BeOne Black - 7881 g

A mim resumiu-se mais a:
11-28 porque?
- Porque queria experimentar;
- É leve (220g com anél de aperto XT -dica do Ficaçador);
- É barata;

Claro que se a minha bike fosse mais pesada, ou tivesse rodas mais pesadas, talvez já não fosse a indicada.
Mas sinto que subo tudo na mesma, e ganhei melhor rendimento a rolar.
Por outro lado, o meu tipo de andamento (mais em força) permite-me disfrutar bem das relações da cassete e se a subida for mais dura, simplesmente obriga-me a entrar nela mais depressa! :D
Ah...e last but not least, assim passei a usar menos o prato de 44 dentes e uso mais os outros dois, que quando for tempo de trocar, sai mais barato do que se tiver que trocar o de 44 (bem mais! :D)

Experimentem....vão ver que as relações não andam muito longe dos 2x10 setups que se começam a ver muito por ai! ;)

P.S. Também foi graças à ideia do Ficaçador que eu decidi experimentar esta cassete! Mais uma vez, obrigado pela dica Ficaçador! ;)
 

tinric

Super Moderador
A minha próxima cassete será certamente a SLX 11-28 e porquê!? 34-35€ (bom)

Não me convence em nada o 2X10 pelo que vou andar por muito tempo com 3x9
Senão vejamos...
Imagine-se uma relação pratos 28/40 para cassete 11-36 (nem sequer entrando pelo peso)

28/36=0.778 (a relação mais leve) (claro que podemos pensar em pratos de 26 ou 24 mas isso não é uma avozinha à mesma!? )

Agora vejamos um 3x9 22/32/4?? com 11-28

22/28=0.786 (a relação mais leve)

Nada mas mesmo nada demais em relação à diferença de rácios... e a nivel de peso e relações mais pesadas... acho que para quem tiver um bocadinho de pernas ou pense nas relações 2x10... é como dizia o outro.. é fazer as contas :)

Abraço e parabéns pela máquina e resultados.

EDIT: Com isto quero dizer.. para quê maiores se podemos usar menores... logo mais leves.
 
Last edited:
Obrigado pelos comentários!

A ideia da cassete 11-28 não é nova, muito menos minha. A SLX 11-28 vem no seguimento da Dura Ace 12-27 que usei antes, ideia que retirei, se não me engano, do tópico do Batas, que por sua vez deve ter visto em forums internacionais penso eu...

Eu até nem pedalo em força, a minha solução, quando possível, é andar mais depressa e manter a cadência.
A talega uso tanto como usava com 12-27 e 11-32. O prato 22 esse é que em certar subidas o mais sensato é desistir de tentar subir tudo no prato 32 e passar para o 22 mais cedo. Assim aproveito mais o prato 22, que com uma cassete 11-32 nesta bicicleta raramente era utilizado.

Também depende obviamente da utilização. Quando participei nas 24h de Coruche numa dupla, é claro que levei a 11-32!
Se fizesse XCO, confesso que apenas 2 pratos seria o ideal, ou mesmo só 1 em alguns circuitos menos rolantes era suficiente. Mas com cassete 11-34 ou 11-36.
 
Achei a solução de uma cassete tão curta uma forma interessante de tirar peso com pouco dinheiro, mas acho que está muito dependente da utilização que damos à bicicleta, porque para mim em 1º lugar quando fiz a mudança para 2 pratos, o tempo e praticabilidade que me tirou de ter que andar a mudar entre os 3 só por isso valeu a pena a mudança, depois as passagens passaram a ser mais suaves, talvez por serem pratos XX no meu caso. O que mais gosto de fazer é XCO e posso afirmar que tenho 34 na cassete e uso 26-39, em algumas provas mesmo de XCM não é nada inédito me passar pela cabeça meter um 36, já fez falta varias vezes este ano, eu pedalo bastante em rotação, mas colegas que usam cassete com 32 atrás e que conseguem meter muitos muitos watts na roda traseira, têm que fazer um equilibrismo do caneco em algumas subidas, por irem tão pesado, a falta de uma talega maior nunca tive, muita gente pergunta isso, mas consigo pedalar até aos 45km/h , e não me acredito que a malta ande a fazer maratonas que role a 40-45km/h , para necessitar de relações pesadas mais pesadas.

Sou da opinião que onde se puder baixar o peso, go for it, quanto mais barato melhor, mas a todo o custo não pode ser, e por exemplo 3 pratos, no meu caso, acho muito menos prático que 2, e no stress de uma prova, quanto mais simples conseguirmos manter as coisas sacrificando o menos possivel as pernas, melhor, porque já houve casos de fazer uma prova inteira sem tirar o prato maior, e num prato com 44 dentes isso seria totalmente impossivel, como quando tinha a avozinha, usava 2-3X cada 50km daí avançar por algo no meio, se não houvesse força desmontava e corria, porque as vezes eram realmente muito poucas.

Não sei como é para aí, mas aqui no algarve as subidas costumam ser muito duras, ou o ritmo talvez seja muito duro, e ires a pedalar em força normalmente não é a solução, mas como já alguém disse tem muito a ver com cada um e o fim que se está a dar. O Ficaçador não anda a passear, portanto o rapaz até tem bastante genica nas pernas. :)
 
Desenterrado directamente da 7ª página...

Parecendo que não, esta "bicicleta de montra" tem dado umas voltinhas. Poucas, mas tem!
Em compensação, das poucas vezes que anda leva logo uma grande dose, que é para equilibrar com as outras.

Ora aqui ficam umas recordações dos sítios por onde andei de BeOne este ano de 2012:


E para este fim de semana está marcada a maior dose de sempre em maratonas, são 115 km com quase 3000 m de acumulado. Onde? Em Castelo Branco pois está claro!

Ela já está pronta, como se pode ver:




Quem está mais atento deve ter reparado em uma ou outra alteração, mas já lá vamos...

Primeiro que tudo montei o rebuid kit da Crank Brothers. Não é preciso desmontar as mangas de dentro das molas, que é a parte mais complicada, e os pedais ficaram NOVOS!



Voltando às alterações, sim, os pneus:
São uns Maxxis Aspen Exception 2.1 e Ignitor Exception 2.1. Os pesos não são maus, só é pena que o Aspen ainda não tenha o Silkworm e que o Ignitor 2.1 seja na verdade um 47 mm, mas sobre os pneus escrevo e mostro os pesos noutro dia quando os tiver experimentado, pois vão novinhos a estrear para o X100!
O que explica o porquê daquela bolsa por baixo do tubo horizontal, é uma câmara de ar que levo ali, pois este Aspen sem Silkworm não me dá muita confiança, ainda por cima está a perder pressão e não consigo descobrir por onde é que sai o ar.


E finalmente temos a grade de bidões Bontrager RL, que custa apenas pouco mais que 10€ e é bem mais bonita e funcional que qualquer grade de carbono, e o peso está à vista:


E é tudo, por agora.
Boas Pedaladas!
 
Já estava a ver esses logotipos nos pneus muito novos, depois quando eles andarem e sem perder ar, dá feedback disso.
Esse SN já está a ficar bem gasto n?Qualquer dia vais ter que colocar mãos á obra como alguns dos colegas aqui do canto da fizeram.
Em relação á grade de bidom, para esses valores e peso prefiro as da elite que agarram os bidons com unhas e dentes.!
 
Hoje conheci o Proprietário da Máquina, não deu para falar muito, mas uma coisa é certa quem mete um bike com tendências para o anorética na versão Extreme do X100 Castelo Branco (~3000 acumulado) tem que confiar no material e nas pernas.
Espero que a camara de ar se mantenha dentro dessa bolsa durante todos os Kms da prova.
Fazendo juz ao nome da Bike (Black) eu sugeria a remoção dos autocolantes das rodas, em todo o caso se preferes assim, assim é que está bem.

Boas pedaladas!
 
isto é que é ser um gajo rijo!! granda maquina, ai à dois anos quando participaste nos jogos do norte alentejano não percebia para que crias uma bike tão leve mas "agora" em estremoz ver-te a fazer um resultado daqueles na grande ja fiquei a perceber
 
Também concordo contigo Mecanico!
FiCaçador, retira os 'tós... E se um dia tiveres que 'forrar' o SN, opta pela cor preta. ;)

De resto tá top! Também tenho uma grade dessas na cyclocross e, apesar de relativamente pesada, prende bastante bem os bidões!

Também tenho que reconstruir os meus CB SL, o kit é o mesmo não é?
 
Boas,

Vou ser breve mas espero não me esquecer de nada.

Os "tó-clantes" dos aros são para manter, porque são os Olympic originais, os meus preferidos, e o vermelho combina bem com o restante da bicicleta. Ficavam era melhor com os Schwalbe por serem mais discretos que os Maxxis.

Bruno Silva, sim para os SL o kit é o mesmo, para os outros abaixo dos SL é que não é. E tem que ser para versões até 2010 acho eu, se não for 2010 anda lá perto.
O SN prefiro com a capa branca, para equilibrar com a suspensão. Mas só o forro se tiver mesmo que ser, se o rasgar.


Esqueci-me ontem de dizer uma coisa, a cassete mudei-a obviamente para a 11-32, já a tinha metido para PTG. Antes tinha ido a Estremoz com a 11-28 e "sobrevivi" sem deixar nenhuma subida por fazer montado, mas fiquei obrigado a gerir mal o esforço para o conseguir ultrapassar as subidas mais inclinadas.
Em PTG e agora em Castelo Branco com a 11-32 já foi o que foi, se tivesse levado a 11-28 nem quero imaginar!

E sim conheci o Mecânico antes da partida. Quanto à câmara de ar...




Continua lá!
 
Obrigado!

Bruno Silva, arranjar as molas é fácil, é só comunicar por e-mail com o alemão, em inglês, e pagar. O tipo responde rápido e a encomenda também demora pouco tempo. Depois montar as molas de Ti nos pedais é que não é nada fácil, bem que tentei mas tive que desistir, só graças ao ATX é que as molas lá estão!
 
Boas! Bem me parecia que estava a conhecer esta máquina em Castelo Branco! Muitos parabéns pelo resultado e pela montada, muito discreta e ligeira, tal como o dono!
 
A bike tem vindo a ser preparada para as 24h de Coruche, em que vou participar, pela primeira vez a solo.

Além da típica lavagem e manutenção pormenorizada, cabos novos nas mudanças, vou ainda voltar a colocar os pneus Schwalbe, vai ser o fim deles :twisted:
E vou experimentar uma relação nova no pedaleiro. Pela primeira vez vou usar um pedaleiro com 2 pratos!


Roubei o prato FSA de 34T e os parafusos KCNC à Rockrider.

A corrente também será nova, uma Sram hollowpin de 10v, que espero que não me deixe ficar mal.

E ainda lhe cortei um bom bocado depois desta pesagem!

Sexta-feira devo ter fotos da bike completa, quando for fazer o reconhecimento do percurso.

Boas pedaladas!
 

Nozes

Active Member
Corrente nova antes de uma prova = Bad idea! Vê lá se isso casa mesmo bem antes de te mandares às 24h ;)
Com uma relação de transmissão assim ainda eu experimentava 2 pratos :) Mas 34-11 é definitivamente curto para tudo o que não seja XC muito "enrolado".

Força aí nas 24H! Nada de ir a casa dormir umas sestas,é sempre a dar! :D
 
FiCaçador,

Eu também vou participar nas 24H de Coruche!
Tendo em conta aquilo que o Nozes te disse, vê se consegues ensaiar isso tudo bem senão ainda te acontece o que me aconteceu a mim há 15 dias no Raid de Minde. Troquei a pedaleira, a cassete e a corrente 2 dias antes. Não tive tempo de testar e deixar as coisas acamarem para depois dar nova afinação. Resultado, durante o raid, saiu-me a corrente 4 vezes! Não foi grave porque fui apenas para me divertir, mas se fosse para competir, o tempo que perdi tinha sido no mínimo "chato".