a outras maquinas?acho que estamos todos á espera de mais um review porque este faz inveja a muita revista que ha por aí,estão de parabens!!!!!!!!!!!!!!!!:D:D
 
#54
Parabéns pelo ensaio. Está muito profissional e com uma qualidade ao nível dos melhores.:p

Sou o feliz proprietário de uma máquina destas. Optei por instalar uma Fox Talas 150 na frente e tenho o RP23 Boost Valve atrás e acho que é efectivamente uma opção muito válida. Nas subidas mais "a doer" baixo a suspensão para os 110mm e fico com imediato controlo sobre a frente da bike, deixando de andar a bailar por todo o trilho. Desta forma, o VPP mantém-me a roda de trás colada ao chão e com tracção permanente, e a Talas permite-me ter controlo total sobre a roda da frente mantendo-a colada ao chão e direccionável. O controlo sobre a bike é total. O único ponto fraco é mesmo... o condutor!!! LOOOL

Boas pedaladas,
Bentania
 
Last edited:
#56
Depois de tudo o que foi dito, só posso reforçar o sentimento de parabéns, e o de excelente trabalho. Tomara muitas revistas da especialidade apresentar artigos tão bons como este. PARABÉNS.:#1: