Caminho Francês de Santiago com partida em finais de Julho de 2011

#21
Quando fui em 2009 também levamos as bikes assim como tu...
Mas agora as regras da CP são mais apertadas ( para lhes enchermos os bolsos).
 
#22
Depois de ver estas aventuras, fiquei com vontade de fazer uma grande peregrinação! tenho férias na 1ª quinzena de julho e gostava de fazer o caminho em 7 ou 8 dias...Alguem quer ir? P exemplo Ida a 28 de junho e volta a 5 de julho

cumprimentos
Rodolfo Feitor
 
#23
Uma outra questão para quem já fez o caminho francês: onde é que obtiveram a vossa credencial do peregrino, adquiriram-na antecipadamente em Portugal ou solicitaram-na em Saint Jean Pied-de-Port? E quanto custou?
 

shelltox

Super Moderador
#24
Basicamente fiz o mesmo, mas em cartão. Aproveitei uma caixa de uma bike, cortei (110x70x20) e pus tudo lá dentro.

Quando comprei o bilhete ( quarto de 3,acho que €128 ) para o sud-express não disse nada sobre a bike, porque tinha informado via site CP, fora dos regionais/inter-regionais as bikes só desmontadas em volume que caiba nos espaços destinados ás bagagens. Acabei por não ganhar companhia extra do quarto. Tive serviço despertar:D e o peq-almoço a ser servido no comboio meio aos solavancos, foi engraçado.
Coube perfeitamente:D
e o revisor até ajudou a arrumar(é um quarto mas não abunda o espaço!)

Quanto ás etapas.. após os caminhos que fiz ,continuo a não programar rigidamente as etapas, para mim há duas que merecem mais atenção (subida á cruz de ferro e o Cebrero). Faço a média diária(distancia/dias disponíveis),no francês era cerca de 70 por dia ..uns dias fiz 50, outros cheguei a fazer acima dos 100km. No ano que fiz o francês, deixei-me de ver Santiago á pressa e fiquei para o dia seguinte para passear e no final da tarde então regressar.
As refeições, onde comer há sempre! isso é certo mas eu que fiz sempre em classe económica a fazer as refeições, rapidamente aprendi a andar sempre com uma refeição em stock. Admito que tenho um estilo descontraído, nem etapas rígidas, nem horários, quando deixavam-me dormir era até ser acordado pelas senhoras da limpeza, visitar o que queria, o que despertava interesse, foi sempre um bom momento do dia passar pelos peregrinos que tinham estado no mesmo albergue e pedalar enquanto há luz..por isso chegar ás 22h ao Albergue aconteceu. Uns visitam os locais após chegarem ao albergue, eu o fiz durante a etapa.

(ex das barraquinhas do cafézinho, chá, bolacha, conversa..)
Os tracks, não são essenciais, o caminho francês é bem diferente do português, bem marcado, já marcações de placas, azulejos, sinais nas calçadas e as clássicas setas, os únicos momentos em que tive de recorrer ao track foi sempre nas cidades, pois as marcações estão á esquerda e nós de bike vamos pela direita, além de nossa velocidade não permitir ir com tanta atenção entre o transito, pessoas, etc.
Mas eu nem gosto de recordar que encho-me de nostalgia.

Para ultima etapa vou dar mais uma sugestão(fiquei em Arzua) mas teria ficado em Samos que tinha muito bom aspecto.
As credenciais pedi sempre antecipadamente cá em Portugal.
Qualquer coisa contactar a protecção civil, sempre foram muito prestáveis comigo.
 
#25
Para ultima etapa vou dar mais uma sugestão(fiquei em Arzua) mas teria ficado em Samos que tinha muito bom aspecto.
As credenciais pedi sempre antecipadamente cá em Portugal.
Qualquer coisa contactar a protecção civil, sempre foram muito prestáveis comigo.
Samos tem muito bom aspecto mas o Albergue não é grande coisa, é preferivel ir até Sarria e ai tem 4 Albergues muito bons...

Quanto á Credencial podes pedir aqui em Portugal, neste site tens toda a informação possivel

http://www.jacobeus.web.pt/
 
#26
Na travessia do Caminho Português, em 2010, pedimos as credenciais no albergue de S. Pedro de Rates. Talvez faça o mesmo este ano.
 
#27
Os últimos dois meses têm sido bastante activos no que diz respeito à preparação desta viagem. Desde a pesquisa sobre o Caminho, passando pelos diversos contactos na busca de apoios, até ao design do site, do jersey e de alguns outros materiais de divulgação, houve uma série de actividades que tornaram esta viagem possível e com um grande suporte.
Não sei se há por aqui muito pessoal a contar fazer o Caminho Francês em breve. Em todo o caso, deixo-vos alguns links directos para o nosso site, com os tópicos que me parecem mais interessantes.
- As Etapas
- Mochila ou alforges?
- De Portugal até SJPP em automóvel, sem portagens
- O jersey oficial

Já estou com aquele nervoso miudinho por se estar a aproximar o grande dia em que vamos partir para França para iniciar esta grande aventura :).

 
#28
Não tenho tido oportunidade de actualizar o tópico porque o pouco tempo que tenho para escrever limita-se ao site. Tenho feito um resumo todos os dias no site, pelo que enquanto não regresso podem ir acompanhando a viagem em www.rumoasantiago.com
 
#29
E pronto, já estamos de volta. Foi uma experiência fantástica e que quero, sem dúvida, repetir no futuro.
Aconselho toda a gente que está apenas a pensar em fazer o Caminho Francês que o faça. É uma aventura sem igual e plena de experiências enriquecedoras. E acreditem que não é preciso estar no topo da forma para ultrapassar tantos quilómetros, basta irem ao vosso ritmo que tudo se faz. Ah, e claro, comer bem, que foi a nossa máxima :).

Embora eu tenha feito crónicas da viagem dia a dia no site, vou tentar transcrevê-las para aqui assim que tiver oportunidade.
 
#30
Parabéns pela travessia nfh

Está nos meus planos a curto prazo fazer o Caminho Francês, e para isso vou contar com as dicas que tens no site.

Abraços
 
#31
Fica à vontade para perguntares o que quiseres.
Eu pretendo fazer um apanhado geral da viagem, com a descrição de alguns pormenores da viagem que não abordei nas crónicas diárias. Mas como entretanto tenho de por um trabalho pendente em dia antes de prosseguir com as férias "a sério", acho que vou deixar isso mais para o fim de Agosto.

Uma coisa é certa: já começo a pensar no próximo Caminho para fazer no Verão de 2012 :). Como adorei a última parte do Caminho Francês, sou capaz de optar ou pela Via de La Plata (que vai dar a Astorga), ou eventualmente o Caminho Vasco. O Caminho do Norte é também um forte candidato, mas os relatos da dureza e uma espreitadela ao relevo na zona por onde este passa faz-me pensar antes de ir por aí :), pois implica uma logística em termos de tempo e km/dia diferentes do Caminho Francês.
 
#32
Tens razão em relação ao Caminho do Norte, já ouvi dizer que é duro, a Via de La Plata também deve ser porreiro e para mim é bom porque começa em Sevilha.

Abraços
 
#33
Pois, a Via de La Plata tem a vantagem de começar relativamente perto de Portugal. Provavelmente não o vou fazer a partir de Sevilha, porque exige demasiados dias a pedalar e não consigo dispor de tanto tempo. Quero ver se aponto para 13 dias, incluindo o percurso até Finisterra, pelo que provavelmente partiria da zona de Salamanca.
Seja como for, neste momento é tudo muito embrionário, ainda é a adrenalina do Caminho Francês a descarregar :).
 
#34
Tens razão em relação ao Caminho do Norte, já ouvi dizer que é duro, a Via de La Plata também deve ser porreiro e para mim é bom porque começa em Sevilha.
É duro mas é fabuloso...
Paisagens e trilhos fantásticos para o ano irei fazê-lo outra vez!!
Atenção que a Via de la Plata também é durinha,não pensem que é só rolar...
Dia 16 de Setembro irei fazer Salamanca- Santiago e Santiago Ferrol ( Caminho Inglês).
Abraço e boas pedaladas

Paulo Freitas
 
#35
O Caminho do Norte não está fora de questão... isto é, mais cedo ou mais tarde hei-de fazê-lo :). Tem é de ser uma coisa mais bem pensada, porque fazer os 800 e tal quilómetros do caminho Francês não é a mesma coisa que fazer os quilómetros do caminho do Norte. Este último tem aquilo que mais aprecio (descidas, trilhos muito bons, etc), mas é preciso pernas para subir aqueles montes todos.

A Via de La Plata parece-me mais parecida com o caminho Francês, com zonas bastante planas e de vez em quando uma ou outra zona com mais relevo. Do pouco que vi a variante pelo caminho Sanabrês parece-me a parte mais dura, e ainda estou na dúvida se vá conhecer essa variante ou se opto por revisitar o caminho Francês a partir de Astorga, tomando essa variante da Via de La Plata.
 
#36
A Via de La Plata parece-me mais parecida com o caminho Francês, com zonas bastante planas e de vez em quando uma ou outra zona com mais relevo. Do pouco que vi a variante pelo caminho Sanabrês parece-me a parte mais dura, e ainda estou na dúvida se vá conhecer essa variante ou se opto por revisitar o caminho Francês a partir de Astorga, tomando essa variante da Via de La Plata.
Aconselho-te o Sanabrês...é espetacular,e uma vez que já fizeste o Francês conheces outra zona!!
 
#37
Como comparas o Sanabrês com a última parte do caminho francês (a parte galega do caminho), em termos de dificuldade, trilhos, e até mesmo pessoal a circular nos caminhos?
Eu por acaso estava com receio que a quantidade de pessoas a circular nos caminhos fosse dificultar o apreciar dos trilhos. Na realidade até correu bem, porque isso raramente foi dificuldade (muito embora nós tenhamos optado sempre pelas variantes para bicicleta, como foi o caso da subida a O Cebreiro).