Andar de bicicleta em Lisboa

#1
Viva!

Nos próximos dias planeio em encomendar uma nova bicicleta para BTT, vou usá-la muito em saídas e fins de semana.

Mas este ano vejo-me a ter aulas num sítio com uma distância a minha casa algo particular: É muito longe e cansativo para ir a pé, muito perto para ir de carro, além de nunca haver lugar para estacionar, e para ir de metro implica trocar duas vezes de linha. Pensei então que nao havia melhor uso para dar à minha bike durante a semana do que colocar-lhe uns pneus de estrada e utilizá-la como meio de transporte.

Tenho no entanto umas quantas dúvidas, uma vez que nunca me arrisquei a andar de bicicleta pela cidade, apenas nos já conhecidos locais como o Parque das Nações ou a zona de Alcântara...

1) Que equipamento é necessário? Terei que usar sempre capacete? Reflectores nas rodas e na traseira da bicicleta presumo?

2) É seguro deixar a bicicleta parada no meio da rua (A maior parte das vezes no Campo Pequeno, mas claro que com dois cadeados a prender as rodas e quadro a algo fixo como uma daquelas divisões entre o passeio e a estrada), ou terei que tomar mais precauções, como por exemplo, levar o selim comigo.

3) É estritamente necessário andar sempre pela estrada ou posso utilizar os passeios (são bastante largos e não excessivamente "populados")?

4) Alguma dica em especial para andar na estrada? Em especial na travessia de rotundas (tenho MUITO receio da rotunda da praça Sá Carneiro no Areeiro, só a quantidade de Autocarros que lá passam até de mota me encolhia...)

5) Se utilizar um passeio e for alertado pela polícia posso argumentar em minha defesa que não é seguro andar de bicicleta nessa particular zona a propósito do elevado número de automóveis e condutores com um grave problema de ética? A polícia é muito mesquinha com este tipo de situações, ou deixa passar?


Por enquanto não me lembro de mais nada, obrigado pela ajuda.

Um abraço! :wink:
 
#2
Das coisas obrigatórias acho que só o capacete é que não é obrigatório. Mas de todas é a que mais deves ter em conta :wink: Ainda para mais num sitio movimentado como esse.

Quanto ao andar no passeio, não sei como é a policia aí em Lisboa. Aqui na minha zona (Figueira da Foz e em Coimbra) desde que vá com prudência (devagar sem fazer muitas tangentes e respeitando os peões, desviando-me deles em vez de terem que ser eles a desviar) então não costumam reclamar :wink:
 
#3
Também utilizo a bicicleta todos os dias em Lisboa para ir para o trabalho, tendo em conta essa "experiência" que tenho, os meus comentários ás tuas dúvidas:

1 - Capacete é essencial, tanto faz ser na cidade como no meio do monte, isto na minha opinião. Reflectores nas rodas não utilizo, mas quando os dias ficam mais pequenos, utilizo iluminação na bicicleta para ser visto com mais facilidade.

2 - Eu não deixava a minha bicicleta. Se não tiveres um sitio seguro para a deixares, não confies num (ou dois) cadeados no meio da rua

3 - Eu ando quase sempre na estrada, mas quando vejo que é possível ir nos passeios, vou para evitar os sítios com mais transito/perigo

4 - Muita precaução nesses locais, tens que ir com muita atenção é o único conselho que te posso dar, ou então evita esses locais e vai pelo passeio (nem que seja com a bicicleta na mão) e atravessa na passadeira.

5 - Durante estes meses todos que faço isso, só por uma vez me chamaram a atenção, na zona de Caxias. Disse ao policia que sim senhor tinha razão, mas preferia ir ali porque era mais seguro. Ele não quis saber, e eu fui para a estrada, durante 100m e depois voltei a subir para o passeio. No dia a seguir passei lá á mesma hora e já não me disseram nada. Mas como disse, foi a única vez.
 
#4
snowbike said:
Também utilizo a bicicleta todos os dias em Lisboa para ir para o trabalho, tendo em conta essa "experiência" que tenho, os meus comentários ás tuas dúvidas:

1 - Capacete é essencial, tanto faz ser na cidade como no meio do monte, isto na minha opinião. Reflectores nas rodas não utilizo, mas quando os dias ficam mais pequenos, utilizo iluminação na bicicleta para ser visto com mais facilidade.

2 - Eu não deixava a minha bicicleta. Se não tiveres um sitio seguro para a deixares, não confies num (ou dois) cadeados no meio da rua

3 - Eu ando quase sempre na estrada, mas quando vejo que é possível ir nos passeios, vou para evitar os sítios com mais transito/perigo

4 - Muita precaução nesses locais, tens que ir com muita atenção é o único conselho que te posso dar, ou então evita esses locais e vai pelo passeio (nem que seja com a bicicleta na mão) e atravessa na passadeira.

5 - Durante estes meses todos que faço isso, só por uma vez me chamaram a atenção, na zona de Caxias. Disse ao policia que sim senhor tinha razão, mas preferia ir ali porque era mais seguro. Ele não quis saber, e eu fui para a estrada, durante 100m e depois voltei a subir para o passeio. No dia a seguir passei lá á mesma hora e já não me disseram nada. Mas como disse, foi a única vez.
Obrigado pelas respostas!
2 - Não sei se conheces bem a zona do campo peq, planeio deixar a bicicleta bem presa perto do sítio onde assisto a aulas, mas este ano tenho um horário bastante curto pois estou apenas a fazer umas melhorias de notas a 3 disciplinas, às Segundas e Sextas estaciono-a às 08:30h e levanto-a às 13:30h, nos outros dias da semana é apenas das 12:00h às 13:30h. Como é uma zona relativamente movimentada e não tem fama de ser perigosa, penso não haver grande perigo durante estas horas. Mas pelo sim pelo não é melhor levar o selim comigo não?
 
#5
Sim conheço a zona, mas penso já não existirem zonas "seguras".

Mas acho que sim, pegas no espigão + selim e leva contigo, isso é fácil de tirar/roubar :wink:

Vais ver que nunca mais queres ir de carro :mrgreen:
 
#6
Permitam-me também acrescentar umas dicas às já anotadas:

1) Tal como o MrOverclock disse, o capacete não é obrigatório (apenas o é em bicicletas com motor). No entanto, nã deixes de o usar, pois pode salvar-te a vida. Em relação aos reflectores (e luzes, também dão jeito), só são obrigatórios à noite e em mau tempo ou visibilidade reduzida.

2)Raramente é seguro deixá-la amarrada a um poste no meio da rua. Caso não tenhas alternativa, aconselho-te a adquirir um cadeado igual ao meu: flexível, em aço bem grosso, com canhão de chave tubular. Comprei-o no El Corte Inglès (posso por foto, se quiseres ver como é). Em relação ao selim, leva-lo sempre, em qualquer circunstância. Uma bicicleta sem selim diminui significativamente as hipóteses de roubo. Mais uma coisa: se planeias estacioná-la no Campo Pequeno, procura um estacionamento próprio em frente à praça de touros.

3) Segundo o Código da Estrada, apenas podes transitar na estrada. Transitar no passeio, só a pé, com ela à mão, mesmo nos largos não excessivamente populados; pelo menos o Código não faz ressalvas quanto a isso. Mas se fores devagarinho também não devem chatear muito.

4) Para circulares numa rotunda, tens de proceder como se estivesses ao volante de um carro, isto é, escolhendo a via de trânsito mais apropriada à tua saída. Para não teres azares, aconselho-te a redobrares a atenção, sinalizares tudo o que tencionas fazer, e manter uma trajectória o mais previsível possível. Assim evitas que quem vá atrás de ti tenha de adivinhar para onde vais ou o que pretendes fazer. Se tens mesmo muito receio, a única alternativa é a que o snowbike mencionou.

5)Em relação a este ponto, só te posso dizer que depende do polícia que te interpelar. Enquanto que há uns que são "bonzinhos" e, depois de uma troca de argumentos sem armar espalhafato, deixam ir, há outros que embirram por dois motivos: por tudo e por nada. Com estes últimos, o melhor que tens a fazer é, antes de tudo, ouvir tudo o que ele disser, e depois argumentar, mas o mais provável é que ele continue na sua, e aí não tens remédio senão obedecer. Como ainda não fui interpelado por nenhum, dei esta dica muito por alto, sem grandes fundamentos.

Para todos os efeitos, podes sempre consultar o tópico "Deslocações diárias de bicicleta". De certeza que neste tópico encontras resposta para todas as tuas dúvidas (pessoalmente, já me esclareci lá sobre muita coisa).
 
#7
snowbike said:
Inserir Citação
Sim conheço a zona, mas penso já não existirem zonas "seguras".

Mas acho que sim, pegas no espigão + selim e leva contigo, isso é fácil de tirar/roubar

Vais ver que nunca mais queres ir de carro
Não me subestimes :mrgreen: sou um gajo muita preguiçoso...


Diogo Santos said:
Permitam-me também acrescentar umas dicas às já anotadas:

1) Tal como o MrOverclock disse, o capacete não é obrigatório (apenas o é em bicicletas com motor). No entanto, nã deixes de o usar, pois pode salvar-te a vida. Em relação aos reflectores (e luzes, também dão jeito), só são obrigatórios à noite e em mau tempo ou visibilidade reduzida.

2)Raramente é seguro deixá-la amarrada a um poste no meio da rua. Caso não tenhas alternativa, aconselho-te a adquirir um cadeado igual ao meu: flexível, em aço bem grosso, com canhão de chave tubular. Comprei-o no El Corte Inglès (posso por foto, se quiseres ver como é). Em relação ao selim, leva-lo sempre, em qualquer circunstância. Uma bicicleta sem selim diminui significativamente as hipóteses de roubo. Mais uma coisa: se planeias estacioná-la no Campo Pequeno, procura um estacionamento próprio em frente à praça de touros.

3) Se gundo o Código da Estrada, apenas podes transitar na estrada. Transitar no passeio, só a pé, com ela à mão, mesmo nos largos não excessivamente populados; pelo menos o Código não faz ressalvas quanto a isso. Mas se fores devagarinho também não devem chatear muito.

4) Para circulares numa rotunda, tens de proceder como se estivesses ao volante de um carro, isto é, escolhendo a via de trânsito mais apropriada à tua saída. Para não teres azares, aconselho-te a redobrares a atenção, sinalizares tudo o que tencionas fazer, e manter uma trajectória o mais previsível possível. Assim evitas que quem vá atrás de ti tenha de adivinhar para onde vais ou o que pretendes fazer. Se tens mesmo muito receio, a única alternativa é a que o snowbike mencionou.

5)Em relação a este ponto, só te posso dizer que depende do polícia que te interpelar. Enquanto que há uns que são "bonzinhos" e, depois de uma troca de argumentos sem armar espalhafato, deixam ir, há outros que embirram por dois motivos: por tudo e por nada. Com estes últimos, o melhor que tens a fazer é, antes de tudo, ouvir tudo o que ele disser, e depois argumentar, mas o mais provável é que ele continue na sua, e aí não tens remédio senão obedecer. Como ainda não fui interpelado por nenhum, dei esta dica muito por alto, sem grandes fundamentos.

Para todos os efeitos, podes sempre consultar o tópico "Deslocações diárias de bicicleta". De certeza que neste tópico encontras resposta para todas as tuas dúvidas (pessoalmente, já me esclareci lá sobre muita coisa).
2 - Okay, mas onde é esse estacionamento? Eu vou para a Av. da República, para que lado da praça fica? Confesso que nunca o vi... Agradecia o nome completo ou uma fotografia do cadeado, devo comprar dois. Um para prender uma roda ao quadro, outra para prender a outra roda ao quadro e a um poste ou coisa semelhante.

4 - Pois, mas a rotunda do Areeiro tem 3 faixas, e a minha saída é a última, não me inspira muita confiança em enfiar-me bem no meio de uma rotunda em hora de ponta, prefiro arriscar e ir pelo passeio...

Nos outros pontos... fiquei exclarecido, muito obrigado pela ajuda!
 
#8
Outra sugestão em relação a isso da Rotunda do Areeiro, faz o percurso primeiro a um fim de semana, talvez consigas encontrar alguma alternativa que dé para evitar a passagem nesse local (o túnel não é alternativa, mesmo que leves faróis :mrgreen:)
 
#10
Shark00n, cá vão as informações:

Marca do cadeado: Luma 7361 Easy Plus

Fotos:



O pormenor do canhão da chave:



Para teres uma ideia da grossura:



Tal como disse, podes comprá-lo no El Corte Inglès. Custou-me 12.50 €.
 
#11
Pois bem, não sou lisboeta, não resido em Lisboa, mas, hoje, enquanto consultava a edição on-line do Semanário “Sol”, chamou-me a atenção um artigo dedicado a um estudo elaborado por um engenheiro civil, que durante cem dias optou pela utilização da bicicleta em detrimento de outros tipos de transportes.
Aqui fica a reprodução integral do supra referido artigo, que considero bastante interessante.


Lisboa é uma boa cidade para andar de bicicleta

Lisboa é uma cidade boa para andar de bicicleta, garante um engenheiro civil que durante cem dias optou por deslocar-se na capital a pedalar, abdicando de autocarros, carros, táxis e metropolitano.

Após mais de cem dias e 1200 quilómetros de bicicleta percorridos em Lisboa, Paulo Guerra dos Santos concluiu que a capital «é cem por cento ciclável e que as desculpas das colinas, do tráfego e do clima são mitos».
«As colinas ocupam quinze por cento da área urbana da cidade. 80 por cento das cerca de 700 mil pessoas que habitam em Lisboa moram e trabalham fora das áreas das colinas. A maioria dos fluxos que se fazem dentro da cidade (casa-trabalho) são na marginal e no eixo Baixa-Campo Grande, na sua maioria zonas planas ou muito suaves», explicou à Lusa o investigador, responsável pelo projecto «100 dias de bicicleta na cidade de Lisboa».
O clima é «um dos melhores da Europa, nunca está demasiado frio nem demasiado calor».
O tráfego automóvel é um problema «apenas no início», e até levou Paulo Santos a pedalar nos passeios.
«Quando comecei o projecto não fazia ideia do que era andar em Lisboa de bicicleta. Nem bicicleta tinha. Tive de pedir uma emprestada. As duas primeiras semanas foram difíceis. Confesso que andei muito em cima de passeios, mas fui desaconselhado a abandoná-los e a passar para a estrada. Aos poucos vamos ganhando confiança e deixamos de olhar para trás», recordou.
Além de desfazer mitos, Paulo Santos conferiu que «andar de carro não faz sentido e é um custo enorme».
«A bicicleta custou-me 300 euros e já está mais do que paga com o dinheiro que poupei em gasolina e passes», referiu.
Mas há mais, andar de bicicleta também traz benefícios para a saúde, «com pouco esforço ajuda a manter uma certa forma física».
Acima de tudo é «um excelente veículo para promover a mobilidade».
Em Lisboa faltam ciclovias, que podem ser providenciadas «com algo tão simples como uma mudança na legislação que permita que as bicicletas possam partilhar a faixa do ‘bus’».
«Há zonas em que é possível estreitar as faixas dos automóveis e alargar a do ‘bus’, colocando ali um metro especificamente para o ciclista e há muitas avenidas onde há espaço para isso não prejudicando», defendeu o investigador.
Alargar o horário em que as bicicletas podem ser transportadas no metro «também seria benéfico», bem como adoptar uma ideia já aplicada em algumas cidades norte-americanas: «colocar ganchos na frente dos autocarros onde dá para pendurar duas ou três bicicletas».
O projecto acabou e o investigador garante que vai continuar a utilizar a bicicleta para deslocar-se na cidade e deixa um recado: «é preciso criar a noção que os carros não são bem-vindos no centro».
 
#12
Sobre o Engenheiro que acha que Lisboa é uma boa cidade para andar de bicicleta, só concordo com o que diz sobre o CLIMA. O resto devo dizer, é só a minha opinão, deve ter sido encomendado pelo seu colega Engenheiro Técnico, por acaso Primeiro Ministro, que deve estar a ver que os ciclistas também votam.
Qualquer dia também deve de achar que em termos de condições Lisboa, já é superior a qualquer cidade europeia.
Acho que o fórum deve convidar este engenherio para ser devidamente acompanhado nas suas deslocações em Lisboa numa bcicleta tandem e depois falamos das experiências, clima à parte.
Ok?
 
#13
Vou deixar-vos estas minhas experiências sobre andar em Lisboa de bike....

Desde há cerca de 2 meses utilizo a bike para ir para o trabalho.......de Pombal...........para Belas (Carregueira) :shock:

Claro que vou de comboio e não a pedalar, mas a partir da estação de Belas-Monte Abraão tenho mesmo de pedalar e quase sempre a subir.

Passados 2 dias e 2 noites de trabalho é chegada a hora de voltar para casa.

E aqui começa a verdadeira ''aventura'' :

Carregueira :arrow: E.N. 117 :arrow: Belas :arrow: Amadora :arrow: Estrada de Benfica :arrow: Sete Rios :arrow: Por debaixo de Eixo Norte-Sul :arrow: Praça de Espanha :arrow: Av. António Augusto Aguiar (ao lado do ''El Corte Inglés) :arrow: Av. Fontes Pereira de Melo (pouco antes da rotunda do marquês atravesso as passadeiras para peões com a bike na mão para as laterais da Av. da Liberdade) :arrow: Av. da Liberdade (vou pelas laterais, passeios, jardins, etc.) :arrow: Restauradores (utilizo tanto a estrada como os passeios) :arrow: Rossio :arrow: Terreiro do Passo :arrow: Av. Infante D. Henrique :arrow: S. Apolónia

São cerca de 20 e poucos KM de passeio (1 Hora) com alguns perigos à mistura, porque o transito automóvel que se faz nestas estradas que utilizo não é exactamente do + pesado que existe mas sempre é preciso ter o máximo de cuidado possivel.

Os autocarros são muito frequentes e costumam dificultar um bocado a nossa vida porque ora abrandam nas ''paragens'' ou andam + que nós nas rectas e ultrapassam-nos outra vez.

À medida que cheguemos perto do coração de Lisboa, o trânsito aumenta e até nos olham de maneira diferente. :shock: :mrgreen:

Ainda acredito que qualquer dia arranje coragem para me meter na rotunda do Marquês de Pombal, que deve ser uma das maiores do pais (ou com mais trânsito), mas acreditem que quando chego lá a prudência fala mais alto.

Durante a semana é assim, mas ao Fim-de-Semana o caso muda de figura e o trânsito automóvel diminui, sendo então um prazer redobrado andar nestas estradas.

Como o comboio é só às 09:48 horas (sobra 1 hora e tal), aproveita-se o tempo que sobra para fazer uns passeios por Lisboa de bike. Já visitei o Castelo e zona envolvente e também andei a passear no Chiado e Bairro Alto.

Posso garantir a todos que é uma experiência que vale a pena fazerem porque os sons e os cheiros que se captam são diferentes dos do campo, mas são os sons e cheiros tipicos de uma cidade que acabou de acordar....... :mrgreen:
 
#14
Ora aqui temos dois posts (os 2 imediatamente acima deste) bem elucidativos.

Um de quem certamente nunca irá utilizar uma bicicleta como meio de transporte citadino. E que, demagógicamente, põe em causa a honestidade de alguém que tem vindo a realizar um excelente trabalho de promoção da bicicleta.

Outro de quem não precisa de estar à espera que os políticos tomem medidas... avança e faz aquilo em que acredita.

Esta é que é a realidade....
Para mim é fácil decidir com quem é que estou de acordo. :wink:
 
#15
Não ponho em causa a o trabalho pela promoção da bicicleta como meio de transporte ou de lazer. O que ponho em causa, Clima à parte repito, são as conclusões. Tentar demonstrar que a cidade de Lisboa é boa para andar de bicicleta, no meio do trânsito é que não papo.
Mais que não seja porque a saúde, acidentes à parte, também conta e a poluição em Lisboa também é elevadíssima, comprovada também por estudos. Afinal proibiu-se o fumo em tudo o que é local público por razões de saúde pública e estão a dizer-me que posso ir para o meio do trânsito, "fumar", em esforço, gases de escape?
Tenham dó,
 
#16
Colinas
Clima
Trânsito
Saúde
Acidentes
Poluição
.....



mais alguma coisa?

Quem não quer andar de bicicleta em Lisboa, está no seu direito.
Desculpas destas é que não vale a pena.....

Quem quer (mesmo) andar, anda!
São esses ( e apenas esses) que farão com que as coisas melhorem.
 
#17
Acho que andar em Lx tem mto que se lhe diga, é preciso ter muito cuidado com as Av. movimentadas, o pessoal ainda tem mto o pé pesado e nc está atentos a veículos menores que os seus, se motas já é o q é, e mais mexem-se bem, qto mais uma bicla....

Eu se tivesse de andar preferia andar sp em passeios largos, ou estradas mais recatadas do transito. Acho que meter-me de bicla na rotunda do marquês em plena hora de correria, saia de lá sem bicla ou com uns arranhões ou mais atrás.....

Acho que para quem vive em Lx e precisa mm de se deslocar lá dentro, é o melhor método, pois além de ter 1 custo reduzido com o andar de transportes ou mm de veículo próprio, é saudável, claro que ñ é o mm que andar a respirar ar puro, mas dentro do q se pode arranjar é melhor do q tar dentro do carro de ar condicionado, sem fazer um cu...
 
#18
Acho que andar em Lx tem mto que se lhe diga, é preciso ter muito cuidado com as Av. movimentadas, o pessoal ainda tem mto o pé pesado e nc está atentos a veículos menores que os seus, se motas já é o q é, e mais mexem-se bem, qto mais uma bicla....
Sim, concordo plenamente. Deve ser terrivel levar com um carro ou pior em cima. Mas as quedas que já dei de bicla em locais mais agrestes e onde a natureza é mais selvagem, apesar de ir com a atenção no máximo, levaram-me também ao hospital (algumas) :mrgreen:

Tentar demonstrar que a cidade de Lisboa é boa para andar de bicicleta, no meio do trânsito é que não papo.
Mais que não seja porque a saúde, acidentes à parte, também conta e a poluição em Lisboa também é elevadíssima
Eu não digo que a cidade de Lisboa é boa ou má para andar de bicla, mas digo que os gases de escape nunca me preocuparam muito e nunca os senti directamente a ter alguma influência na minha condução. Eu sei que eles existem em grandes quantidades. Agora os cheiros que senti com mais força provinham de um sitio perto de Sete Rios.....chamado ZOOLOGICO (que fedorrrrrrrrrr) :mrgreen:

No fundo, acho que os perigos para quem anda de bicicleta, seja no campo ou em Lisboa, serão sempre elevados.

Mas quem gosta.............gosta :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen:
 
#20
Sim as velhinhas chatas :evil: :evil: :evil:
Hoje em Algés com as obras na estrada tive que ir pelo passeio. Lá fui eu devagarinho e quando chego ao fim das obras quando quase posso voltar à estrada vem uma velhinha perguntar o que fazia eu no passeio :shock:
Passeio este que não tinha muita gente portanto nem houve confusão nenhuma.
Apliquei-lhe o tratamento do silêncio mudo :mrgreen: