Covilhã - Torre [2000 meters closer to the sky!]

#1
Durante 3 épocas natalícias existiu sempre uma passa que tinha este desejo, depois de a cerca de 3 anos atrás ter subido a um 4º andar e ter ficado com o coração na boca, chegou então finalmente o dia…



Confesso que o nervosismo estava cá, mas chegou a altura de calçar os sapatos e durante 22km esquecer as Troikas, os IVA’s, os problemas… 2horas onde o meu mundo se iria limitar apenas a um monte de rochas coberto por alcatrão… que já foi conquistado pelos maiores ciclistas de todos os tempos, tinha apenas uma certeza… ia chegar onde eles chegaram nem que chovessem picaretas!


Parti então do centro da Covilhã, a cerca de 22km da Torre. Gostaria de ter começado um pouco mais abaixo, teria sido benéfico para o aquecimento, mas o tempo não era muito.


Decidi então controlar a “máquina bombeadora de líquido vermelho” no quilómetros iniciais, para compensar a falta de aquecimento. Estava a espera de sentir algum peso nas pernas devido a maratona de Idanha-a-Nova no domingo passado mas a adrenalina é uma droga do catano!! :D


3km depois tive a minha primeira placa motivadora! Bem que precisava pois tinha já apanhado umas belas paredes, e sem inclinações que dessem para descansar…


Começaram então as placas que me iriam acompanhar ao longo do percurso. Na 1ª passei logo o meu record de altitude.. que curiosamente tinha sido estabelecido a 2 dias atrás em Monsanto (aldeia mais portuguesa de Portugal, linda! recomendo!)



O calor começava a fazer das suas… atrás de mim ficava um rasto de suor, até pensei que tinha o radiador furado! Acho que passou por mim um mecânico da zona a esfregar as mão de contentamento! :p


Depois dos 1200m cheguei finalmente a uma zona em que dava para descansar um pouco os “pistões” , e a paisagem ajudava bastante! Foi nesta zona que deu para subir um pouco a média, apesar de não ser a direito, dava facilmente para colocar andamentos mais pesados e atingir cerca de 25km/h.



1400 metros na zona das Penhas da Saude… brevemente iria começar a doer novamente.


Mais umas centenas de metros a frente vi o que faltava ainda trepar… faltavam “apenas” 400metros. Nesta zona temos uma pequena descida de 500 metros.. recomendação: estiquem as pernas!!!!


Ah pois Zé Pinto… se calhar nesta altura pensaste em sacar da internet uma foto da Torre… e depois fazias uma montagem no paint… my friends até fiquei com pele de galinha. Faltavam 7km para o objectivo. Para aqueles com um “bom olhal”(LOL) já se vê um pouco da Torre lá em cima a fazer pirraças…


Tu queres ver que afinal não é a Estrela que te vai derrotar mas sim uma bela de uma marrada!?!


Bem, depois deste sinal ou nunca desceu dos 10% ou então foi a minha roda da frente que dilatou. De vez enquando lá passava um turista a acenar ou a fazer um grande confere! O que me fazia pensar que de Armstrong não tinha só a camisola! Erradamente claro (era da falta de oxigénio :p ).


1700 metros… e de repente o gajo que vinha todo todo esgargalado com calor sentiu novamente um arrepio, mas desta vez não era de emoção mas sim de frio. Estava geladinho! E começou a rezar para que a menina do carro de apoio passasse com um chocolate quente… ou um daqueles cães com um mini-barril ao pescoço.


1800 metros… e o que sempre ouvi falar acerca da redução de oxigénio tornou-se realidade. Tinha estabelecido um intervalo de 160 a 170 batimentos por minuto para toda a subida … mas estava com dificuldades em manter abaixo dos 185 nesta zona. A velocidade era a mesma, a inclinação também.. mas o pulmão já não.


1900 metros… o frio e as dores desapareceram…


Aos 1930 metros comecei a pensar o que dizer no vídeo prós Zés…


E agora palavras??? Para acabar o rescaldo… não as tenho… parece que os Zés vão ter de me acompanhar em 2012.



Subida duríssima… longuíssima… conhecem mais a acabar em “íssima” ??



Ahhhh… é verdade… quando eu pensava que as minhas supra-renais não tinham mais adrenalina para segregar.. eis que me lembro: “Péra lá!! Se subiste 22km.. vais descer 22km!!!!!”


Um grande abraço a todos!!
 
#2
essa primeira parte sem aquecimento é que podia ter matado a jornada :)

mas uma vez que controlaste a pulsação foi o mesmo que aquecer em recta eheheheh

parabens!!!!
 
#4
Parabéns Zé,de um Zé que também já fez algumas dessas subidas,faltando por acaso essa da Covilhã,mas no próximo ano não deixarei escapar,mais uma vez,um muito bom foto-report.

Abraço

JAndrade
 
#5
Parabéns! bela aventura e subida! :):p;)
óptimas fotos/relato e muita diversão, grande conquista!;)
apesar de ter "começado a frio", fez bem em controlar a pulsação e fazer o inicio mais suave.

tb já fui à Torre, mas por acaso tb me falta fazer a mesma pela Covilhã :cool:

Boas pedaladas
Cumps,
Pedro
 
#11
Boas!

Este ano tambem fiz essa aventura, mas fiz mais km, foram a volta de 100km, mas pelo o lado de manteigas, a subida e menos inclinada ate ao ponto dos limpa neves a seguir e igual, mas as sensaçoes tambem foram essa a passagem tambem muito giras que nao da para apreciar de carro.
 
#12
Já fiz o percurso Covilhã - Torre - Covilhã, mas foi a pé, há uns 12 anos atrás! Na altura também o queria fazer de bicicleta, mas não dispunha de uma lá pela zona! Ainda tentei engendrar um esquema de empréstimo de uma bicicleta em troca da prestação de um serviço técnico de reparação e manutenção de uma, mas no dia previsto para a subida, o proprietário dela faltou à palavra e não cumpriu o acordado! :musica:

Mas ando há mais de uma década com a ideia de fazer esse percurso um dia!
 
#16
Olá a todos,
hoje dia 25 de Novembro de 2011, levei a minha esposa ao trabalho em Nelas e segui para Seia. Deixei o carro no parque de estacionamento do Pingo Doce, equipei-me peguei na minha Mondraker factor RR suspensão total, e parti para a Torre. Controlei a pulsação para um valor entre os 130 e 140 pois já tenho 49 anos e subi. Foram desde o P.Doce ate lá cima 32 km sempre a subir com a excepção do Sabugueiro onde descemos para aí uns 3 km, mas como voltei a descer a serra conto o total como subida, demorei a um ritmo agradável mas muito duro 4h e 30m subida e descida e almoço de uma sandocha de queijo da serra regada com uma super book na torre. Foi bastante agradável e recomendo a todos pois é um desafio espectacular e a alegria de lá chegar é muito mas mesmo muito boa. Abraços.
 
#17
Boas a todos. Este domingo juntamos um grupinho de pessoal da Covilhã e decidimos subir à Torre aproveitar o excelente tempo que tem estado. Foram 51.75km com 1750 de acumulado nos primeiros 26km... duro mas valeu a pena.

Para quem quiser ver está em baixo o vídeo da volta:

[video=youtube;c-1KnhQ5d9k]http://www.youtube.com/watch?v=c-1KnhQ5d9k[/video]
 
#18
é uma volta que nao aconselho de inverno, chega-se la a cima muito quente e depois faz-se a descida enorme com temperaturas negativas, por muito bom que o equipamento seja passa-se sempre um frio dos diabos, se querem subir à torre façam-no no verão que é sempre a melhor altura e mesmo assim na descida em pleno agosto passa-se algum frio.
 
#19
Fiz a subida da serra hà 2 anos, mas de bicicleta de estrada.Para o aquecimento saimos do Fundão e fomos rolando até à Covilhã e depois é sempre a subir.Não é um percurso fàcil, mas é para repetir....qualquer dia.....