Ciclismo/Doping

#21
Sinceramente não acredito que não acabassem, mas mesmo que seja verdade, há que alterar configuração das provas, de modo a que possam ser praticáveis. O tour começou em 1903, o giro em 1909, nessa altura já havia atletas a doparem-se? ou foi o facto de o doping (não só este facto mas também o desenvolvimento tecnológico) ter aumentado as prestações dos ciclistas, que tornou a filosofia inicial inadequada e que levou a que se façam hoje +- 3000 km em 20 dias seguidos?

É que eu acho que as exigências aumentaram porque foram atrás das prestações crescentes dos atletas e não os "pobres" atletas se tiveram que começar a dopar para conseguir fazer as referidas distâncias com boas prestações.

Tudo isto faz o efeito "bola-de-neve" eu dopo-me, ando mais, tu vês que não dá assim e arranjas melhores aditivos e andas mais, e assim sucessivamente. As organizações das competições vêm que com tanto andamento as etapas que foram feitas para "puros" não são competivivas assim, e toca de esticar e esticar, e depois começa a ser demais e melhora-se as técnicas de dopagem.... e não pára!

:S

Não concordas que embora difícil, se ninguém tomasse nada era em desporto mais bonito, mais verdadeiro?

Cumprimentos
 
#22
Nessa altura não sei se havia pois ainda não era nascido e nem andava de bike, mas segundo sei na altura do Agostinho já existia sim...

Acho que te esqueces do pormenor de que as etapas nessas alturas não eram tao duras como hoje em dia(quer em termos de desnivel ou de distancia) apesar de os atletas fazerem o percurso em total autonomia...mas e será que nessa altura havia controlo anti-doping?

Eu não sou a favor do doping, apenas me revolta que só falem de casos de doping no ciclismo e que cada vez mais a imagem do ciclismo seja denegrida a custa disso e que plo que me consta é o ciclismo o desporto mais fustigado com os casos de doping.

Experimenta competir ao mais alto nivel sem tomares qualquer tipo de suplementação e depois diz-me o que te acontece :roll:
 
#23
É engraçado ainda existirem "sonhadores" que acreditem mesmo que um dia poderá existir desporto de Alta-Competição sem o recurso a substâncias proibidas :wink:

Eu pessoalmente não me imagino a ver um Tour de France com o pessoal a chegar todo empenado ao fim das etapas e a fazerem médias inferiores a 40 km/h (para isso ia ver a Volta À Bidoeira)....

Sempre foi e sempre será assim pessoal e por mais bitaites que se mande é ridiculo alguém imaginar que só quem acusa no controle é que se dopa, enquanto não houver franqueza da parte de todos (principalmente a imprensa - que coitadinha acredita que a Nandrolona do controlo de um jogador de futebol vinha no chapôo do cabelo :mrgreen:) e todos admitirem que para se fazer qualquer desporto de ALTA-COMPETIÇÂO não há milagres, e SIM prefiro mil vezes ver malta que faz a sua profissão ao seu melhor nível (apesar de terem controlos fora de competição e serem acordados Às 7h da manhã para tirar sangue - o que não se vê em mais nenhum desporto!!!) e dá grandes exibições de espectáculo que leva milhares e milhares à beira das estradas do que ver um bando de empenados que não conseguem recuperar de uma etapa para a outra (porque nem uma injecção de complexo B podem levar - não vão eles ser presos por isso, às tantas... :s).

Agora evitem é falar dos casos que só mancham o nosso desporto (ciclismo/btt) sim porque o Absalon não ganhou as últimas 4 provas consecutivas da Taça do Mundo só com esparguete ok? :wink:... que é por causa de tópicos destes que o Futebol para a imprensa=opinião pública há-de ser sempre o desporto Rei (só se fôr do ridículo)
 
#24
Eu não peço a uma pessoa mais que ela me pode dar.

Se quiser ver altas prestações, monto um motor na minha bicicleta... Porque se só sou um instrumento para me meterem m*rdas no sangue para que aguente tudo, prefiro estar no sofá a jogar playstation: isso sim é artificializar! E como deve ser!!

É exactamente por não pedir às pessoas mais do que elas me podem dar que a partir de agora me irei calar neste tópico.

Cumprimentos a todos e boas pedaladas
 
#25
pacheco said:
....

É exactamente por não pedir às pessoas mais do que elas me podem dar que a partir de agora me irei calar neste tópico.

...
Bem eu estou estupefacto com o que leio por aqui. Corrijam-me se estiver errado, mas vejo aqui pessoas que competem e defendem o doping. Será este o futuro (o presente já o é)? Continuamos com a verdade adulterada? Continuaremos a fazer como a avestruz e enfiar a cabeça na areia?

Sou mesmo muito "burro" pois para mim ser melhor que o outro não é colocando coisas no meu corpo, mas sim ser mesmo melhor, quer seja por praticar/treinar mais, quer seja pelo minha maior capacidade de esforço, quer seja.... . Seja pelo que for, que nunca seja de modo artificial, pois eu não gosto de ser enganado e muito menos por mim. Se eu ganhasse algo apenas pelo doping ir-me-ia sentir o maior frustrado do mudo e sentir que tinha acabado de me enganar :!:

Abaixo o engano! Abaixo o doping :!: :!: :!: :!: :!: :!: :!:
 

taos

New Member
#26
José Azevedo: "Não há modalidade tão controlada como o ciclismo"
08.07.2007 - 14h37 Filipe Escobar de Lima

José Azevedo, ciclista do Benfica que disputou três Tours com a camisola da Discovery Channel, antiga equipa de Lance Armstrong, considera que o programa antidoping do ciclismo é mais apertado do que em outras modalidades e que, por isso, a imagem pública do ciclismo está mais associada à dopagem.

"Não vejo ninguém nas outras modalidades a fazer o número de controlos sanguíneos que se fazem no ciclismo. Eu não digo que não exista doping no ciclismo, mas a relação casos positivos/número de testes não é uma proporção assim tão grande como as pessoas fazem crer. Deve ser até um dos desportos com índice mais baixo", vincou Azevedo, ao PÚBLICO.

"O ciclismo está numa fase não muito positiva. Iniciou-se há um ano com a Operación Puerto e esse caso tem afectado a modalidade. Há ciclistas cujos nomes foram envolvidos mas até ao momento não se provou nada - houve outros que acusaram o uso de substHá ciclistas em Espanha e Portugal com registos sanguíneos anormais
08.07.2007 - 13h59 Duarte Ladeirasâncias (e confessaram os erros que cometeram) e é altura de as pessoas fazerem uma separação. O ciclismo é envolvido porque se calhar é o desporto mais perseguido pelo controlo antidoping", diz Azevedo.


Porque será José?? declaracoes infelizes estas.mais um na onda da desculpabilizacao tentando justificar algo...



O presidente da União Ciclista Internacional (UCI), Pat McQuaid, revelou que este organismo e representantes das equipas de elite discutiram recentemente registos sanguíneos de ciclistas e que “os parâmetros de alguns de Espanha e de Portugal eram anormais”. “Porquê? Não sei. O que posso pensar é que alguns ciclistas não aceitam que a cultura de doping terminou e continuam a tentar enganar o sistema”, disse, em entrevista ao PÚBLICO.

PÚBLICO - Que espera do Tour?

PAT MCQUAID - Uma excelente corrida, muita paixão e drama, novos nomes, novos heróis, que alguns jovens se destaquem e mostrem ao mundo que é possível correr e brilhar de forma limpa. Precisamos de novos heróis nos quais o público acredite.

Todos os ciclistas do Tour assinaram o compromisso para um novo ciclismo. Foi uma vitória sua?

Não considero uma vitória, mas sim uma forma de as pessoas mais importantes no ciclismo, que são os ciclistas, mostrarem ao mundo e aos media que querem um ciclismo limpo. Nem eles nem eu estamos preocupados com o passado, mas sim empenhados no que deve ser o futuro.

Alguns ciclistas dizem que o documento viola os seus direitos...

Não concordo. Não se trata de um documento com valor legal. Tivemos pedidos de equipas, ciclistas e advogados para serem mudados alguns termos. Recusámos porque queremos mantê-lo simples. Qualquer ciclista que não queira assinar um compromisso como este vai levantar dúvidas dentro da sua equipa. Vão questionar-se porque é que ele não assinou algo tão simples e que diz: não estou envolvido em doping, não quero estar, não vou estar, estou convicto desta decisão e, se violar as regras, perco o que ganhei. Na minha opinião, algo deste género não viola direitos.

A Associação de Ciclistas quer que outros envolvidos no ciclismo - directores, médicos e organizadores de provas - assinem este pacto. Concorda?

Totalmente. Quando apresentei o documento às equipas, disse que iríamos preparar compromissos semelhantes para os directores e o pessoal de apoio, que serão enviados a todas as equipas na próxima semana. Entretanto, logo depois de eu ter apresentado a ideia, algumas equipas enviaram declarações assinadas comprometendo também médicos a não usarem dopantes.

Está à espera de outro caso Landis?

Não! Mas é preciso realçar que no ano passado tivemos uma enorme falta de sorte. Fizemos 600 testes, com um só positivo, o que, em termos estatísticos, é muito bom. Infelizmente foi o vencedor. E isso teve um enorme impacto e causou danos. Se tivesse sido um ciclista pior classificado, teria pouco efeito.

Para quando uma decisão sobre Landis?

Provavelmente nas próximas duas semanas.

Em pleno Tour...

Não interessa que seja durante ou depois. Qualquer que seja o resultado, bom ou mau do ponto de vista desportivo, iremos lidar com a situação.

Já tem todos os documentos da Operación Puerto?

Só mil páginas. Disseram-nos que virão mais 5 mil. Temos um advogado a trabalhar nas primeiras e esperamos analisá-las o mais depressa possível. Mas também temos de ter em conta o recurso do procurador, da UCI e da AMA contra a decisão do juiz em arquivar o processo. Se o tribunal de apelo aceitar, o caso é reaberto, se não, tudo estará acabado, pois não iremos receber mais dados.

O director da Gerolsteiner disse que, numa reunião entre equipas e UCI, foram discutidos valores sanguíneos anormais de espanhóis e portugueses. Confirma?

Sim. Um médico mostrou estatísticas sobre parâmetros sanguíneos de ciclistas europeus e também de fora da Europa. Os parâmetros de alguns ciclistas de Espanha e de Portugal eram anormais. Porquê? Não sei. O que posso pensar é que alguns ciclistas não aceitam que a cultura de doping terminou e continuam a tentar enganar o sistema. Mas quero esclarecer que é apenas um pequeno grupo de ciclistas espanhóis e portugueses. A grande maioria dos europeus aceita que o ciclismo seja limpo.

 
#27
taos said:
José Azevedo: "Não há modalidade tão controlada como o ciclismo"
08.07.2007 - 14h37 Filipe Escobar de Lima

José Azevedo, ciclista do Benfica que disputou três Tours com a camisola da Discovery Channel, antiga equipa de Lance Armstrong, considera que o programa antidoping do ciclismo é mais apertado do que em outras modalidades e que, por isso, a imagem pública do ciclismo está mais associada à dopagem.

"Não vejo ninguém nas outras modalidades a fazer o número de controlos sanguíneos que se fazem no ciclismo. Eu não digo que não exista doping no ciclismo, mas a relação casos positivos/número de testes não é uma proporção assim tão grande como as pessoas fazem crer. Deve ser até um dos desportos com índice mais baixo", vincou Azevedo, ao PÚBLICO.

"O ciclismo está numa fase não muito positiva. Iniciou-se há um ano com a Operación Puerto e esse caso tem afectado a modalidade. Há ciclistas cujos nomes foram envolvidos mas até ao momento não se provou nada - houve outros que acusaram o uso de substHá ciclistas em Espanha e Portugal com registos sanguíneos anormais
08.07.2007 - 13h59 Duarte Ladeirasâncias (e confessaram os erros que cometeram) e é altura de as pessoas fazerem uma separação. O ciclismo é envolvido porque se calhar é o desporto mais perseguido pelo controlo antidoping", diz Azevedo.


Porque será José?? declaracoes infelizes estas.mais um na onda da desculpabilizacao tentando justificar algo...



O presidente da União Ciclista Internacional (UCI), Pat McQuaid, revelou que este organismo e representantes das equipas de elite discutiram recentemente registos sanguíneos de ciclistas e que “os parâmetros de alguns de Espanha e de Portugal eram anormais”. “Porquê? Não sei. O que posso pensar é que alguns ciclistas não aceitam que a cultura de doping terminou e continuam a tentar enganar o sistema”, disse, em entrevista ao PÚBLICO.

PÚBLICO - Que espera do Tour?

PAT MCQUAID - Uma excelente corrida, muita paixão e drama, novos nomes, novos heróis, que alguns jovens se destaquem e mostrem ao mundo que é possível correr e brilhar de forma limpa. Precisamos de novos heróis nos quais o público acredite.

Todos os ciclistas do Tour assinaram o compromisso para um novo ciclismo. Foi uma vitória sua?

Não considero uma vitória, mas sim uma forma de as pessoas mais importantes no ciclismo, que são os ciclistas, mostrarem ao mundo e aos media que querem um ciclismo limpo. Nem eles nem eu estamos preocupados com o passado, mas sim empenhados no que deve ser o futuro.

Alguns ciclistas dizem que o documento viola os seus direitos...

Não concordo. Não se trata de um documento com valor legal. Tivemos pedidos de equipas, ciclistas e advogados para serem mudados alguns termos. Recusámos porque queremos mantê-lo simples. Qualquer ciclista que não queira assinar um compromisso como este vai levantar dúvidas dentro da sua equipa. Vão questionar-se porque é que ele não assinou algo tão simples e que diz: não estou envolvido em doping, não quero estar, não vou estar, estou convicto desta decisão e, se violar as regras, perco o que ganhei. Na minha opinião, algo deste género não viola direitos.

A Associação de Ciclistas quer que outros envolvidos no ciclismo - directores, médicos e organizadores de provas - assinem este pacto. Concorda?

Totalmente. Quando apresentei o documento às equipas, disse que iríamos preparar compromissos semelhantes para os directores e o pessoal de apoio, que serão enviados a todas as equipas na próxima semana. Entretanto, logo depois de eu ter apresentado a ideia, algumas equipas enviaram declarações assinadas comprometendo também médicos a não usarem dopantes.

Está à espera de outro caso Landis?

Não! Mas é preciso realçar que no ano passado tivemos uma enorme falta de sorte. Fizemos 600 testes, com um só positivo, o que, em termos estatísticos, é muito bom. Infelizmente foi o vencedor. E isso teve um enorme impacto e causou danos. Se tivesse sido um ciclista pior classificado, teria pouco efeito.

Para quando uma decisão sobre Landis?

Provavelmente nas próximas duas semanas.

Em pleno Tour...

Não interessa que seja durante ou depois. Qualquer que seja o resultado, bom ou mau do ponto de vista desportivo, iremos lidar com a situação.

Já tem todos os documentos da Operación Puerto?

Só mil páginas. Disseram-nos que virão mais 5 mil. Temos um advogado a trabalhar nas primeiras e esperamos analisá-las o mais depressa possível. Mas também temos de ter em conta o recurso do procurador, da UCI e da AMA contra a decisão do juiz em arquivar o processo. Se o tribunal de apelo aceitar, o caso é reaberto, se não, tudo estará acabado, pois não iremos receber mais dados.

O director da Gerolsteiner disse que, numa reunião entre equipas e UCI, foram discutidos valores sanguíneos anormais de espanhóis e portugueses. Confirma?

Sim. Um médico mostrou estatísticas sobre parâmetros sanguíneos de ciclistas europeus e também de fora da Europa. Os parâmetros de alguns ciclistas de Espanha e de Portugal eram anormais. Porquê? Não sei. O que posso pensar é que alguns ciclistas não aceitam que a cultura de doping terminou e continuam a tentar enganar o sistema. Mas quero esclarecer que é apenas um pequeno grupo de ciclistas espanhóis e portugueses. A grande maioria dos europeus aceita que o ciclismo seja limpo.

Algures no meio do texto é dada referencia ao ciclismo como sendo a modalidade com controlo de doping mais apertado....ora agora pergunto-me eu como é que os futebolistas recuperam tão rapidamente das lesões? Será que não ha controlo?Eu não ouço falar muito nisso....

pacheco said:
Eu não peço a uma pessoa mais que ela me pode dar.

Se quiser ver altas prestações, monto um motor na minha bicicleta... Porque se só sou um instrumento para me meterem m*rdas no sangue para que aguente tudo, prefiro estar no sofá a jogar playstation: isso sim é artificializar! E como deve ser!!

É exactamente por não pedir às pessoas mais do que elas me podem dar que a partir de agora me irei calar neste tópico.

Cumprimentos a todos e boas pedaladas
Então queres tu dizer que os rapazes que estão no tour não deviam tomar nada? Muitos deles pra não dizer a totalidade iria ceder ao fim de pouco tempo de prova, pois o corpo por si só nao iria recuperar tão bem e nunca poderiam competir ao mais alto nivel.

Eu não defendo o doping, apenas defendo tudo o que nos mantem sãos enquanto praticamos desporto dito de alto nivel...
 
#28
Eu defendo um desporto sem doping.

Se não se podem fazer 3 semanas e 3500 kms, reduz-se. Se não se podem fazer médias de 40 e tal kms faz-se menos.

O grande problema do doping é que por muito controlados e por muitos controlos que existam vai haver sempre alguém que consiga enganar o sistema. Por isso é que concordo com esta nova lei, está dopado paga o salário anual. Ou seja, vamos lá ver quem é o herói que se arrisca a isso.

E o doping não é só no desporto de altíssima competição. Há muita gente que se dopa em eventos que nem control anti doping têm. Como me dizia um amigo meu, com dinheiro arranja-se tudo.

Votos de muito desporto sem doping
 
#30
O doping é natural na alta competição, agora estar institucionalizada, como parece estar no ciclismo é um escandalo. É precisamente isto q está a ser mudado, a existencia de doping é natural e é sinónimo de atletas que pretendem ser cada vez melhores, o que é saudável para o desporto.

Agora estar institucionalizado que tens q usar doping apartir daquela idade, ou nivel desportivo, se quiseres fazer desse desporto profissão, antes de esgotar todas as potencialidades das ciencias do desporto é um erro triste, na minha opinião existem demasiados médicos no ciclismo, não conheço nenhuma equipa, pelo menos nacional, que desenvolva os seus métodos baseados nas ciencias do desporto, todas tem é 1 ou 2 ou até mesmo 3 medicos a trabalhar em equipa. É inevitavel, os medicos são especialistas em manipulações quimicas.
A formação de equipas deve estar baseada no desenvolvimento de todas as capacidades dos atletas. Pq raio não temos atletas internacionais? duas possiveis razões, simplesmente um puro erro no timing que devem usar doping. Ou mto cedo e criam limitações no desenvolvimento das suas capacidades ou simplesmente nunca tem acesso a nada desse mundo.