2ª Prova de Resistência BTT- Beselga- 26 Junho 2011

#22
O percurso das 6 Horas de Resistência está definido. Este ficou um pouco mais curto do que o previsto tendo aproximadamente 8kms. Um percurso diferente do ano passado e capaz de surpreender mesmo aqueles que ao longo dos anos têm participado nos mais diversos eventos organizados por nós. Este tem algumas partes técnicas pelo que, mesmo com iluminação, seria arriscar demais. Deste modo, resolvemos antecipar o início da prova para as 14 horas. Brevemente a altimetria do percurso e respectivo acumulado serão facultados. Temos assim reunidas todas as condições para publicarmos o Regulamento das 6Horas, pelo que logo que possível estará disponível em www.associacaobeselguense.pt.
Um grande abraço a todos.
 
#25
Falta apenas um mês para as 6 Horas de Beselga. Depois de uma volta pelas imediações da Beselga para retirarmos as fitas da última caminhada não resistimos a fazer mais uma volta ao percurso. Este melhora de volta para volta, em Maio vai estar no seu esplendor.
Inscrevam-se o quanto antes e garantam um lugar na pole position da 2ª Prova de Resistência. Ficam aqui algumas fotos da Barragem da Dama pois este ano também faz parte do percurso.






Um abraço
 
#26
Todos os participantes nas 6 Horas de Beselga vão receber um corta-vento semelhante a este.
Estão apenas disponíveis os tamanhos M/L e XL/XXL.



Um abraço
 
#27
Vamos lá formalizar as inscrições para que tudo possa decorrer da melhor forma.
Aproveitamos para desejar uma boa Páscoa a todos.
Um abraço
 
#29
Na quinta-feira passada testámos o trajecto das 6Horas de Beselga mais algumas vezes. Ficam aqui mais alguns fragmentos do percurso.
Para a semana contamos fazer o registo fotográfico mais alargado para ficarem com uma noção mais completa do percurso.









Um abraço
 
#31
Infelizmente não vou poder participar este ano no vosso evento . Só vos desejo que tudo vos corra bem. Cumprimentos
Agradecemos o interesse manifestado pela nossa Prova de Resistência, na esperança de num futuro próximo nos poder brindar com a sua presença.
Pedimos a todos os interessados que formalizem as inscrições pois pretendemos fazer atempadamente a encomenda dos corta-ventos.
Um abraço
 
#33
Citamos as palavras escritas na promoção da 1ª Prova de Resistência pois estas espelham muito bem o nosso pensamento sobre as provas deste género.

Uma prova de resistência não se reduz apenas à perseguição dos primeiros lugares, mas também à experimentação das possibilidades de cada um, de forma saudável e agradável.

Num percurso de 8kms, a familiaridade torna-se mais próxima. Um pai pode acompanhar um filho, o marido a esposa, um amigo outro amigo, incentivando-se e aconselhando-se quanto ao número de voltas a fazer, quer de forma ininterrupta, quer descansando.

E que no fim cada um possa dizer: o meu corpo correspondeu à minha alma.
Um abraço
 
#34
Carissimos,

Antes de mais o meu obrigado pelo envio do DVD da Maratona e convite para a Resistência, mas não era necessário, pois como bem sabem eu fuidos primeiros a me inscrever! :D
Já falta pouquinho, pelo que vou tratar de regularizar a situação da minha dupla, a ver se ficamos com o dorsal número 1 :)

Um grande abraço e continuem o bom trabalho!!!
 
#35
Comunicado

Sempre foi a nossa intenção de organizarmos a Prova de Resistência no dia 26 Junho. Porém, por motivos alheios à nossa vontade e por razões logísticas tivemos marcar a prova para o dia 14 de Maio. Ultrapassadas essas questões logísticas e em virtude de termos sido também contactados por inúmeras pessoas interessadas em participar na nossa Prova de Resistência e dada a impossibilidade de nesta data de o poderem fazer, a Direcção da Associação Humanitária Cultural e Recreativa Beselguense decidiu alterar a data do evento.
Assim, a 2ª Prova de 6 Horas de Resistência vai ser realizada no dia 26 de Junho de 2011.
Contando que com esta alteração poderemos abranger um maior número de interessados e sabendo de antemão que alguns dos já inscritos poderão eventualmente não poder participar nesta nova data, ficam aqui as nossas sinceras desculpas pelo transtorno causado e pedimos-lhes o favor de entrarem em contacto connosco.
Agradecendo desde já a Vossa atenção e compreensão despedimo-nos com amizade.
 
#36
Ora, assim, e como disse ao telefone, somos meninos para irmos, mais uma vez, até à Beselga!

Vou falar com as restantes mulas a ver quantos seremos!
 
#37
Pois para mim, à partida, esta mudança é má, pois estava ansioso por poder participar nesta prova, e o dia 26 de Junho já estarei ocupado... :-(
 
#38
Este vídeo foi elaborado com as fotos utilizadas na promoção dos diversos eventos organizados pela Associação H. C. R. Beselguense ao longo dos anos (Maratonas de BTT, Passeios de BTT, Passeios de BTT Nocturnos e Caminhadas).

Só foi pena termos tido que alterar algumas músicas da versão original pois bloquearam banda sonora do vídeo. Mas ainda não desistimos, possivelmente ainda não será a última versão.

Esperemos que gostem.



[video=youtube;EuGiymCnLbI]http://www.youtube.com/watch?v=EuGiymCnLbI&feature=player_detailpage[/video]
 
#39
Hoje foi dia de mais uma volta ao percurso ainda que de forma diferente.
Assim que possível colocaremos o relato desta manhã fantástica.
Um abraço a todos
 
#40
No dia 9 de Maio, bem pela manhã, tinha por missão realizar a cobertura fotográfica do percurso das 6 Horas de Resistência. Uma vez que já fiz o percurso por diversas vezes de bike, e no sentido de poder apreciar ainda melhor a paisagem e tentar captar pormenores importantes resolvi fazer o percurso a pé. Assim como verdadeiro Explorador da Natureza parti de mochila às costas, máquina fotográfica ao pescoço, catana à cintura e sem esquecer o tradicional colete.

O percurso começa com um single-track um pouco técnico, pelo meio uma curva de quase 90° terminando numa pequena descida em rampa. No horizonte podemos visualizar o lindo Castelo de Penedono que parece vigiar tudo o que se passa por estas terras.



A utilização deste single- track para além da sua beleza é a forma mais indicada para evitarmos passar no centro da aldeia. Contudo, na primeira volta iremos passar pelo meio da Beselga.



Os campos agrícolas anos após ano têm sido abandonados. Quando era pequeno esta zona fértil, que se denomina Arais estava completamente cultivada. Felizmente ainda há quem tente subsistir e continuar a produzir produtos de qualidade pelas nossas terras.
Depois do single -track teremos algumas centenas de metros em zona plana, passando pela zona mais antiga da Beselga.



Os burros (Equus africanus asinus) também estão em vias de extinção por estas bandas. Outrora, muito importantes no trabalho agrícola, com a mecanização e abandono dos campos foram desaparecendo. Hoje resumem-se a pouco mais de meia dúzia de exemplares.



Esta é uma das casas típicas, por sinal também com um grande valor sentimental, pois pertenceu aos meus avós maternos.



A ponte românica é sem dúvida um dos ex-líbris da Beselga. Há uns anos atrás foi interdita a passagem a veículos o que ajudou na sua conservação.
É claro que as bicicletas não se incluem nesta proibição.
A ponte vista de um ângulo pouco habitual, junto ao moinho de água.





Outro dos ex-libris é capela de Nosso Senhor dos Passos que podemos observar no cimo da aldeia.



A casa que aparece em primeiro plano reza a história que é a casa mais antiga da Beselga.
É com muito agrado que vejo que uma das três partes (três proprietários) já sofreu obras de recuperação.



Um pouco mais acima podemos visualizar este pombal.



A subida não é muito acentuada, a paisagem envolvente ocupa a nossa mente e nem damos conta que estamos a subir.



A Beselga fica para trás.



Ainda a subir pelo meio de pinhais. Este poderá ser um pormenor muito importante na performance de todos, sobretudo se estiver um dia muito quente, pois grande parte do percurso desenrola-se pelo meio da sombra fresca de pinheiros e carvalhos.





Um pouco mais acima e ainda pelo meio dos pinhais, os cucos a cantam freneticamente, uns cantam de um lado, outros respondem do outro. Para dizer a verdade nunca gostei muito destas aves oportunistas, apesar de terem “cabedal” para fazerem os ninhos e tratarem dos filhos acabam por se aproveitarem de outras aves mais pequenas para fazerem o trabalho deles.



Quase no ponto mais alto do percurso.





Na nossa infância sem computadores, PlayStation´s ou telemóveis muitas das brincadeiras passavam pelo popular futebol, apanhadas, berlinde, mata, lata, escondidas, pião, macaca, hóquei em patins (claro sem os patins e jogado na rua, para stick utilizávamos um ramo com uma curva na ponta, mas eram os toros de couves os mais utilizados por terem essa configuração ) jogo do prego em que se tinha de conquistar terreno espetando um prego aguçado na terra, etc…
Havia outras brincadeiras mais “radicais”:
As fisgas- Umas feitas com um ramo de uma árvore em forma de Y, com borrachas de câmaras de bicicleta atadas com outras borrachas mais pequenas, e na outra extremidade atado a uma língua de bota ou sapatilha onde se colocava a pedra. Objectivo era arremessar pequenas pedras e acertar num alvo de preferência que mexesse. Outras feitas em arame, com um elástico preso nas extremidades lançavam pequenos grampos feitos também em metal (o fio eléctrico era o mais utilizado). Este grampo projectado atingia grandes velocidades e era capaz de provocar grande dor.
Arcos - Serviam para atirar setas de madeira (bem aguçadas) mas também de metal feitas com as varetas dos guarda-chuvas (altamente perigosas). Ainda existem algumas portas de madeira cravadas por estas setas.
Zarabatanas – Era o instrumento mais fácil de fazer, era só cortar um pequeno tubo da electricidade (branco e rijo) com cerca de 60cm, arranjava-se uma munição (bola de papel, grão de milho…) colocávamo-la no tubo e soprávamos com força. Evoluiu rapidamente e passaram a ser lançados pequenos rolos de papel em forma de cone, e os mais arrojados chegaram a lançar cones com alfinetes na ponta.
Lança -caricas - Feito com um pequeno pedaço de ripa (+ 60cm), com um elástico (elástico de costura) preso na ponta, depois era só esticar o elástico com a carica e prendê-lo numa mola de roupa colocada para esse efeito na outra extremidade. Quando se queria atirar era só carregar na mola, largava o elástico e lançava o projéctil. Não foi um objecto que tivesse conquistado muitos adeptos se calhar porque não magoava o suficiente.
Mais tarde fizeram-se bestas e aí sim verdadeiras armas de guerra altamente perigosas pois eram capazes de ferir com gravidade pessoas e animais.
Quando não havia nada disso à mão por vezes andávamos à pedrada uns com os outros ou com os habitantes das terras vizinhas.
Quando não fazíamos nada disso costumávamos ir às cerejas em “ alcateia”. Era aqui que eu queria chegar pois quando ia no caminho lembrei-me de uma cerejeira na Quinta do Pedrógão. A curiosidade era saber se ainda existia. Para meu espanto apesar de estar mais pequena do que na nossa infância ainda lá estava. Devido à sua velhice as pernadas maiores deviam ter partido com o vento mas entretanto rebentaram outras. Esta era um alvo fácil pois na altura já não vivia ninguém nessa quinta e por ser um sítio isolado corríamos poucos riscos de sermos surpreendidos pelo dono como acontecia com outras mais próximas da povoação.



A casa é lindíssima e o sítio muito calmo e bonito. Não me importava nada de ter condições para poder viver ali.



Desculpem a divagação, vou continuar a descrição do percurso. Depois de terminada a subida, entramos num single - track espectacular. É um single um pouco técnico e por ser a descer exige de nós uma atenção redobrada.



Este carreiro esteve intransitável durante muito tempo, mas foi alvo de uma limpeza no ano passado, é um trilho a estrear.



A erva tem crescido muito nestas últimas semanas e vai escondendo o trilho. Contudo, está prevista uma intervenção uma semana antes do evento.
Vi um pombo bravo a levantar voo de um pinheiro, depois de observar atentamente não foi difícil descobrir que tem o seu ninho nessa árvore. Outras das ocupações era irmos aos ninhos. Quando descobríamos um ninho por mais difícil que fosse o acesso (por estar muito alto, ou dentro de um poço, ou num buraco etc…) conseguíamos arranjar sempre uma estratégia de chegar aos passarinhos. Naquele tempo, saber um ninho de um pardal, carriça, arvéola,melro, ou outro pássaro pequeno já era motivo para ser popular durante uns dias na escola pois toda a gente queria saber onde se encontrava o ninho. Agora saber um ninho de pombo bravo, de peneireiro, de coruja, de mocho, de milhafre etc… colocava-nos num outro patamar, nos píncaros da popularidade por serem mais raros e difíceis de encontrar.
Espero que este casal de pombos possa criar os seus filhotes de forma tranquila.





Terminado o single vamos passar neste terreno que foi plantado recentemente com carvalhos. Agradecemos desde já ao seu proprietário a cedência de passagem pelo terreno.



Seguimos depois por uma estrada municipal (cerca de 300m) até ao segundo ponto mais alto do percurso.



Antes de chegarmos ao referido ponto podemos encontrar mais uma construção.





Descemos em direcção barragem por mais um single-track. Valeu bem a pena as horas que passámos a limpar o trilho.



Esta também é uma parte técnica e com uma curva próxima de 90° (será uma das partes a ter em atenção).



Já em cima da ponte do pequeno ribeiro que alimenta a Barragem da Dama. A vista é fantástica. Já aqui passei muitas horas à pesca. Esta barragem é considerada truteira, as trutas e fardetas eram as espécies primitivas que aqui existiam. Mais tarde (infelizmente) foram introduzidas outras espécies: percas, achigãs, barbos etc… que acabaram por levar à extinção das espécies autóctones. Há poucos anos tiveram de ser feitas obras na barragem e teve de ser despejada. Muitos dos peixes foram pela ribeira a baixo, outros foram apanhados pela população local e muitos outros acabaram por morrer asfixiados.
Olhei para a água e para minha desilusão não vi peixe nenhum.



Continuámos ainda em single-track pelo meio dos carvalhos junto às margens da barragem.



Ao passar junto da barragem fui invadido por uma quantidade enorme de recordações, pois era o local de eleição para passarmos os domingos quentes do Verão. Muitos de nós aprenderam aqui a nadar e passámos muitas horas a construir barcos e jangadas, sendo que a maioria foram experiências falhadas.



A acrescentar às vivencias da nossa infância, a passagem de todos vós por este local proporcionará momentos de rara beleza que procuraremos captar com as nossas câmaras, e ficarão registados na nossa memória mas mais importante é que farão parte da história da Barragem da Dama.



Continua ...